Início » Brasil » Política » Maioria dos eleitores de Marina votaria em Serra no segundo turno
Datafolha

Maioria dos eleitores de Marina votaria em Serra no segundo turno

Pesquisa da Datafolha revela que metade dos eleitores de Marina votariam em Serra, em um eventual segundo turno

Maioria dos eleitores de Marina votaria em Serra no segundo turno
Serra é a opção de muitos eleitores de Marina Silva em um possível segundo turno (Fonte:O Globo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Se houver um segundo turno entre Dilma Rousseff e José Serra, cerca de metade eleitores de Marina Silva votaria no candidato do PSDB à presidência. A conclusão é da última pesquisa divulgada pelo Datafolha nesta quinta-feira, 30, em que 51% dos eleitores de Marina afirmaram que votariam em Serra, caso houvesse um confronto, em 31 de outubro, entre ele e Dilma.

De acordo com a pesquisa, no caso da eliminação da candidata ‘verde’ da corrida presidencial, Dilma receberia 31% dos votos daqueles que votaram em Marina no primeiro turno.

Do total, 15% dos entrevistados afirmaram que votariam em branco ou anulariam o voto. Já outros 3% não souberam dizer quem escolheriam no eventual segundo turno.

Fontes:
Folha.com - Eleitor de Marina tende a votar em Serra no 2º turno

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Juscelana Maria Dias disse:

    Prezado candidatos à presidência, José Serra e Dilma,
    Penso que a proposta séria de uma profunda reforma na educação pública pode fazer o professorado do Brasil eleger você. A angústia e a doença que toma conta do profissional da educação clamam aos céus. Conforme está evidente para todos, uma educação merecida a tanta inteligência de nossas crianças e adolescentes não existe. Valores como respeito, o silêncio e a concentração mínimos para um aprendizado não existem nas escolas. Em nome de um modernismo exacerbado é tradicional demais priorizar isto. Gestores escolares, não importa se têm o perfil e a competência, em muitos casos são indicações políticas e ou muito mal remunerados. O que importa é a quantidade de alunos na escola. “É direito do aluno estar na escola” mas não importa como; não importa se saem do Ensino Fundamental sabendo ler ou escrever. Escola de tempo integral é bacana, mas só inchar a escola não funciona! É preciso estrutura, profissional preparado e suficiente. A escola plural? Parece até proibido falar em uma avaliação séria da Escola Plural, quando os professores dizem alguma coisa parece um grito no deserto, ninguém quer ouvir; acontece a rodo aquela história de promoção automática dos alunos sem uma avaliação séria dos problemas que têm acometido a educação dos mesmos por causa disto; e ainda mais, há municípios que define uma porcentagem de alunos que os estabelecimentos de ensino podem reter, o que só faz mais e mais aumentar a angústia dos professores pela impossibilidade de exercer a justiça e a seriedade da função. Falam de “Ciclo de Formação Humana” sem nada de humanização, sem as mínimas condições para tal. Quem está na ponta carregando o fardo é o professor. Dizem: os professores precisam de formação, não sabem dar aula, não dão aulas prazerosas, por isso é que os alunos não gostam de estudar, não aprendem. Mas, e as condições para tal? Quem o ajuda quando os alunos pedem socorro através da violência, da apatia, e de todo tipo de problema provenientes das famílias, ou da ausência delas, e da sociedade e que aparece em primeiro lugar na sala de aula? Como ensinar se o aluno antes precisa de um socorro mais urgente? As escolas não têm uma legislação que contribui de forma eficaz para a harmonia, encaminhamento e profissionais de várias áreas para responder o que é cobrado, pela sociedade, da instituição escola. Os problemas pipocam dentro da sala e o professor é que se vira! Se ele pensa no futuro desses alunos e quer algo mais sério ele não presta, ele é estressado, ele transfere o problema para a direção, etc. etc. É alarmante quando se pensa no número de atestados médicos destes profissionais! E não é para menos que menos jovens optem por ser professor neste país. Realidades estas citadas e muitas outras sobre a educação me deixa muito triste! Um país que não se preocupa com seus recursos humanos só mostra incompetência! A reforma deve começar pela educação de verdade. Tenha coragem, invista nesta. Quanta coisa teria que acrescentar aqui sobre o assunto!!! Professora Lana

  2. Juscelana Maria Dias disse:

    Desculpe-me, eu havia escrito o artigo só para Serra, depois acrescentei o nome Dilma, mas não corrigi o texto em relação à referência aos dois. Refiro-me a José Serra. Por favor retire o nome Dilma. Lana

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *