Início » Economia » Internacional » Japão tenta explicar prostituição na Segunda Guerra
'Mulheres de conforto'

Japão tenta explicar prostituição na Segunda Guerra

Para justificar o injustificável, o Japão recorre ao acobertamento mais uma vez

Japão tenta explicar prostituição na Segunda Guerra
Shinzo Abe tenta justificar o injustificável (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Por anos Shinzo Abe, o primeiro-ministro do Japão, vem brincando com fogo diplomático em relação a um episódio sórdido da história durante a Segunda Guerra Mundial: a ida de milhares de mulheres de toda a Ásia para bordeis do exército japonês. As desculpas de 1993, conhecidas pelo nome de seu autor como “o discurso Kono”, reconheceu o papel do exército em forçar as mulheres a se tornarem escravas sexuais. Os nacionalistas afirmam que as mulheres eram prostitutas que se prestaram ao trabalho. Eles exigem a refutação do discurso, enquanto que o Yomiuri, o jornal mais popular do Japão, pediu que ele seja alterado.

Em 20 de junho, uma junta governamental estabelecida por Abe afirmou que os fatos usados para compor o discurso são precisos e de que não há planos de alterá-lo. Mas a junta também revelou que o documento foi resultado de meses de negociações com a Coreia do Sul. Os registros diplomáticos revelam discussões acaloradas sobre o nível de coerção utilizado, sendo que o Japão insinuava que algumas mulheres podem ter ido para os bordeis voluntariamente.

O Yomiuri cita o relatório como evidência de que o discurso Kono está cheio de problemas. Koichi Hagiuda, assessor especial de Abe, liderou a onda de reação, exigindo que Kono se explique ao parlamento. Mas a Coreia do Sul também está irritada por perceber outra tentativa de corroer a credibilidade do discurso Kono. Cho Tae-yong, vice-ministro das relações exteriores, acusou o Japão de editar com “egocentrismo” o registro do que já foi discutido.

Fontes:
The Economist-Looking for loopholes

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Ludovino Azambuja disse:

    Mas os japoneses pagaram caro por isso mais tarde. Após a derrota, os americanos prostituíram as gueixas, em Tókio, nos calcanhares do imperador Showa (Hiroito).

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *