Início » Brasil » Política » O que a ONU pode fazer para deixar de ser alvo de terroristas
The New Republic

O que a ONU pode fazer para deixar de ser alvo de terroristas

A criação de um departamento responsável pela proteção e segurança claramente não fez o bastante para mitigar as vulnerabilidades enfrentadas pela instituição*

O que a ONU pode fazer para deixar de ser alvo de terroristas
Muitos ainda encaram a ONU como procuradora das potências (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Por muitos anos a ONU se esforçou para se apresentar ao mundo como uma instituição internacional imparcial dedicada a ajudar as pessoas ao redor do mundo. Mas a explosão de um carro-bomba num complexo da ONU promovida na última sexta-feira, 2, por uma organização terrorista islâmica chamada Boko Haram, em Abuja, Nigéria, matando 23 e ferindo ao menos 75, foi um lembrete cruel que, não importa o quanto a ONU se esforce para ser neutra, muitos, especialmente no mundo islâmico, encaram-na como procuradora das potências ocidentais. Com efeito, para muitos grupos determinados a instaurar o caos, a ONU se tornou sinônimo dos Estados Unidos. E isto é problemático para a Organização, dado que suas instalações são muito menos seguras do que as bases militares e embaixadas norte-americanas em território estrangeiro. Como a maior parte dos terroristas são oportunistas – optando, na grande maioria dos casos, por alvos simbólicos fáceis de atacar – a ONU tem que tomar medidas mais duras para tornar as suas instalações mais segurar se deseja continuar operando.

Apesar de grandes esforços para se dissociar dos EUA, o destino da ONU parece ter sido selado pela invasão norte-americana do Iraque, a qual a administração Bush retratou como uma operação autorizada pela ONU. Após a derrubada do regime de Saddam Hussein, a ONU expandiu sua presença em Bagdá para auxiliar projetos de reconstrução iraquianos. Como parte dos esforços da Organização para continuar como uma instituição neutra, seu escritório nacional foi mantido no Hotel Canal na zona central da cidade, ao invés de se estabelecer na protegida Zona Verde. O custo de tentar parecer imparcial ao se estabelecer abertamente no meio da sociedade iraquiana foi deixar a sua sede amplamente exposta – decisão que se provou fatídica quando terroristas bombardearam o complexo da ONU em 19 de agosto de 2003, matando 22, incluindo o Representante Especial da ONU no Iraque, o brasileiro Sergio Vieira de Mello.

Desde o ataque a Bagdá, a ONU convocou diversas juntas de especialistas que publicaram vários relatórios sobre como melhorar a segurança de funcionários e instalações da Organização. Os relatórios recomendaram, entre outras coisas, que a ONU melhorasse a administração interna e a supervisão. Mas muitos destes conselhos, garantindo maior imputabilidade, foram desconsiderados ou postos em prática de maneira superficial. Os conselhos que foram ouvidos, como a criação de um departamento responsável pela proteção e segurança, claramente não fizeram o bastante para mitigar as vulnerabilidades enfrentadas pela instituição, a qual, desde o ataque em Bagdá, tem sido alvo de ao menos dez atentados terroristas por ano.

É claro que proteger a ONU não é barato, e instalações cada vez mais militarizadas provavelmente reforçarão a percepção de que a ONU é uma presença estranha em muitos países. Mas num mundo em que as pessoas perguntam “A ONU? Os EUA? Qual a diferença?”, a alternativa parece mais dispendiosa.

*Texto traduzido e adaptado pelo Opinião e Notícia

Fontes:
The New Republic - What the U.N. Can Do to Stop Getting Attacked by Terrorists

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Regina Caldas disse:

    para dar segurança aos seus funcionários a ONU deve deixar de ser hipócrita.

  2. Sérgio A. Träsel disse:

    PARA COMEÇAR, SE A “ONU” DESEJA REALMENTE “DESCOLAR-SE” DE SER CONFUNDIDA COM OS ESTADOS UNIDOS, ELA DEVERIA MUDAR DE ENDEREÇO, ESTABELECER-SE EM UM PAÍS DO 3º MUNDO, POR EXEMPLO. ESTAR SEDIADA EM NEW YORK, SÓ AUMENTA A PERCEPÇÃO DE SER MARIONETE DOS EUA.
    AJUDARIA MUITO TAMBÉM, ACABAR COM O PODER DE VETO DOS PAÍSES MEMBROS DO “CONSELHO DE SEGURANÇA”, QUE CONTROLAM E MANIPULAM O “CONSELHO DE SEGURANÇA” E A PRÓPRIA “ONU” COMO UM TODO. MELHOR, ACABAR COM O PRÓPRIO “CONSELHO DE SEGURANÇA”, SER DEMOCRÁTICA, DECIDIR AS QUESTÕES PELO VOTO DE CADA PAÍS MEMBRO.
    O MAIOR PROBLEMA NO ENTANTO, SERIA CONVENCER O “CORPO DIPLOMÁTICO”, QUE GRAVITA EM TORNO DA “ONU”, A SAIR DO CHARME E ABRIR MÃO DAS BENESSES DE MORAR EM NEW YORK, PARA MUDAR-SE PARA, À TÍTULO DE ILUSTRAÇÃO, “CABUL”…

  3. CARLOS ABEL disse:

    A ONU é imparcial desde quando? No momento em que há meia dúzia de países com direito a veto, não pode haver imparcialidade. Comprovando essa assertiva, vemos o que a ONU por seus representantes colonialistas está fazendo na Líbia. Todo mundo sabe que a Inglaterra, a França e os EEUU não estão nem um pouco preocupados com Khadafi, e, sim, com o petróleo líbio. A ONU segue os passos da extinta Liga das Nações, organizações criadas para a defesa do interesse das grandes potências, nada mais, nada menos.

  4. Walter Senise disse:

    Ao meu ver a ONU foi criada com o objetivo de intermediar os processos de paz entre as nacoes em conflitos, e nao com o objetivo de vestir a capa da paz, para promover a guerra e nem atacar as nacoes em processos conflitivos. Acredito que se um dia a ONU vier a cumprir realmente o seu papel fundamental, nos processos de negociacao em prol da paz, podera voltar a ter credibilidade, porque hoje a ONU e totalmente desmoralizada e merecedora dos ataques terroristas em suas sedes no mundo todo. Sou de Varzea Grande-Mt, orgulhosamente.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *