Início » Brasil » MEC corta verba de universidades por ‘balbúrdia’
TESOURADA NA EDUCAÇÃO

MEC corta verba de universidades por ‘balbúrdia’

Ministro Abraham Weintraub não detalha critérios para o corte, que afetará, em especial, UnB, UFBA e UFF – que tiveram 30% do orçamento reduzido

MEC corta verba de universidades por ‘balbúrdia’
Ministro diz que instituições promovem manifestações partidárias e festas inadequadas (Foto: Governo de Transição/Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Ministério da Educação (MEC) impôs um bloqueio nos recursos de universidades federais que, segundo o ministro Abraham Weintraub, não apresentem o desempenho esperado e promovam “balbúrdia” em campus universitários.

Segundo informou a coluna Painel, da jornalista Daniela Lima, da Folha de S. Paulo, desde o final de abril, quando Weintraub assumiu a Pasta, foi detectado um novo bloqueio de verbas de instituições federais.  

Três universidades foram as mais afetadas pela tesourada e tiveram 30% de seu orçamento reduzido: a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). Outra que está na mira do MEC é a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), de Minas Gerais, que está sob avaliação.

“Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, disse Weintraub, em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo.

Segundo Weintraub, as universidades têm permitido eventos políticos em suas instalações, manifestações partidárias ou festas inadequadas. “A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”, disse Weintraub, destacando que as instituições precisam apresentar boa colocação em rankings.

O ministro, no entanto, não citou rankings, nem detalhou quais eventos se referia, que poderiam ser enquadrados na “balbúrdia” apontada, se limitando a acusar de queda no desempenho a UnB, UFBA e a UFF.

Porém, as três universidades se mantêm em posições de destaque em rankings internacionais de avaliação de ensino. O britânico Times Higher Education (THE), um dos principais rankings de educação do mundo, aponta que a UnB subiu da 19ª posição, em 2017, para a 17ª, em 2018, na classificação das melhores universidades da América Latina. A UFBA subiu da 71ª para a 31ª colocação. A UFF se manteve na 45ª colocação.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Leonardo disse:

    Posições de destaque? 17ª, 31ª, 45ª na América Latina é destaque? que baixas expectativas para nosso país!

  2. carlos alberto martins disse:

    caro ministro Abraham.se as faculdades e universidades públicas tem como principio a educação gratuita,queira por favor verificar os estacionamentos dos alunos:irá o sr encontrar veiculos de marcas de luxo,asim como veiculos especiais de grande valor.saiba tambem que os barzinhos ficam lotados de alunos com muita verba para gastarem a vontade com bebidas e garotas as quais marcam felizes fins de semana na orla litorânea.as universidades,deveriam exigir dos pais uma forma de provar que não tem condições financeira para manter o filho nas instituições,tendo assim o direito a gratituidade.a Receita Federal poderia ajudar nas pesquisas.aos outros alunos,seriam cobradas as mensalidades, cujos valores poderiam variar de acordo com a renda do tutor do aluno com certeza absoluta acabaríamos com o problema de orçamento das instituições.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *