Início » Brasil » Política » Projeto libera professores sem pós-graduação
Universidades

Projeto libera professores sem pós-graduação

Existem hoje 28.085 professores universitários sem pós-graduação

Projeto libera professores sem pós-graduação
Relator do projeto diz que 'faltam titulados' (Fonte: Reprodução/AE)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) prevê que a preparação para o exercício do magistério de nível superior se faz com mestrado e doutorado, ou seja, a nível de pós-graduação, mas um projeto de lei em tramitação no Senado visa flexibilizar esta determinação.

De acordo com o texto, qualquer pessoa com diploma de graduação e “experiência relevante” poderá lecionar em cursos superiores, ainda que de forma temporária. O membro da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado e relator do projeto, Álvaro Dias, disse que “é preciso flexibilizar, porque faltam titulados”.

O que já existe na prática

Na prática isso já acontece: contrariando a legislação em vigor, existem hoje 28.085 professores sem pós-graduação lecionando em instituições de ensino superior do Brasil, ou 8% do total, sendo que 174 deles sequer têm diploma de graduação.

As universidades privadas podem estabelecer suas próprias regras para a contratação de professores temporários. Nas universidades públicas, segundo medida provisória que entrou em vigor em junho, até 20% dos professores podem ser temporários, com um ano de contrato e possibilidade de prorrogação por mais um.

Leia mais:

UFRJ anuncia fim do seu vestibular

O primeiro problema do Enem 2011?

Fontes:
Estadão - Projeto do Senado libera contratação de professores universitários sem pós

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Regina Caldas disse:

    “experiencia relevante” é o x do problema, pois em terra de cego quem tem um olho é rei…É por isto que a Educação no Brasil se torna cada vez mais degradante. Francamente…adotar medidas paliativas em algo tão sério como seja a formação de acadêmicos é de se prever um Brasil sem investimentos em ciências e tecnologia com graves consequencias para toda a Nação. Brasil…um país sem futuro….

  2. Honório Tonial disse:

    Louvável a proposição do Senador Álvaro Dias propondo o reconhecimento de professores competentes para lecionar no grau superior embora sem titulação acadêmica: Mestrado e Doutorado.
    Sou professor autodidata do idioma Talian.
    Não existe no mundo uma universidade desta nova Língua em construção e em fase de consolidação..
    Qual a graduação de Machado de Assis, Casimiro de Abreu e tantos outros ícones da nossa literatura?
    Parabéns, Senador Álvaro Dias pela sua visão eclética e realista.

  3. José tadeu Barbalho disse:

    Sou professor de ensino superior com pós graduação lato sensu. As universidades públicas oferecem pouquíssimas vagas para mestrado e doutorado. Milhares de professores brasileiros fazem parte de uma demanda reprimida que lotam aviões nos meses de janeiro e julho para fazerem mestrado e doutorado modular na américa do sul e europa. E caro. O ministério da educação assiste a tudo isso de forma omissa e indiferente. A Capes, que deveria pensar essa realidade, perpetua um modelo seletivo e cruel em uma legislação retrógrada na oferta de cursos em stricto sensu. Muitas universidades européias oferecem mestrado em carga horária complementar à graduação do estudante. Faltam políticas que atendam esses professores,principalmente os que estão em faculdades e universidades privadas. O projeto do senador Álvaro Dias, longe de oferecer solução ao problema, chega como paliativo a uma legislação caduca. Por que não procurar tratar a causa em vez dos sintomas?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *