Início » Economia » Internacional » Presidente egípcio é proibido de deixar o país
Golpe Militar?

Presidente egípcio é proibido de deixar o país

Morsi está no quartel da Guarda Republicana, que permanece fiel a seu governo

Presidente egípcio é proibido de deixar o país
Praça Tahrir (Fonte: Estadão)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No momento em que o governo denuncia um golpe militar, tanques de guerra tomaram o centro do Cairo. O presidente do Egito,  Mohammed Morsi, e dois principais líderes da Irmandade Muçulmana estão proibidos de deixar o país.  Segundo o jornal egípcio Al-Ahram, tropas estão dispostas em locais estratégicos do Cairo: o palácio presidencial, a mesquita de Rabaa, a Universidade do Cairo e na Praça Tahrir.

Os partidários de Morsi que estão aglomerados na Praça Tahrir foram cercados com arame farpado, segundo o Exército para a “manter a segurança deles”.

Leia também: Presidente egípcio descarta renúncia
Leia também: Crise no Egito se agrava com renúncia de ministros
Leia também: Presidente egípcio rejeita ultimato do Exército

Morsi está no quartel da Guarda Republicana, que permanece fiel a seu governo. Ele teria pedido ainda, que o povo egípcio resista pacificamente ao golpe. O presidente ofereceu uma série de concessões, incluindo a formação de um governo de coalizão e um referendo convocatório, mas os militares rejeitaram a proposta. O clima no país é tenso. Uma grande manifestação de partidários da Irmandade Muçulmana está reunida a poucos metros da Praça Tahrir, helicópteros do Exército sobrevoam  e os tanques se dirigem para lá.

A oposição a Morsi quer que uma nova Constituinte seja convocada e ainda propôs que seja formado um governo de transição, com um governo temporário. O Partido da Liberdade e Justiça braço político da Irmandade Muçulmana, rejeitou reunir-se com os militares e líderes da oposição e acusou o Exército de impor o nome de Mohmamed ElBaradei como líder de unidade. A reunião com religiosos e a oposição terminou a pouco e um comunicado está previsto para esta tarde.

 

Fontes:
Estadão - Último dia de ultimato contra o governo no Egito

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *