Início » Brasil » Política » O impeachment de Collor
opinião

O impeachment de Collor

José Sarney não considera que o único impeachment na história da República do Brasil mereça relevância. Por Arthur Chagas Diniz*

O impeachment de Collor
Collor sofreu impeachment em 1992

Um conjunto de 16 painéis, no Senado brasileiro, tenta retratar os acontecimentos mais importantes protagonizados pela Casa [“”Túnel do Tempo”]. Entre eles não se inclui a ratificação do impeachment de Fernando Collor, em 1992, seguindo decisão da Câmara dos Deputados. Foi o primeiro e único impeachment votado nessa casa.

Leia Mais: Família Collor de Mello e a política

O presidente do Senado, José Sarney, não considera o único impeachment na história da República do Brasil um fato que mereça registro de relevância dentro da Casa. Pelo que diz o presidente do Senado, tudo não passa de um acidente e seu próprio registro poderia ser cancelado.

Entendo a gentileza de Sarney como um gesto de apreço pelo seu atual “companheiro”.

Se compararmos os fatos que levaram à cassação de Collor – a aquisição não declarada de uma pequena caminhonete – o raciocínio de Sarney considerando o vulto dos verdadeiros assaltos aos cofres públicos que vêm sendo protagonizados – o Mensalão, por exemplo -, as razões que levaram ao impeachment de Collor seriam indefensáveis e, portanto, o painel não deveria ter destaque.

O que Sarney quer relevar ou apagar é o solene desprezo que o Senado nutre por falcatruas, comissões ou coisas menores que acontecem no dia a dia no Brasil, para as quais o Senado faz ouvidos de mercador.

Desculpe-me Senador, não é todo dia que um presidente da República é julgado na mais importante casa legislativa do País. Ainda que pessoalmente entenda os desvios de Collor, institucionalmente não se pode alegar que não teve importância para o Brasil. Merecia um painel no Senado.

*Presidente do Instituto Liberal

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Luiz Franco disse:

    Comparar o Fiat Elba que derrubou Collor, com o Mensalão, que não derrubou o Lulla é apressado. Collor perdeu o apoio popular com o confisco da poupança e caiu. Lulla aumentou seu apoio popular com o bolsa-família e outras benesses. Não caiu.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *