Início » Brasil » Política » Por que os Estados Unidos precisam fazer cortes na defesa?
Estados Unidos

Por que os Estados Unidos precisam fazer cortes na defesa?

Redução no orçamento das forças armadas pode ser uma boa oportunidade de ajustar setor sem controle. Por Fareed Zakaria*

Por que os Estados Unidos precisam fazer cortes na defesa?
Desde a Guerra Fria, o Congresso investe maciçamente no Pentágono

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O aspecto do acordo da dívida que pretendia apavorar Washington era a ameaça de cortes nos gastos com a defesa. Se o “supercomitê” do Congresso não chegar a um acordo nos cortes de US$ 1,5 trilhão, a guilhotina cairá, e metade desses cortes virá de gastos com a segurança nacional. A maioria dos especialistas estima que o orçamento de defesa perderá de US$ 600 a US$ 700 bilhões nos próximos dez anos. Se esse é o caso, que a guilhotina caia. Seria um ajuste mais que necessário a um complexo industrial-militar fora de controle.

Conservadores sérios deveriam examinar o orçamento de defesa, que contém toneladas de evidências do liberalismo descontrolado que eles tanto condenam. Há tanta sobreposição, duplicação e desperdício nas forças armadas, que ninguém se importa em defendê-las. Hoje, o sistema da defesa norte-americana é a maior economia socialista do planeta.

Cortes no orçamento da defesa também forçariam um reequilíbrio saudável da política externa norte-americana. Desde a Guerra Fria, o Congresso desenvolveu uma tendência a inflar o Pentágono ao mesmo tempo em que deixa agências de política externa carentes.

O resultado é uma política externa distorcida, pronta para entender os problemas em termos militares e apresentar soluções militares. Descrevendo precisamente esse fenômeno, Eisenhower firmou que para um homem com um martelo na mão, todos os problemas se parecem com um prego. Em seu discurso de despedida, ele clamou por um equilíbrio entre os gastos militares e não-militares. Infelizmente, esse desequilíbrio só aumentou nas décadas que sucederam seu discurso.

 

* Comentarista político da revista Time, e apresentador da rede CNN

Fontes:
The Washington Post - "Why defense spending should be cut"

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Carlos U. Pozzobon disse:

    Os EUA terão que conviver com o sabor amargo da redução da gastança nas forças armadas. Esse processo deverá ser suavizado ao longo prazo, mas é irreversível. Com um mundo exigindo cada vez mais a presença militar de forças democráticas, e com as nações européias se retirando do cenário, alguém teria que preencher sua ausência na coalizão. Talvez seja mais prático os EUA investirem na democratização da China do que na contenção do Talibã e dos enraivecidos da Al Qaeda.

  2. João Jarnaldo de Araújo disse:

    A solução para o TIO SAM, vai ser utilizar o Grito dos Hipies: “FAÇA AMOR E NÃO GUERRA”, colocando uma FLÔR, na ponta de qquer instrumento bélico que aparecer.Tal onda de protesto ocupou o mundo por ocasião da guerra do Vietnan!

    Se a sugestão acima for adotada, com certeza, teremos que mudar a cidade de Holambra para Washington, além de mudar o foco do agronegócio do CELEIRO DO MUNDO, donde teremos que optar, por plantar, lírios, rosas e jasmins, no lugar das extensivas áreas destinadas à Sojicultura! Tudo isso, para embelezar os tanques do Talebã, as granadas de Israel, os Porta aviões da frança, as metralhas dos soldados dos EUA, das “Farqs”, perfumando os fuzís automáticos do narcotráfico e tudo mais, porque enfim existe mais instrumento bélico no mundo do que todos os ramos da floresta amazônica!

    Brincadeiras a parte, o momento torna-se enfim altamente pedagógico, quando queremos aprender com os conflitos, quando queremos expandir o nosso aprendizado utilizando o fato histórico, como prestimoso e nobre mestre, exercitando a fundamental habilidade, de modificarmo-nos à nós mesmos,observando nossos próprios erros, corrigindo nossas distorções megalomaniácas, de sorte a implementarmos, quem sabe, uma sociedade mais esperta, consciente,e humanizada, ocupando o maravilhoso Planeta Azul…”AINDA QUE TARDIA”

    Conclusão?: A hora é de sofrer a CONSEQUÊNCIA da INCONSEQUÊNCIA, e tomar tento, recorrendo mais uma vez ao bom fundamento pedagógico de que EDUCAR é FRUSTRAR e nesse enredo, APROVEITAR para então gritar prá valer: ACORDEM E PROGRESSO!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *