Início » Notícia » Porta-voz da PM do Rio nega paralisação
Segurança pública

Porta-voz da PM do Rio nega paralisação

Coronel Frederico Caldas disse ainda que não existe no Rio um movimento reivindicatório, mas sim de desestabilização

Porta-voz da PM do Rio nega paralisação
Policiais e bombeiros durante assembleia no centro do Rio (Fonte: Reprodução/AE)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Na manhã desta segunda-feira, 10, o coronel Frederico Caldas, porta-voz da Polícia Militar do Rio, disse em entrevista por telefone à Globo News que “100%” dos serviços da corporação estão funcionando, afirmando que não houve adesão da tropa à greve decretada na noite desta quinta-feira, 9.

Policiais e bombeiros protestam no centro do Rio (Fonte: Reprodução/AE)

Em uma assembleia realizada na noite desta quinta na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, cerca de 2.500 policiais e bombeiros decidiram entrar em greve. Eles reivindicam a libertação do cabo do Corpo de Bombeiros Benevenuto Daciolo, preso na noite de quarta-feira, 8, ao desembarcar no Rio vindo de Salvador. Daciolo é acusado de praticar os crimes de incitamento e aliciamento a motim e revolta. Sua mulher, Cristiane, participou da assembleia desta quinta na Cinelândia.

‘Nossos policiais estão nas ruas’

Policiais e Bombeiros reivindicam ainda um piso geral para as categorias de R$ 3.500, R$ 350 de vale-transporte, R$ 350 de tíquete alimentação, jornada de trabalho de 40 horas semanais e o fim do chamado rancho (comida fornecida pela própria PM nos quartéis, em vez de vale-alimentação).

O coronel Francisco Caldas disse, entretanto, que não existe no Rio um movimento reivindicatório, mas sim de desestabilização. “Nossos policiais estão nas ruas”, garantiu o porta-voz da Polícia Militar fluminense.

Fontes:
O Globo - Após ser decretada greve, 14 mil homens do Exército são esperados para a segurança do Rio

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Joaquim Caldas disse:

    Tem que fazer greves.O patamar dos comunistas foi USAr as greves para desestabilizar os governos,e agora que eles são governo? O FDP DO FHC destruiu as forças Armadas e construiu o ministerio da defesa comunista brasileira,liderado hje por um assassina,José Genoíno.

  2. João Cirino Gomes disse:

    Antes de ser governo, os petistas apoiavam e incentivavam a greve e a invasão de terras!

    Agora que é governo inverteu o papel querem tornar a greve, que é a unica forma do cidadão reivindicar seus direito ilegal!

    Eu apoio a greve dos policiais dos bombeiros, dos professores e incentivo os aposentados a fazerem uma passeata e votarem nulo para reivindicarem seus direitos constituídos que não estão sendo respeitados pelos espertalhões canalhas!

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    Eu sou contra e funcionários públicos fazerem greves mas que os salários deveriam ser igual em todo país concordo. Isso aconteceu com o salário mínimo que mínimo a alguns anos atrás, cada estado tinha um sal´rio diferenciado em cada estado foi quando se lutou e não me lembro quem equiparou o sálário minímo em todo estado para que fossem igauis. Nesse caso os póliciais têem razão.

  4. Dayanne Lima disse:

    É mais do que válida qualquer greve. Quem se opõe a uma greve não é trabalhador assalariado no Brasil, e sim capitalista explorados. Sou professora do Estado do Rio e recebo R$ 850,00 por mês. Como só posso ter duas matrículas públicas, minha renda máxima seria de R$ 1600,00 por mês. Dá pra sustentar uma família assim?!
    O que eu ganho por mês, esses engravatados que falam mal dos grevistas gastam em uma noite no barzinho!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *