Início » Brasil » Política » O imprescindível sigilo eterno
Brasil

O imprescindível sigilo eterno

Sob o manto do sigilo, o governo Dilma pavimenta a estrada, cheia de desvios – de verbas públicas -, abrindo o caminho para superfaturamentos

O imprescindível sigilo eterno
Jobim afirma que fim do sigilo dará informações a 'inimigos do Brasil'

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Festa no Planalto, com a participação de empreiteiros e parlamentares, com a aprovação no Senado, do regime de concorrência simplificada para o campeonato de futebol e as Olimpíadas
O chamado Regime Diferenciado de Contratações (RDC) atropela a lei vigente, permitindo a “simplificação” na contratação das empreiteiras, repassando-lhes a confecção do projeto básico e toda a execução das obras, com as estimativas de preços em sigilo até o fim da licitação.

O RDC é a cereja no bolo do projeto geral de sigilo idealizado pelos senadores Collor e Sarney, decerto inspirados pelo ex-presidente Lula. Sim, a ideia é do ano passado, desde quando Lula começou a praguejar contra o Tribunal de Contas da União (TCU).

Com dois ministros defenestrados por suspeita de enriquecimento ilícito em apenas seis meses de mandato, o governo Dilma pavimenta a estrada, cheia de desvios – de verbas públicas -, abrindo o caminho para superfaturamentos a granel, sob o manto do sigilo.

O novo regime haverá de virar regra; quem viver verá.

Empreiteiras fazem expressão corporal de descontentamento para o público pagante, mas obviamente não convencem. Fosse bom o RDC, o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União não estariam contra ele.

Recorde-se que os Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro, em 2007, originalmente orçados abaixo de R$ 1 bilhão, custaram R$ 3,6 bilhões e se terá uma ideia das cifras que envolverão as obras da Copa e Olimpíadas do Brasil Grande.

Ainda mais se sabendo que o Ministério do Esporte peca pela reiterada falta de transparência perante o TCU, escondendo gastos com a Copa.

Mas sim, o sigilo é um bem de consumo essencial ao governo que ressuscitou a Telebrás, que renasce praticando um super superfaturamento de R$ 43 milhões logo na primeira licitação para o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). O TCU (sempre ele!) detectou cerca de cem irregularidades no edital.

Só quem não se opõe ao fim do sigilo eterno é o ministro da Defesa, Nelson Jobim, para quem “não há mais documentos da ditadura”. “Consumiram-se”, disse com candura nosso Jim das Selvas.
No entanto, o argumento mais certeiro em favor do secretismo de Estado veio de quem menos se esperava, e é sempre assim. O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro César Peluso, defendeu a medida em nome da “segurança do País”, com esta pérola: “o problema é que não apenas o povo fica sabendo de tudo, mas os inimigos do país também”.

Ao que se saiba o Brasil não tem inimigos declarados, embora os tenha ocultos, e às mancheias.

Os inimigos do Brasil, contudo, não carecem de sigilo, porque há tempos usam e abusam dele. São nossos senadores, com os atos secretos do Senado, os deputados que abusaram das verbas parlamentares e ficou tudo por isso mesmo, graças aos então respectivos presidentes José Sarney e Michel Temer.

E vem o aloprado ministro da Ciência e Tecnologia, Aluízio Mercadante (PT-SP), falar em contratar hackers para dar mais transparência à sua gestão. Pode?

Luiz Leitão da Cunha é jornalista luizmleitao@gmail.com

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Helo disse:

    O ministro Jobim não sabe quem são os inimigos do Brasil. Eles estão a sua volta faturando, propinado, dando consultorias, impunes há 10 anos. A ditadura é o que menos importa para esse governo, esclarecer o destino de um desaparecido, dar mais uma anistia. O terrível mesmo será revelar e pagar o que tentam esconder, e cujos atores estão na ativa e impunes. Esse regime diferenciado de contratações já existe.

  2. Carlos U. Pozzobon disse:

    Acho natural que se tenha receio dos inimigos do Brasil ficarem sabendo o que se passa no país, principalmente, como diz o articulista, quando o maior inimigo do Brasil é o próprio governo.

    Mas para que não pareça que o governo é o saqueador, é preciso que não se fique sabendo como ocorre a pilhagem. Feito isso, todos podem desfrutar de uma reputação imaculada. E pedir ao povo respeito pelas instituições.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *