Início » Brasil » Política » Mais de 300 presos no Chile
Greve geral

Mais de 300 presos no Chile

Primeiro dia da greve nacional de 48 horas deixou ainda 36 feridos em todo o país

Mais de 300 presos no Chile
Governo: 348 presos no primeiro dia de greve (Fonte: Reprodução/A Bola)

O governo chileno informou que 348 pessoas foram detidas no primeiro dos dois dias de greve geral no país, que ficou marcado por confrontos e deixou 36 feridos, sendo 19 policiais e 17 civis.

Leia também: Greve nacional gera confrontos no Chile
Leia também: Protesto de estudantes reúne 100 mil pessoas no Chile

Ouviu-se também disparos no período da noite em bairros da capital chilena em meio a confrontos entre manifestantes encapuzados e a polícia.

A greve nacional de 48 horas, que foi convocada pela Central Unificada dos Trabalhadores do Chile, paralisou parcialmente o país nesta quarta-feira, 24, contando com a participação de sindicatos, estudantes, professores, partidos de esquerda e até mesmo algumas empresas privadas.

Governo: ‘greve nasceu sem justificativa’

O governo chileno está sob forte contestação. Há mais de três meses estudantes e professores reivindicam uma educação pública gratuita e de qualidade. As reivindicações agora se estenderam a outros setores e há quem diga que pode haver um levante generalizado para derrubar o governo de Sebastián Piñera.

O porta-voz do governo disse que “a greve nasceu sem justificativa, terminou também sem justificativa no sentido de que seu objetivo era paralisar o país. Nós estamos contentes como governo de que eles não tenham conseguido, porque isso geraria um dano importante no Chile”.

O governo chileno ressaltou ainda que a adesão à greve nesta quarta foi baixa e que apenas 5,5% dos funcionários públicos do país participaram dela. Já a Associação Nacional de Funcionários Públicos calcula que houve uma adesão de 80% da classe.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Primeiro dia de greve geral no Chile tem saldo de 348 presos e 36 feridos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *