Início » Brasil » Política » Leitora fala sobre racismo e a obra de Monteiro Lobato
Opinião Pública

Leitora fala sobre racismo e a obra de Monteiro Lobato

A leitora Zizi Mattos foi escolhida como a Opinião Pública

Leitora fala sobre racismo e a obra de Monteiro Lobato
Opinião Pública

A leitora Zizi Mattos comentou a matéria Monteiro Lobato, Ziraldo e o racismo maluquinho e foi escolhida como a Opinião Pública da semana. E você? Já deu sua opinião?

Até os quase 12 anos de vida, não entendia muito bem o que era racismo. Em casa, meus pais sempre orientavam a distinguir as pessoas pela educação, pelo comportamento e outros detalhes que hoje falo como éticos, pois visavam sermos respeitosos com nossos semelhantes. Negro para nós até idade de oito anos era quem nascia à noite. Residindo, nos primeiros anos de vida, em bairro típico de imigrantes mas com vizinhos negros (poucos), não tive conhecimento que esses vizinhos de cor diferente da nossa, fossem de alguma forma rejeitados ou mesmo molestado com simples olhares. Aos poucos o conhecimento da origem do homem sob o ponto de vista dos meus pais, da religião ensinada em casa e na escola e a leitura selecionada por eles, ensinou-me que as raças eram autóctones, portanto dependiam do continente onde se originavam (!?). Todavia aos quase 12 anos mudei para outra cidade, onde a escola tinha outra “filosofia” e novos colegas, onde então conheci o tal racismo. Quantas vezes me sentia uma extraterrestre, única pessoa em classe ou em reuniões sociais em casa de colegas, onde todos confessam o preconceito racista. No entanto, jamais me fizeram arrancar minhas convicções e o sentimento de igualdade entre os meus semelhantes. Portanto tenho certeza que o preconceito e racismo, dependem inicialmente do lar, da igreja, da escola e do meio em que se vive. Sou pessoa de sorte. Pode ser que haja outros caminhos mas o que me ensinaram foi tão significativo que jamais seria racista. Quanto a Monteiro Lobato acho falta de criatividade “buscar” textos capazes de fazer esquecer o tanto que que sua leitura primorosa faz despertar nos jovens para a história, geografia, ciências, literatura e outros campos do saber. Tivessem outros Lobatos e seríamos melhores. Será que seus opositores (e agora de Ziraldo!)tiveram a sorte que tive na infãncia e na adolescência, de leitura de autores capazes de nos fazer raciocinar e fazer criar os nossos próprios conceitos, inclusive perdoando esse novos críticos que passam por cima de tanta coisa boa deixada por escritores que tanto estimularam nossa fantasias. Haja Deus! Procurem outras formas de aparecer!

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

27 Opiniões

  1. Peter Pablo Delfim disse:

    Senhor Monteiro Lobato, não sei absolutamente nada sobre o plano espiritual no qual o Senhor se encontra agóra. Faço votos que seja melhor do que o plano em que me encontro no momento e pelo qual o Senhor já passou dignamente. Por aqui as coisas estão muito feias. Feias estéticamente, moralmente e éticamente. Meu consolo e tranquila esperânça é que em breve, a julgar por minha idade, estarei junto ao Senhor, se é que isso é possivel. Terei então, talvez, a oportunidade de recordar serenamente das estórias tão bem escritas pelo Senhor e que por muitos anos embalaram meus sonhos assim como de muitos outros. Não vai me incomodar nem um pouquinho que o Senhor tenha sido, enquanto aqui esteve, um racista inverterado, assim como espero que o Senhor não se importe com éssa minha constatação, pois afinal de contas já fazem tantos anos e sua obra continua tão linda. Nutro, nas profundezas do meu íntimo uma admiração pelo escritor e sua obra enquanto ao homem dedico meu respeito e compreendo suas motivações racistas encravadas no tempo. Acredito que poderemos, entre sessões de leituras e joguinhos de biriba colhermos, entre aqueles que aqui estão, motivos para nossos debates que servirão de providencial bálsamo contra o tédio e incontroverso crescimento. Desconhecendo a tecnologia que teremos a nossa disposição, digamos que anotaremos determinadas afirmações que ressoam como sentenças tais como “qualquer pessoa com um mínimo de instrução sabe”. Ou a desqualificação da ética e da moral de hoje no reconhecimento que a de ontem não vale mais e por conseguinte a de amanhã também poderá não valer então. Ou ainda a concepção do étnico separando o racial em prol de teorias em voga na época. Ou ainda um movimento que de tão segmentado não consegue um CNPJ mas tem a pretensão de reescrever a história e mudar a Bíblia e portanto está recomendado para o divã de um psicanalista. Ou ainda que todas as mulatas já tem a profissão de mulatas. Ou ainda que aqueles que como eu que o considero racista em sua passagem terrena ou são ignorantes ou mal intencionados, ou agem com má fé para se autopromover. Temos aqui Senhor Monteiro Lobato um minúsculo roteirinho sugerido para nossas considerações, fruto do desencontro de idéias e que são muitas e muitas e muitas. Será que o Senhor não vai cançar disso tudo Senhor Monteiro Lobato? Para ser bem sincero com o Senhor, estou mais inclinado em dar uma limpadinha no que existe de ódios, rancores, preconceitos, hipocrisias, racismos, amarguras, incompreenções, fingimentos, crueldades, ignorâncias e intolerâncias. Quem sabe Senhor Monteiro Lobato, não trocaríamos o resultado dessa limpezinha não pela paz, mas pela procura da paz para assim preservarmos a continuidade das nossas distrações.

  2. GLEDSON VIANA disse:

    APÓS MACHADO DE ASSIS,É PROVÁVEL QUE NÃO TENHA PISADO SOBRE A PINDORAMA OUTRO ESCRITOR DE MAIOR ENVERGADURA QUE LOBATO.QUEM O CHAMA DE RACISTA,TEM OU POUCO CONHECIMENTO DE SUA OBRA OU ENTÃO(O QUE É MAIS PROVÁVEL)AGE COM MÁ FÉ PARA SE AUTOPROMOVER.MAS,SEJAMOS BENEVOLENTES,E FIQUEMOS COM A PRIMEIRA HIPÓTESE.NA VASTA OBRA LITERÁRIA DO ESCRITOR,ENCONTRAMOS UM SENSO TÃO APURADO PARA FALAR A RESPEITO DA SOCIEDADE BRASILEIRA,ATÉ HOJE NÃO SUPERADA POR OUTRO AUTOR.E SEU CONTO MAIS FAMOSO,NEGRINHA,TRATA COM EXTREMA DIGNIDADE A PERSONAGEM MESTIÇA,QUE SOFRE HORRORES NAS MÃOS DA SENHORA BRANCA.OUTRO CONTO NOTÁVEL É ‘O JARDINEIRO TIMÓTEO’ MAIS UMA VEZ COM UM PERSONAGEM NEGRO COMO PROTAGONISTA.LOGO,DEDUZ-SE QUE A OBRA LOBATIANA,COMO UM TODO,É A MAIOR DEFESA CONTRA ESSA ACUSAÇÃO EQUIVOCADA.ALIÁS,NOCONTO NEGRINHA,LOBATO SENTENCIA QUE UMA MULHR SÓ TEM DOIS GRANDES MOMENTOS NA VIDA:UM É QUANDO GANHA UMA BONECA,OUTRO QUANDO DÁ À LUZ.DEPOIS DISSO,”ESTÁ EXTINTA A MULHER”FEMINISTAS,UNI-VOS CONTRA ESSE PÉRFIDO MACHISTA.

  3. luciano pinheiro disse:

    ótimo o site de notícias do Opinião. Diagramação perfeita. Qualidade a toda prova. Editorialistas bem informados e com qualidade de texto. Sou retador de um pequeno (www.avozdoceara.com.br) no interior do Ceará. Adorei. Mandem notícias. Abraço do Luciano

  4. heena maria de souza disse:

    Oi Zizi
    Que bom uma opinião sensata. Qualquer pessoa com um mínimo de instruão sabe que os seres humanos são filhos de uma época, ou seja carregam valores, a ética e a moral do tempo em que vivem. Nos anos 30, a concepcao qque se tinha da questão étnico/racial era outra, e as teorias racistas estavam em voga.
    Não ser caspaz de entender isto, é prova de que os detratores de Lobato e Ziraldo, provavelmente nunca leram a obra do primeiro, e desconhecem o trabalho do último.
    Há uma tentativa por parte de setores do Movimento Negro, mantido com dinheiro público, de se desqualificar tudo que foi feito até agora e reescrever a História do Brasil.
    Desse jeito, em breve eles proporão que se reescreva a Bíblia. Além de falta do que fazer é ressentimento. Mas isto é papo para a psicanálise.
    Lembrando que faz tempo mulata passou aser profissão. E agora?
    Bíblia.

  5. John Webster disse:

    Ô frambell, como diria a garotada aqui do Rio, esse assunto do Lobato já deu.
    Mas como voce conclamou as autoridades, queria te dizer o seguinte: A autoridade somos nós, nós é que decidimos o que é bom ou ruim, o que deve ou não ser comprado.
    Nós é que decidimos em plena temporada de Blockbusters americanos que o Tropa de Elite2, filme nacional, seria o mais visto no Brasil em detrimento dos outros lançamentos.
    Nós é que somos o mercado.

  6. Luís Bustamante disse:

    Novamente minha crítica vai para o ON com relação ao comentário selecionado sobre a questão Monteiro Lobato e o racismo. Leio todos os comentários e, sinceramente, há outros que mereciam muito mais esse espaço de destaque. Além do que a autora, Zizi Mattos, encerra o artigo sugerindo que os leitores participantes “procurem outras formas de aparecer”. Ora, Zizi, opinar aqui, mesmo que dependa de aprovação, é democrático e sujeito a diferenças e discordâncias. Com todo o respeito ao site, nem de longe se trata de uma vitrine para quem queira aparecer. Ou é só sua opinião que vale?

  7. John Webster disse:

    Já que estamos falando de racismo, alguem já viu coisa mais racista que o Cristo louro de olhos azuis quase escandinavo da Beija Flor?
    Como diria um colunista famoso aqui do Rio, pano rápido.

  8. frambell disse:

    COM A PALAVRA AS AUTORIDADES
    Antes de formarmos um conceito sobre isso ou aquilo, sobre literatura, por exemplo, cujo tema seja raça, comportamento, tradição ou cultura, é mais prudente que nos debrucemos sobre a obra em questão. Só depois de lê-la e entendê-la estaremos prontos para classificá-la assim ou assado. Muitas vezes, a especulação cria climas nem sempre aconselháveis, por disseminar opiniões tidas como abalizadas sem, na realidade, o serem. Especular é uma das formas mais fáceis de se criar confusão de opiniões sobre vários assuntos. Terreno fértil para o pré-conceito. A rejeição a um segmento da arte, por exemplo, não pode ser considerada preconceito. Mas, apenas, uma não preferência, livre arbitrio de quem a rejeitou. A arte é produto da visão pessoal do artista por isso, dificilmente, agrada a maioria. Nem por isso a maioria tem que ser tachada de preconceituosa.
    Por exemplo, há no Brasil a corrente dos que engolem qualquer coisa em inglês. Prinpalmente, a música. No Brasil, outra corrente, por sua vez, tem esperança que atualmente no Brasil, a música que invade a mídia como se fosse música sertaneja seja sertaneja. Caso você não concorde com ambas as correntes, é possível que venha a ser considerado preconceituoso. Uma bobagem. Eu, por exemplo, gosto de música boa, inclusive em inglês, desde que não seja o que é empurrado pela mídia. Da mesma forma eu digo da musica sertaneja brasileira. Desde que não seja isso que toca no rádio ou na televisão e que chamam de música sertaneja. Rejeitar a música que a mídia toca não quer dizer que tenha preconceito contra a mídia. Para os que defendem essa linha de “música”, certamente, eu sou um preconceituoso convicto.
    É aí que mora o perigo. A opinião contrária sobre uma arte de valor duvidoso, massificada pela mídia há mais de trinta anos, e que se deteriora a cada ano, não pode ser por preconceito. Mas, apenas, uma visão crítica. O que nos tornam exigentes são experiências que já vivemos e não por sermos preconceituosos. Se hoje temos condições de questionar um determinado estilo de música é por já termos vivido situação semelhante no passado. O preconceito só se caracteriza com a tentativa de rejeitar a pessoa humana, com base em sua raça, sua cor, compleição física ou psicológica como sendo inferior. Não gostar de alguma coisa por não se identificar com a sua essência é, apenas, uma questão de preferência. Rejeitar um carro pela sua cor não é preconceito. Não aderir a um determinado modismo é um direito seu. Porém, discriminar uma pessoa por qualquer motivo é crime. Uma agressão aos Direito Humanos e aos princípios éticos.
    Assim sendo, não é difícil descobrir se a literatura de Monteiro Lobato é de inspiração escravista do começo do século passado ou, apenas, fruto de uma narrativa contemporânea. Caso venha ser considerada racista, certamente, será proibida por discriminar.
    É oportuno que as autoridades responsáveis pelo cumprimento das regras dos direitos humanos se pronunciem.

    Frambell Carvalho.

  9. Ramon M.B.van Buggenhout disse:

    De princípio é de ver-se que a natureza não convive com a identidade. Um fio de cabelo não é idêntico a outro na mesma cabeça, no mesmo corpo. A idéia de igualdade implica o nivelamento das situações e coisas diferentes. “Aequo”, do verbo latino aplainar, nivelar, gerou o substantivo “aequus” (plano, liso, em sentido horizontal,sem altos nem baixos, termo que foi adotado para significar balança (aquela de dois pratos).Desse termo evoluiu outro “aequum” que significou o que é justo,e “aequitas”, equidade, justiça.

    Do grego se aproveitou a raiz “iso”, que não parecer ter o mesmo significado de “aequus” latino. Está mais próximo do “idem, eadem, idem” (o mesmo, a mesma). Seria esse o sentido pretendido nas leis quando dizem (CF-1988, art. 5º) que haverá igualdade nos direitos entre as pessoas. Quer dizer: gozarão elas dos mesmos direitos e possibilidades. Na verdade o sentido das leis é para nivelar, colocando todos nos mesmo patamar horizontal. Lamentavelmente esse nivelamento não é absolutamente praticado em lugar algum desse planeta. O privilêgio é a negação óbvia desse princípio de nivelamento. O nivelamento, portanto, se dá na literalidade, porque as diferenças naturais entre as pessoas, de certa forma cobram um tratamento diferenciado tanto na aplicação da lei, como no convívio social. A própria individualidade refuga a equalização absoluta entre as pessoas. Ao contrário do que se houve por interpretar do anteriormente escrito, a idéia central do que ali se expôs foi justamente tecer crítica a todo e qualquer preconceito e racismo, como frutos da ignorância e do fanatismo, seja ele religioso ou político. As diferenças entre pessoas e sociedades certamente sempre existirão. Isso de alguma forma convida à harmonização, à conciliação e ao aprendizado, haurindo das experiências e culturas diferentes a oportunidade de crescimento e evolução pessoal. As elegantes palavras últimas do Sr.Delfim o enaltecem.

  10. Amadeu Pereira dos Santos disse:

    Toda obra artística deve ser entendida levando-se em consideração a época em que foi feita. Se Monteiro Lobato nasceu em 1882, 6 anos antes da abolição da escravatura, parece normal que em suas obras pintem alguns lances tidos por alguns como portadores de preconceitos. Mas de nada vale querer apontar preconceitos em livros e descuidar dele (do preconceito) na vida real.

  11. John Webster disse:

    Caro Delfim,acho que com essa resposta elegante, voltamos a ter um céu de brigadeiro.
    Forte abraço do John.

  12. Rogerio disse:

    Depois que Lula foi na “Mama Africa” pedir perdão pela escravidão a coisa parece que piorou. Só que quem escravizava o negro era o próprio negro. O europeu apenas comprava a “mercadoria” ou fazia o escambo.
    Até hoje há escravidão na Africa: Nigéria, Congo, Africa do Sul, são exemplos. A luta tribalcontinua com mortes e escravidão. Então vamos parar com essa frescura. O negro brasileiro precisa copiar o “modus operandi” negro norte-americano que apesar das vicissitudes, avançou em sua cidadania.

  13. Peter Pablo Delfim disse:

    Senhor JOHN WEBSTER e Senhor RAMON MONTEIRO BACKX VAN BUGGENHOUT, uma palavra mais ríspida nem sempre irá representar o desconhecimento das brilhantes exposições dos Senhores e dos seus irrecorríveis acertos que abrilhantam as opiniões aqui postadas. Todavia, não posso aceitar que me imputem a condição de mau carater ao reconhecer uma faceta menos digna de Monteiro Lobato. Não tenho objetivos e interesses inconfessáveis assim como tenho pautado por um entendimento em lugar de ódios e raivas e egos que não levam a nada e, entendo, que a convivência entre raças deve ser algo normal sem a necessidade de destaque algum. Pratico alguns acertos e, certamente, muitos erros mas na constante procura de uma nova abordagem que nos leve a verdade independente das nossas experiências por sobre as quais vivemos e reconhecemos o mundo ao qual fomos destinados. Em assim sendo, peço que os Senhores sejam tolerantes para com este que pelo vício de alguns defeitos se torna, por vezes, inverterado respondão.

    Cordiais saudações,

  14. John Webster disse:

    Baixou o nível Delfim, vamos manter o debate de idéias nos degraus de cima.
    O português é desqualificante, é, mas é com isso que temos que conviver todos os dias.
    Não perca a calma e um forte abraço do John.

  15. Peter Pablo Delfim disse:

    Eu escrevo para analfabetos funcionais. Sempre haverá uma boa alma que lerá para êles e escreverá suas imbecilidades. Tarefa ingrata, pois costumam delirar muito.

  16. luiz disse:

    só conseguem ver o racismo aqueles que não se valorizam a si proprio,sou negro e sei que sou bonito e inteligente e acima de mim só o ceu e as estrelas. tenho pena das pessoas que se acham diferentes e superiores tem que dividir comigo o ar,direitos iquais no meio social e até serem sobordinadas a mim.devem sofrer de mais,quanto a monteiro lobato onde tem fumaça tem fogo, mas ele ja partil desta. e suas obras vão ser sim arranhadas pelas evidencias inegaveis.

  17. paulo disse:

    vejo falar muito em racismo mais o gue e racismo do branco para o negro do rico para o pobre de todas gualguer cor cota para negro nao e o tipo pior de racismo nao se pode corregir um erro cometendo outro temos gue lutarmos pela igualdade so assim se acaba com racismo o racismo so interessa aos politicos porgue enguanto o povo se preocupa com o racismo eles vao nadando de brassada nas nossas custas tanto fais para eles se somos negros ou branco o gue importa para eles e gue pagamos os inpostos para se divertirem as nossas custas acorda brasileiros se nao vamos continuar escravos sempre dos mesmos ditadores

  18. paulo disse:

    gostaria de entender o racismo branco contra petro rico conta pobre gual siria o pior tipo de alguem gue escreve livros mostrando a situacao de um pais de pessoas gue criao cota para negros a sim se confirma o racismo por algus gue enveis lutar para gue o direito de todos os brasileiros sejam todos iguais gue nao a branco nem negro mais sim brasileiros lutando para pais onde a justica funcione para todos preto branco em especial para os politicos este sim sao racista nao deicha pobre nenhum alfabetisar independente da cor por gue eles continuao nos mante ndo na escravidao enguanto voce traballa para pagar inposto eles ficao brincando de papai noel presentiando so os parentes negros brancos pobres eles nem lembrao gue existe so serve para votar e pagor inposto em veis ver se a racismo porgue nos nao juntamos para tirar estes politicos gue nos fais de escravo se somos todos brasileiros fasamos gue a justica funcione se gue nos uma justica seria isso e tenho as minhas duvidas duvidas

  19. Ramon Monteiro Backx van Buggenhout disse:

    Ñão escrevi para analfabetos funcionais

  20. Peter Pablo Delfim disse:

    Haja pretensão. Ignorando a verdade de um fato sobrepos uma situação totalmente descolada de parâmetros por sua particularidade. Um cachorro morto é um fato. Ter sido mordido por muitos cães são apenas experiências que irão gerar outros fatos. Mal intenção ou ignorância pura? Isso também serve para os exóticos impertigados que em seus devaneios entendem que são mal agradecidos os que reclamam por andarem amassados e expremidos em um ônibus o que se compara as delícias de providenciais bagunças. Certamente efeitos delirantes de um carnaval onde se atiram testículos como confetes. Haja pretensão!

  21. John Webster disse:

    Se nossas experiências particulares não são a nossa verdade, o que será a nossa verdade? A opinião ou a experiência dos outros?
    Quanto ao mérito ou não mérito…Haja pretensão

  22. Emanuel Braga disse:

    É época de carnaval, por isso postou este testículo confete?
    Quando eu era criança, tinha uma amiga rica, que junto com a mãe herdara uma fortuna de um velho fazendeiro. Convidei-a para um jogo do Brasil no Castelão, em Fortaleza. Era a primeira vez que ela entrou em um ônibus. Estava muito animada e comentou “não sei porque o povo reclama de ônibus, é tão legal esta bagunça”.

  23. Peter Pablo Delfim disse:

    “Os que demagogicamente querem criticar pessoas do nível cultural e brasileiríssimo como Monteiro Lobato certamente não estão bem intencionados e por trás de suas críticas se escondem interesses e objetivos nada confessáveis.”
    EVIDENTEMENTE NÃO EXISTIRÃO FATOS OU ARGUMENTOS QUE QUEIRAM VER. PORTANTO SENHOR Ramon Monteiro Backx Van Buggenhout PODEMOS CRER POR SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS QUE RACISTA E MAL INTENCIONADO É VOCÊ E SEM A MÍNIMA DÚVIDA.

  24. Ramon Monteiro Backx van Buggenhout disse:

    Há que ser examinada a obra de Monteiro Lobato num contexto histórico. Racismo existe em todos os povos e continentes. A própria Áfica Negra é racista e a mantança e guerras entre negros entre si tem sido objeto de muitos documentários. O mesmo se pode dizer sobre árabes, judeus, americanos do norte (na década de 40, em plena guerra, havia separação de lugares entre negros e brancos nos bares, transportes coletivos etc.). Islâmicos, cristãos, judeus são abertamente racistas. A própria Torá é racista. A Índia não se a pode afirmar racista, mas é classista e se afirma na separação de castas (o que não deixa de ser uma variante do racismo). A palavra igualdade pressupõe diferenciação. Só se iguala o que é diferente.Racismo é um viés da competição, da concorrência, do medo de perder prerrogativas e privilêgios.E esse medo está presente em todos os animais e no ser humano, que animal também é. A ambição e a ignorância são as matrizes do racismo e de todos os preconceitos. O mais disso é demagogia, simulacro e hipocrisia. Judeus traficavam escravos e os ciganos os comerciavam no Brasil colonial e em longo período do reinado e depois no Império. Princípios e leis racistas vigoraram até recentemente nos Estados Unidos, que se diz igualitário. Vários preceitos religiosos judaicos, cristãos e islâmicos são segregacionistas e racistas. Fanatismo, seja religioso, político ou étnico, é preconceito e todo preconceito é, no fundo racista. Os que demagogicamente querem criticar pessoas do nível cultural e brasileiríssimo como Monteiro Lobato certamente não estão bem intencionados e por trás de suas críticas se escondem interesses e objetivos nada confessáveis.

  25. Peter Pablo Delfim disse:

    Nossas experiências particulares jamais irão desfigurar a verdade. É o que temos aqui de forma irrefutável. O que tem para ser entendido e se evita entender é que Monteiro Lobato, por tudo o que imprimiu em mentes e corações de gerações inteiras lastreado pela inevitável ação do tempo NÃO É RACISTA.
    Mas, voltando-se por sobre o que não foi somente sua obra, então encontraremos um Monteiro Lobato EXTREMAMENTE RACISTA sobre o que não reside quaisquer dúvidas a não ser em outras mentes racistas. O sentido deve ser o de conciliação e entendimento em lugar de uma manutenção de posições insustentáveis de audaciosa superioridade que desrespeita fatos incontestáveis. Discordo da distração da Senhora Zizi Mattos, assim como não vejo méritos no que declaração do Senhor John Webster. O caminho do meio sempre será o mais dificel por requerer discernimento.

  26. Olbe disse:

    Concordei com tudo o que a leitora Zizi escreveu até a semana passada lendo no OGlobo trechos de cartas que Monteiro Lobato escreveu que comprovam que ele era sim racista. Procurem ler suas cartas particulares…vcs vão ficar assustados…

  27. John Webster disse:

    Não poderia ter havido escolha mais perfeita.
    A Zizi Mattos,acha, assim como a maioria dos leitores, eu inclusive, que o preconceito no Brasil é social.
    Tirar Lobato do seu contexto histórico para se promover foi puro marketing e depois desse brilhareco a “famosa” escritora vai voltar para o buraco de onde não deveria ter saido.
    Aos vinte anos meu melhor amigo era um negro, aos quase setenta o meu melhor amigo, também é negro, aliás, ele e toda sua familia, também negra.
    Alguem conhece coisa mas ridícula do que chamar um negro de afro-descendente?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *