Início » Brasil » Política » O primeiro problema do Enem 2011?
Educação

O primeiro problema do Enem 2011?

Procurador da República Oscar Costa Filho ajuizou uma ação civil pública pedindo uma alteração no edital do exame

O primeiro problema do Enem 2011?
Procurador da República Oscar Costa Filho (Fonte: Divulgação)

Após ter suas últimas edições envoltas em problemas de toda ordem, o Exame Nacional do Ensino Médio teve as inscrições para as provas da sua edição de 2011 abertas nesta segunda-feira, 23, mas já há quem aponte novas falhas de organização no processo seletivo.

No mesmo dia em que as inscrições para o Enem 2011 foram abertas, o procurador da República Oscar Costa Filho ajuizou uma ação civil pública pedindo uma alteração no edital do exame, elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), para garantir aos estudantes o direito de pedir revisão das provas, caso eles assim julgarem necessário.

‘Edital precisa ser revisto imediatamente’

“Ao elaborar esse edital, o MEC e o Inep ignoraram as normas que regem os concursos. Todo candidato tem direito a defesa. Ele deve estar apto a contestar a nota, assim como ter acesso ao espelho dessa correção. Sem isso, ele está sendo prejudicado. Por isso, o edital precisa ser revisto imediatamente. Acreditamos que, desta vez, conseguiremos atacar o problema em sua origem”, disse o procurador à revista Veja.

O procurador Oscar Costa Filho é o mesmo que no início deste ano entrou com uma ação que suspendeu a divulgação das notas dos estudantes na avaliação de 2010, por entender que os alunos que haviam recebido cadernos de prova com falhas de impressão mereciam uma nova chance. 

‘Excrescência’

Naquela ocasião, Costa Filho acabou derrotado pela justiça e pelas pressões do Ministério da Educação. Agora, ele acredita que as coisas serão diferentes: “A justiça tem agora a oportunidade de julgar o mérito do Enem, e não apenas tomar decisões com medo de atrapalhar o cronograma do processo seletivo, como ocorreu na edição de 2010”.

O procurador ressalta ainda que é uma “excrescência” o fato de o edital do Enem 2011 prever que é dever do estudante verificar se sua prova contém erros de impressão.

Leia mais:

Enem: credibilidade em xeque?

Fontes:
Veja - Edital do Enem 2011 contém 'excrescência' jurídica, diz procurador

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. zuleide bochnia disse:

    FORA COM O MINISTRO DA EDUCAÇÃO…!!!!!!!!!!!

  2. Luiza Polvere disse:

    O problema com o Enem?Desdequando o senhor Lula entrou para a presidencia é só problemas.

  3. Henrique de Almeida Lara disse:

    O Procurador está coberto de razão. Parabéns para ele por prevenir, a tempo, problemas possíveis de acontecer. Esse governo trapalhão que aí está é campeão em fazer “trapalhadas” e nivelar por baixo até mesmo os grandes objetivos da Nação. Ex. Livros didáticos com erros de Português que dão vexame. Parece-me que quer se fazer simpático ao povo sem levar conta o direito que o povo tem de receber sempore o que é melhor. Portanto, o Procurar está desempenhando com zelo e habilidade o seu papel de proteger o direito dos candidatos aos exames do ENEM de se defender ao se sentirem prejudicados em seus direitos básicos. A sua antecepação serve, também, para alertar os operadores do processo sobre a sua responsabilidade pela lisura, legalidade e respeito ao direito de outrem. Autoritarismo,como aconteceu no ano passado, nunca mais!

  4. André Luiz de Jesus Silva disse:

    A grande verdade, exposta vergonhosamente nas últimas edições da prova, é que o Mec não dispõe de competência para impor uma prova eliminatória a candidatos a vagas em Universidades públicas. Obviamente, no intuito de melhor defender discursos políticos, o próprio governo usa muitos de seus funcionários, por sinal alguns professores, para extenuarem aos ouvidos do público a ideia de que tudo está bem em programas de TV abeta ou fechada, a educação está excelente, a saúde se recupera, o Palocci não fez nada de mais… Contudo, o fato é que não temos uma boa formação de nossos alunos em pleno ensino regular (Fundamental e Médio), de modo que a maioria deles não possuem as condições intelectuais mínimas para ingressarem no Ensino Superior. Como se não bastasse tudo isso há o financiamento do governo federal às empresas privadas através do ProUni. Não seria mais interessante enviá-lo ao ensino regular, prevenindo-o de uma desnutrição maior? E as escolas técnicas, que tanta falta fazem as empresas? Falta-nos profissionais da área de Exatas, no entanto, como formá-los se a maioria dos candidatos posterga da oportunidade por não possuírem intimidade com cálculos de alto nível (algo que poderia, em parte, ser-lhes ensinado na escola)?
    Estas e outras questões precisam de maior evidência na sociedade, bem como a denúncia de ações cínicas daqueles que consideram a existência e aprovação de um livro didático de História pró-lulismo uma situação não muito grave.

  5. helio disse:

    Como pode o ministério da Educação cometer tantos erros? Como pode o ministro ser o candidato escolhido pelo Lula para o governo de São Paulo?

  6. Pb luiz Alves disse:

    não tenho palavras com o esforço neste pais pela uma educação melhor,é uma vergonha um orgão que deveria avaliar um aluno ser despreparado para o tal.
    o enem deveria ser uma ferramenta absoluta em questão de ética e qualidade,
    O ministerio da educação aprovou uma cartilha que ao meu ver se define como excremento cultural,cheio de erros, e lutam com todas as forças para nos fazer engolir aquele kit gay,esta é a qualidade do ensino no Brasil.
    Seremos sim uma potencia daqui uns anos,porem a população continuara escrava e privada de uma educação.
    luiz.tresr@gmail.com

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *