Início » Brasil » Política » Por que não me ufano deste país
Opinião

Por que não me ufano deste país

Temo que o Brasil esteja vivendo uma crise de arrogância igual à que a Argentina sofreu no início do século passado. Por Renato Lima

Por que não me ufano deste país
Brasil vive clima de ufanismo, diz autor

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Brasil chega este ano às eleições presidenciais de uma forma bastante peculiar. Temas que historicamente mobilizaram debates são de importância bem reduzida neste momento. Cresci à sombra da dívida externa e da inflação, dois problemas hoje basicamente superados. Os juros da dívida pública, quando descontada a inflação, estão em um dígito. A autossuficiência no petróleo é nossa, não estamos com uma moeda desvalorizada e empresas brasileiras começam a se internacionalizar.

Na superfície, parece que está tudo às mil maravilhas. Mas esse clima – cultuado pelos governistas e seus porta-vozes na mídia e outras instituições – apenas mostra que o debate não se atualizou; infelizmente, se esvaziou num ufanismo sem sentido que lembra o clássico título de Afonso Celso, o “Por que me ufano de meu país”. Na linguagem de gerenciamento de tempo: se estamos perto de resolver o urgente, não atacamos o importante na agenda de prioridades do país. Temo que o Brasil esteja vivendo uma crise de arrogância igual à que a Argentina sofreu no início do século passado. A diferença é que, em PIB per capita e outros indicadores como alfabetização, a Argentina chegou de fato a ser rica. E rolou ladeira abaixo graças a uma combinação da cultura de saquear o estado para dividi-lo com os amigos e escolhas intervencionistas na economia.

Afonso Celso citava vários “motivos” da superioridade brasileira. Podia ser a beleza de sua floresta virgem ou a baía do Rio de Janeiro, as riquezas naturais, as vitórias em guerras, ou mesmo as glórias a serem colhidas no futuro. O futuro do Brasil é brilhante e o passado é exemplar, na escrita deste que foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. O autor chegava ao ponto de dizer que não devíamos nem mesmo nos arrepender da escravidão, pois quase todos os outros povos a praticaram e nenhum (segundo ele) lhe deu uma solução tão boa quanto o nosso. Em vários pontos lembra o Defendendo o indefensável, de Walter Block, só que para uma ideologia mistificadora do Brasil.

Nem o Brasil do princípio do século passado era a maravilha que Afonso Celso pintava, nem o atual. É interessante que uma importante agenda de reformas para o Brasil tenha sido escrita por quem viveu a experiência dos dois países: o economista Fábio Giambiagi, nascido no Brasil, mas de família argentina. No seu Brasil: raízes do atraso – paternalismo versus produtividade, ele lista o que chama de “as dez vacas sagradas que acorrentam o país”. Lançada em 2007, a obra é um misto de recomendações de políticas públicas para o dia a dia com questões de fundo que nos prendem ao atraso. E, indo de vaca sagrada a vaca sagrada, a sensação é de que o Brasil está ajudando o feitor a amarrar melhor as travas, de forma que depois não tenhamos como tirá-las. Atuando dessa forma, nos acorrentamos ao passado, porque o passado é muito benéfico para os privilegiados pelo status quo, que não são apenas empresários que gravitam no poder, mas também os funcionários públicos com estabilidade e privilégios dos quais não goza (e nem deveria) o restante do mercado de trabalho.

No fundo, como Giambiagi identifica num dos capítulos finais, cultua-se no Brasil um espírito anticapitalista, alheio à tomada de risco, à valorização do empreendedorismo. Bom mesmo, no Brasil, é o cargo público, é uma bolsa-qualquer-coisa, uma aposentadoria precoce, uma tarifa protecionista. Isso, simplesmente não é parte do mal, mas o mal que está vencendo a outra parte que trabalha. Como resume muito bem Giambiagi: “O problema é que o outro lado do Brasil – disciplinado, pujante, inovador e disposto a vencer – está perdendo a briga distributiva – e está sendo sufocado por um modelo que combina um Estado inchado com uma carga tributária muito onerosa. Ao invés de o Estado passar ao cidadão a ideia de que ‘quem se esforça, vence’, a mensagem subliminar das suas políticas é ‘venha a mim que eu vou te proteger’. Para o espírito inovador que um país idealmente deveria ter, isso é um massacre”, escreve o economista. É por isso que, em qualquer banca no centro das principais cidades deste país, há milhares de publicações com dicas e aulas para passar em concurso – qualquer que seja. Já outras para incentivar a abrir empresas e ser um executivo de sucesso, o leitor terá que procurar muito mais. Se achar.

O clima de ufanismo não é algo que surge agora pela primeira vez na história deste país. Nem mesmo as hostilidades em relação aos críticos, como a que sofria um contemporâneo de Afonso Celso, o jornalista e escritor Lima Barreto. O Brasil está precisando mais do espírito crítico de Lima Barreto e seu Bruzundangas do que o otimismo ingênuo de Afonso Celso e “Por que me ufano do meu país”.

Fontes:
ordemlivre.org - Por que não me ufano deste país

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

20 Opiniões

  1. helio(rio de janeiro) disse:

    Não estamos vivendo um ufanismo. Fomos convencidos que toda política é igual. Este é o grande engano. Estamos assistindo a maior corrupção organizada da história. Marina e Serra finalmente apontam, como fez Gabeira no senado, a grande diferença que importa: Em 8 anos o grupo,como um polvo, engoliu todo o Estado.

  2. Carlos U. Pozzobon disse:

    Excelente artigo de Renato Lima. Tocou no essencial. O Brasil está sendo destruído por esse modelo de governo, mas não aparece com toda a visibilidade porque a demanda mundial colocou o Brasil em situação formidável nas exportações.

    Nunca na história “destepaíz” houve tanto recolhimento de impostos em consequencia das privatizações das telecomunicações, siderurgia, etc, no governo FHC. Mas em vez de arrumar a casa, o governo está gastando o dinheiro em festas e mais festas. E numa festa é impossível não ser ufanista. Quero ver quando chegar a ressaca….. aí o governo vai ter que cobrar entrada….. e consumação mínima, etc e tal… com a casa em pandarecos….

  3. helio(rio de janeiro) disse:

    A oposição finalmente tocou no ponto. A candidata é parte da corrupção planejada e impune de ocupçaõ do poder. Quem acompanha a prática desses 8 anos fica em choque. Infelizmente há os desinformados e muitos que compactuam com o crime.

  4. Beraldo Dabés Filho disse:

    A dificuldade de ganhar na Mega-Sena e ver um algoz do Presidente Lula sorrindo é quase a mesma. A segunda possilidade é um pouquinho mais difícil.

    Nunca antes neste País, o choro foi tão livre!

    Resta à minoria contrária ao Lula, acalentar o sonho vergonhoso e inconfessável de um “golpe de estado”, que impeça mais 08 anos de Governo do PT.

    Dormindo sob os pesadelos do ostracismo, o FHC acalenta este mesmo sonho. Ressurgiu das cinzas e lançou a semente do golpe, sugerindo ao STF que o Presidente Lula está debochando da Democracia…”

    Aposentado que sou, um dia ele me chamou de VAGABUNDO. Hoje, nesta imperdível oportunidade, lhe devolvo o adjetivo.

    Enquanto isto, a caravana passa

  5. Vandra disse:

    Glossário para reflexão
    Orgulhar: (orgulho+ar2) vtd 1 Causar orgulho a; produzir ufania. vpr 2 Sentir orgulho, gloriar-se, ufanar-se.

    Envergonhar: (en+vergonha+ar2) vtd 1 Encher de vergonha, fazer corar; humilhar: vpr 2 Ficar envergonhado; ficar acanhado, confuso, tímido; ter vergonha. vtd 3 Comprometer, deslustrar.

    Ufanar:(ufano+ar2) vtd 1 Causar ufania ou orgulho a; tornar ufano, envaidar. vtd 2 Alegrar muito; trazer júbilo a. vpr 3 Orgulhar-se, jatar-se, gloriar-se. vpr 4 Alegrar-se, envaidecer-se, rejubilar-se. vpr 5 Blasonar jatanciosamente.

    Vaidade: sf (lat vanitate) 1 Qualidade do que é vão, instável ou de pouca duração. 2 Desejo imoderado e infundado de merecer a admiração dos outros. 3 Vanglória, ostentação. 4 Presunção malfundada de si, do próprio mérito; fatuidade, ostentação. 5 Coisa vã, fútil, sem sentido. 6 Futilidade. V. de língua: jactância, presunção.

    Passivo: adj (lat passivu) 1 Que sofre ou recebe uma ação ou impressão. 2 Que não age nem reage; indiferente, inerte. 3 Gram Diz-se do verbo cuja ação é recebida ou sofrida pelo respectivo sujeito. 4 Gram Qualificativo da voz verbal em que o sujeito sofre a ação. 5 Que presta obediência cega, absoluta. (…)

    Ativo: adj (lat activu) 1 Que atua, que exerce ação. (…)

    Ação1 : sf (lat actione) 1 Resultado de uma força física ou moral. 2 Ato, feito, obra. 3 Faculdade ou possibilidade de executar alguma coisa. 4 Modo de proceder. 5 Atividade, energia, movimento.
    ( fonte: dicionário Michaellis online)

  6. eliphax disse:

    Enquanto isso a democracia se desmoraliza e o povo se revela ñ merecedor do país em q nasceu.

    Temos tudo para sermos os maiores. mas ao mesmo tempo uma sociedade imoral q aceita com deleite as migalhas de um corrPTo governo.

    Quem gosta disso são os coniventes com as propinas e as misérias morais de uma nação q é composta, em grande parte, por analfabetos q mal entrendem o que leem.

    Parabéns PT, vcs já foram longe demais.

    Viva os milicos q nunca roubaram um centavo do Governo q dirigiram!

  7. João Cirino Gomes disse:

    A argentina rolou ladeira abaixo graças a uma combinação da cultura de saquear o estado para dividi-lo com os amigos e escolhas intervencionistas na economia.

    E a história real me deixa de orelha em pé!
    Mas Lula tem um bom motivo para doar: O CARA DE pau além de estar levando algum por baixo do pano, tem a pretensão de assumir cargo na ONU
    E para acobertar suas falcatruas, basta nos enfiar uma ladra goela a baixo!

    O BNDES DO PT pagou milhões de dólares para a VENEZUELA de CHAVEZ para construção de um metrô

    O BNDES DO PT pagou milhões de dólares para a BOLÍVIA para construção de uma estrada que liga “lugar nenhum” a “porra nenhuma”; estrada esta situada em toda sua extensão em território boliviano

    O BNDES DO PT pagou 450 milhões de dólares para CUBA, E ANISTIOU AINDA 150 MILHÕES DE DÓLARES DA DÍVIDA QUE A ILHA DO TIRANO FIDEL TINHA PARA COM O BRASIL

    O BNDES DO PT pagou 22 milhões de reais para RUSSIA SÓ PARA ENVIAR UM CABO ELEITORAL NO ESPAÇO PARA DAR UM “PUM”
    O BNDES DO PT pagou MILHÕES DE DÓLARES PARA A REDE GLOBO, fora os MILHÕES em propaganda que a emissora recebe

    O GOVERNO DO PT ANISITOU A DÍVIDA DE TODOS OS PAÍSES AFRICANOS QUE SOMAM 70O MILHÕES DE DÓLARES

    O GOVERNO DO PT PERMITIU QUE DURANTE APENAS UM ANO OS BANQUEIROS TIVESSEM UM LUCRO DE 170 BILHÕES DE DÓLARES
    O GOVERNO DO PT PERMITIU QUE OS BANQUEIROS NACIONAIS- ATRAVÉS DA PRÁTICA DA AGIOTAGEM, DE ALTOS JUROS E TAXAS EXORBITANTES – PUDESSEM ATINGIR EM APENAS UM MES UM LUCRO DE 30 BILHÕES DE REAIS

    O GOVERNO DO PT PAGOU 55 MILHÕES DE DÓLARES POR UM AVIÃOZINHO QUE TRANSPORTASSE O MARAJA PRESIDENTE

    O GOVERNO DO PT GASTA MAIS DE DEZ MILHÕES DE REAIS POR ANO PARA CARTÕES CORPORATIVOS, ONDE SE COMPRAM TAPIOCAS, PERFUMES, JÓIAS, URSINHOS DE PELÚCIA , CORREÇÕES PLÁSTICAS. SÓ DONA MARISA EM UM ANO GASTOU 450.000 EM BUGIGANGAS E FUTILIDADES COMO CREMES DE BELEZA E MAQUIAGEM IMPORTADA

    O GOVERNO DO PT GASTA MAIS DE 300.000 REAIS POR MES EM MORDOMIAS – BOMBONS, UÍSQUES, VINHOS…

    O GOVERNO DO PT PAGOU MILHÕES DE DÓLARES PARA DUDA MENDONÇA PARA PROPAGANDAS QUE PROMOVESSEM O PT

    O GOVERNO DO PT PERMITIU QUE 300 MILHÕES DE REAIS FOSSEM ROUBADOS DO POVO ATRAVÉS DO VALERIODUTO,CUJOS MALFEITORES ERAM MINISTROS E CORRELIGIONÁRIOS DO PT

    Pra dar um basta nestas mazelas de seu voto de confiança ao Nulo! digite 0000 e confirme, esta é e a melhor maneira de demonstrarmos nosso repudio a tanta desonestidade!

  8. João Cirino Gomes disse:

    ELIPHAX nem PT e nem milicos!
    Exija seus direitos constituídos por lei! Eu votarei NULO: Digitarei 0000 e confirmarei: Esta é a melhor maneira de demonstrarmos nossa indignação!

  9. Beraldo Dabés Filho disse:

    Quanto custa 20 anos de Ditadura Militar? (A)

    E 20 anos de paralizia política? (B)

    E cada vida ceifada? (C)

    E cada família destruída? (D)

    A + B+ C+ D = R$trilhões + Danos Irreparáveis

    Este é o tamanho do rombo (ou roubo).

  10. helio(rio de janeiro) disse:

    Leitor,
    A ditadura, a paralisia de reformas do atual governo, o aumento do crime organizado ceifando vidas e destruindo famílias, é que terá com Dilma o seu apogeu.
    Dilma reimplantará o seu braço esquerdo (Erenice, a ministra afastada por crime)e seu braço direito (Dirceu ex-ministro também por crime).
    O povo brasileiro é tão bom, que nem consegue nem imaginar tamanha traiçao e mentira.

  11. helio(rio de janeiro) disse:

    Beraldo, Já que você menciona choro, repare: o presidente só sorri quando no palanque. É irritadiço. É verdade que não chora, e esse é o aspecto que mais me intriga. A última versão da Dilma é só sorrisos, mas lhe falta qualquer senso de humor, o que também me intriga. Por que sorri quando seu braço direito é acusado de mil crimes? A esperteza desse governo, que escapou malandramente de todos os escândalos teme um golpe? Duvido. Seguirá indiferente em sua caravana de ouro. Para os que o governo persegue existem várias opções: matar, roubar e pegar em armas como Dilma fez, se exilar como Serra, ficar numa boa negociação durante a ditadura como o Lula. Ou fechar os olhos para os acontecimentos e negar os fatos. Existem também, é verdade, os gullibles.

  12. Beraldo Dabés Filho disse:

    Senhores do O&N,

    Leitores que já confessaram aqui mesmo neste espaço do O&N, que utilizam pseudônimos (covardemente encapuzados), não deveriam ter o direito de citar nomes de leitores que tem nomes e caras.

    Se não se identificam (não existem), não deveriam sequer participar dos debates.

    De qualquer forma, para eles, vai aí mais uma vez: o choro é livre!

    Aliás, nunca antes neste País, foi tão livre!

    Beraldo Dabés Filho

    Sou brasileiro e ficha limpa. Nada a temer!

  13. josé pereira disse:

    Olá,meu povo esta por poucos dias para a naçõa
    brasileira,eleger a nossa prisidenta DILMA.E será dois fatos históricos:eleger uma mulher
    e no primeiro turno.

  14. helio(rio de janeiro) disse:

    O leitor tem razão. O seu nome nem o meu interessam. Até fico feliz em não citá-lo. O que importa é responder o artigo: Por que não me ufano deste país?
    Como manter algum orgulho diante dos múltiplos escândalos de Erenice, a escolhida de Dilma, o braço direito, a que a substituiria, e que cometeu na mesma sala de Dilma todos os crimes de nepotismo, milionários e na maior cara de pau.
    Para defender a agora “ex-assessora” disse o Ministro Franklin Martins em declaração grvada: “Foda-se a Moralidade”. É preciso mais?

  15. Ivan Lippi disse:

    Vi com horror a Dona Lili viuva Marinho e outras mulheres não tão colunáveis receber com estranhavel carinho a Dilma em sua residência tentando se explicar que fazia isso porque tambem recebeu o Fidel Castro ????
    Não menos horrorizado vi os irmãos Safra, o presidente do Bradesco e outros não tão culunáveis receber a mesma terrorista em uma mansão em São Paulo para um jantar. Amigos, o que isso tudo está cheirando?

  16. Markut disse:

    Ora Ivan. Está cheirando a isso mesmo: a massa engodada e as forças “produtivas” da nação, não tão engodadas assim, no mesmo barco, não importa que seja a caminho do precipício.

  17. Beraldo Dabés Filho disse:

    O autor discorre, como quem não tem nada a perder, mas tenta ganhar, sobre aspectos diversos do Brasil atual.

    Apresenta no primeiro parágrafo os grandes pontos positivos da Economia e a força do nosso Empresariado (Capitalismo) atual, mas já no segundo parágrafo “entrega o ouro”, com a velha tática do medo, tão a gosto dos opositores do PT.

    E o faz em grande estilo, baseado na comparação de dois conceitos distintos de Brasil, defendidos por dois brasileiros (Afonso Celso e Lima Barreto)e nas presunçosas conclusões de um terceiro, filho de argentinos(o tal de Fábio Giambiagi) sobre o Brasil atual.

    O autor “teme que o Brasil atual esteja vivendo uma crise de arrogância igual à da Argentina do início do século passado.

    Neste ponto ele parece que se enganou ou se “perdeu no tiroteio”, como de resto estão perdidos todos os opositores do Governo do PT, comparando a conjuntura política de uma Argentina de 100 anos atrás com a do Brasil atual.

    Será isto mesmo?

    De antemão

  18. Richoff disse:

    O mais difícil para a militância é admitir o óbvio: estamos com um grupo previlegiado no poder, praticando uma farra capitalista que junta velhas e novas raposas. Reformas fundamentais e urgentes? Claro que não. Não o fizeram nesses 8 anos. Prefiro Erenice à Dilma ou Dirceu. Pelo menos ela chora e admite os erros. Depois de 8 anos de campanha, iniciaremos enfim um governo? Alguns dizem que este segundo ato se consumirá por disputas ferozes pelos cargos já ocupados pelo Lula. O senso de humor será uma boa saída. Esta não é a especialidade nem de Dilma nem de Dirceu.

  19. L. Schmidt disse:

    O Brasil nao tem nem de longe a importância no cenário mundial que os brasileiros acreditam que tenha.
    Algumas matérias (pagas pelo Governo brasileiro), dao a impressao de que o mundo gira à nossa volta. Que engano…
    Este governo é pura fantasia. Investe mais em propaganda do que em educacao. O povo acredita e acha natural ouvir e ver o governo gastar uma fortuna para promover o que seria sua obrigacao fazer. “Governo brasileiro trabalhando para você”; que piada! De concreto mesmo este governo só fez o PAC – Plano de Aumento da Corrupcao e a expansao do crédito, para o povo comprar parrcelado do carrtao e achar que consumo (com os juros mais altos do mundo) é desenvolvimento…

  20. helio(rio de janeiro) disse:

    Quando vamos votar alguns pensam no país, outros no seus pequenos mundinhos. Faço parte dos que na política quando torcem ou temem estão com o pensamento no país. Se corro o risco de ver caladas as minhas idéias, me protejo, não tanto por mim, mas pelas minhas idèias. Delas não abro mão. Naõ estão a venda. Voto na oposição e com orgulho.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *