Início » Pelo Mundo » Nova extrema direita, unida pela islamofobia
Europa

Nova extrema direita, unida pela islamofobia

Mesmo sem pregar racismo ou xenofobia, partidos radicais europeus atacam imigração muçulmana para conquistar eleitores insatisfeitos com a globalização

Nova extrema direita, unida pela islamofobia
Partidos em guerra com o Islã conseguem de 5 a 20 por cento dos votos na Europa

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O novo sucesso do Front National nas eleições presidenciais francesas mostra que a extrema-direita se converteu em “direita nacional” na Europa. Pelo menos no discurso, os radicais agora rejeitam a xenofobia, o racismo e o antissemitismo, mas continuam com um discurso forte contra a imigração muçulmana, sua bandeira mais rentável.

Estratégias parecidas com a do Front National ganham terreno em todo o continente. O jornal Le Monde lista uma série de partidos que adotaram a mesma corrente de Marine Le Pen. São eles o Partido do Povo dinamarquês, o Partido pela Liberdade holandês, o FPÖ e o BZÖ austríacos, os Verdadeiros Finlandeses, Direito e Justiça na Polônia, Ataka na Bulgária, a Liga do Norte na Itália, os Democratas suecos, a União Democrática do Centro na suíça. Segundo o jornal, todos estes partidos alcançam os 5%, quando não chegam aos 25%.

Tais partidos se equilibram em duas corrente ideológicas distintas: alguns abraçam o populismo nacionalista anti-liberal e contra a União Europeia e o euro. É o caso do Front National, que tentou conquistar os votos das zonas rurais atacando a globalização e se dizendo a serviço dos mais pobres. Já o Partido pela Liberdade holandês defende um “populismo liberal”, segundo o especialista em extrema-direita Jean-Yves Camus. São a favor de costumes liberais, assim como do liberalismo, da laicidade e da União Europeia.

O único ponto em comum entre eles é a crítica feroz ao islã e ao multiculturalismo. Segundo o cientista político austríaco Anton Pelinka, eles usam a “imigração muçulmana para reunir os perdedores da globalização”.

Basta ler um dos textos de Geert Wilders, líder do Partido pela Liberdade, que circula em fóruns na internet. Aqui, ele faz sua descrição dos subúrbios de conjunto habitacionais, onde vivem a maior parte dos muçulmanos nas cidades europeias: “É o mundo das cabeças cobertas por lenços, onde seguidamente as mulheres circulam cobertas com uma aparência de barraca, com um carrinho de bebê e um séquito de crianças. Seus maridos, ou melhor, proprietários de escravas, caminham três passos na frente delas. É um mundo com mesquitas em todos os cantos. As lojas têm inscrições que você não conseguirá ler. É difícil achar qualquer sinal de atividade econômica por lá. São ghettos muçulmanos controlados por fanáticos religiosos”.

Marine Le Pen é outra que pede o fim de qualquer imigração vinda de países do sul. A candidata frontista fala em “inversão dos fluxos migratórios”. “Falar em inversão, é pedir para que se expulse os franceses de origem imigrante”, diz Jean-Yves Camus ao Le Monde. “Eles precisam ser mais claros! É uma lógica de enfrentamento entre os bons e os maus franceses.”

O movimento anti-islã é apoiado por diversos intelectuais. Bíblia da nova extrema direita, o livro do jornalista norte-americano Christopher Caldwell, Como o islã vai transformar a França e a Europa, afirma que os muçulmanos invadem a Europa graças à sua fecundidade ao mesmo tempo que os nascimentos europeus descem até um filho a cada três mulheres. O livro prevê que a Itália perderá, até 2050, metade de sua população nativa. Que 17% a 20% da Holanda será muçulmana. Que os estrangeiros representarão entre 20% e 32% da população europeia.

O antropólogo Malek Chebe considera esta islamofobia anacrônica, incapaz de pensar a pluralidade dos muçulmanos nos anos 2010. “A maioria dos muçulmanos da zona asiática, os mais povoados, vivem um islã pacífico”, afirma ao Le Monde. “Vejo inclusive exemplos de modernização. Em todos os lugares, a juventude protesta, se mostra impaciente ao não ver as estruturas fósseis se moverem; agora nenhum déspota consegue conduzir seu povo sem ser contestado, nenhum demagogo religioso faz prevalecer sua ligação única com Deus quando todo mundo tweeta ou skypeia”.

Fontes:
Le Monde - Pourquoi la phobie de l'islam gagne du terrain

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Dagmar Marie disse:

    Não é bem assim… porém a solução é simples e vai ser aplicada:

    TODOS OS MUÇULMANOS PRECISAM SER EXPATRIADOS DA EUROPA E DE TODOS OS PAÍSES CIVILIZADOS, PARA O ORIENTE MÉDIO!

    ENQUANTO NÃO SAÍREM, DEVERÃO SER CONFINADOS EM CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO, ONDE PODERÃO COLOCAR NO PORTÃO DE ENTRADA: “EURÁBIA”, COMO SONHAVAM.

    A realidade que poucos conhecem:

    A SUPREMA CORTE DA ESPANHA revogou a lei que proibia o uso de véu, e os devidos trajes das muçulmanas, porque recebeu ameaças da IRMANDADE MUÇULMANA!!!

    Obs.: Essa IRMANDADE MUÇULMANA, está infiltrada em todos os países europeus, incluindo Austrália, Canadá, e a Ásia.

    Dessa maneira, todos os MOVIMENTOS contra os islamitas na Europa, e em todos os países civilizados, são logo silenciados, porque as Organizações recebem ameaças de morte, da IRMANDADE, nas quais incluem os familiares.

    É terrorismo oculto, feito através do TELEFONE.

    E, também, sob ameaça de morte, forçam as pessoas que se convertam ao islamismo.

    Os muçulmanos se impõem no mundo, através de ameaças de mortes, bombas, assim como homens-bomba ou incêndios provocados, seja numa residência ou instituição pública, como foi o caso da Suprema Corte da Espanha.

    Nota: o Papa Bento XVI, foi obrigado a abandonar o papado, porque em mais de 50 (cinqüenta) idiomas, transmitido ao mundo inteiro, falou algumas verdades sobre a maldita SEITA PEDOFÍLICA, denominada Islamismo. E o Vaticano seria impludido pelos muçulmanos, se ele permanecesse no papado. Assim, o infeliz do Papa Francisco, assumiu o papado, e teve que se humilhar, por exigência dos muçulmanos, em lavar os pés de uma muçulmana, que odeia os cristãos, e ainda teve que beijar os pés dessa maldita.

    Apenas um exemplo do que os malditos islamitas fazem no Ocidente: é o caso do político holandês, que quer livrar seu país dos islamitas, e tem todos os motivos, e devido a isso, tem que andar com seguranças, usar carro blindado, para não ser assassinado pelos muçulmanos, em seu próprio país!

    Ainda, os islamitas pertencem a uma SEITA PEDOFÍLICA E POLÍTICA, denominada islamismo, que se intitula religião, sem o ser, na qual a pedofilia é legalizada por lei do ISLÃ.

    Em razão disso, se acham no direito de estuprar nossas crianças, podendo levá-las à morte, por hemorragia interna, e se sobreviverem, ficarão traumatizadas para o resto de suas vidas.

    Uma coisa é certa, eles também tem família, como nós!!!

    Então, vamos aplicar nos muçulmanos, a Lei de Talião:

    ‘OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE’.

    Assim, não poderão mais nos intimidar com ameaças, porque saberão que haverá o troco!!!

    No Oriente Médio, matam, estupram e mutilam cristãos e membros de outras religiões.

    Por que temos que os tolerar na Europa e em outros países civilizados, se eles nos odeiam e matam?

    VAMOS DAR UM BASTA!!! NÃO VAMOS CONTINUAR RECEBENDO ORDENS PARA RETIRÁRAMOS OS CRUCIFIXOS DAS IGREJAS, AS ÁRVORES DE NATAL DAS RUAS E ASSIM POR DIANTE. E AINDA SERMOS AMEAÇADOS DE MORTE, ASSASSINADOS OU DEIXAR NOSSAS MENINAS SEREM ESTUPRADAS PELOS PEDÓFILOS MUÇULMANOS, EM NOSSOS PRÓPRIOS PAÍSES, ONDE OS MUÇULMANOS SÃO INTRUSOS!!!

    E, viva a ISLAMOFOBIA, que varrerá do mundo, a chaga da humanidade: o islamismo e suas perversões sexuais: a pedofilia

    Obs.: os muçulmanos sempre envolvem os judeus nas descriminações, sendo que os judeus nunca foram taxados como assassinos, estupradores ou terroristas. É uma jogada maquiavélica dos islamitas, tentando espalhar o anti-semitismo (Neonazismo) pelo mundo, com intenção de enfraquecer a ISLAMOFOBIA.

  2. Dagmar Marie disse:

    Islamofobia…

    TODOS OS MUÇULMANOS PRECISAM SER EXPATRIADOS DA EUROPA E DE TODOS OS PAÍSES CIVILIZADOS, PARA O ORIENTE MÉDIO!

    ENQUANTO NÃO SAIREM, DEVERÃO SER CONFINADOS EM CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO, ONDE PODERÃO COLOCAR NO PORTÃO DE ENTRADA: “EURÁBIA”, COMO SONHAVAM.

    Antes de mais nada, ISLAMISMO NÃO É RELIGIÃO, mas, é uma SEITA PEDOFÍLIA E POLÍTICA, na qual a pedofilia é legalizada por lei do ISLÃ.

    A realidade: os cristãos ou membros de outras religiões não enviam assassinos para matar no Oriente Médio, porém, os muçulmanos enviam suas facções Terroristas, sob o pretexto que são “Fundamentalistas Islâmicos”, para matar no Ocidente.
    Muçulmanos recolhem dízimos nas Mesquitas, para o Terrorismo, então são cúmplices.

    No Oriente Médio, constantemente, estupram, mutilam e matam cristãos e membros de outras religiões.

    Por que então, temos que os tolerar na Europa e em outros países civilizados, se eles nos odeiam, e somente não nos matam, porque temem as conseqüências?

    Os islamitas seguem, rigorosamente, o que está escrito no CORÃO (escrito pelo pedófilo Maomé, que chamam de Profeta), por esse motivo a PEDOFILIA é legalizada pela lei do ISLÃ.

    Também, nesse livro satânico que chamam de sagrado, o CORÃO, está escrito que todos têm que serem convertidos ao islamismo ou assassinados, de acordo com a tal “Guerra Santa”, que de santa não tem nada.

    Nos noticiários, poderemos saber das atrocidades que praticam nas indefesas aldeias e pequenas cidades da África: estupram suas meninas e jovens, e matam todos os homens, para que não mais procriem: os “Cães Infiéis, ao Maomé” (como chamam todos que não são muçulmanos). Em seguida obrigam suas vítimas a colocar o véu, e as transformam em muçulmanas, contra a vontade delas.

    Depois alegam, decaradamente, que islamismo é a “religião” que mais cresce no mundo.

    Entre outras perversidades: estupros de mais de seiscentas meninas e adolescentes, obviamente virgens, como foi amplamente divulgado na Itália. Na Inglaterra estupraram centenas de meninas, também amplamente divulgado. Assim como em todos os países europeus, onde estão infiltrados, acontece a mesma coisa.

    Ainda, picham todas as Igrejas nos países europeus, que os acolheram, onde podemos observar que apenas as Mesquitas não estão pichadas. Se fosse obra de pichadores, as Mesquitas também estariam.

    Depois reclamam da ISLAMOFOBIA?

    E, viva a ISLAMOFOBIA, que varrerá do mundo, a chaga da humanidade, o islamismo, e suas perversões sexuais: a pedofilia

  3. Nicolau disse:

    Pelo menos os muçulmanos vão destruir e salvar a Europa da mentirosa Ditadura do Holocau$to judeu! A Europa vai sucumbir mas os judeus vão se f… também, o que não e mal!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *