Início » Economia » Internacional » Quando os alunos são repreendidos por infrações irrelevantes o resultado pode ser grave
Disciplina escolar

Quando os alunos são repreendidos por infrações irrelevantes o resultado pode ser grave

Elas têm um efeito pequeno, ou até nulo, para melhorar a disciplina, e podem causar danos permanentes aos alunos

Quando os alunos são repreendidos por infrações irrelevantes o resultado pode ser grave
No Mississippi infrações sérias o bastante para que a polícia seja chamada incluem usar os sapatos errados (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Há alguns meses uma escola em Canon City, Colorado, suspendeu Hunter Yelton por violar a sua política de assédio sexual. O seu crime? Beijar uma garota na mão. Hunter tem seis anos de idade. Outros atos perigosos que ocasionaram suspensões em escolas por todo o país incluem um caso em que um biscoito foi cortado na forma de um revólver, outro em que um arco e flecha imaginário foi atirado e ainda outro em que se mencionou a possibilidade de acionar uma pistola de bolhas de sabão da Hello Kitty.

No Mississippi infrações sérias o bastante para que a polícia seja chamada incluem usar os sapatos errados (a regulação de vestimentas da escola de um garoto de cinco anos de idade estipulava o uso de sapatos pretos; sua mãe usou um marcador para escurecer um sapato branco e vermelho, mas aparentemente era possível enxergar pedaços brancos e vermelhos) e as meias erradas. Cinco alunos que atiravam amendoins entre si nos fundos de um ônibus escolar acabaram sendo condenados por agressão quando um dos amendoins atingiu o motorista.

Muitos desses estudantes frequentam escolas com políticas de tolerância zero, as quais são praticadas há anos; alguns conectam o seu nascimento à lei federal de “Escolas Sem Armas”, a qual requer que escolas que recebessem recursos federais expulsassem alunos que fossem às aulas com armas de fogo. De acordo com John Whitehead, um dos fundadores do Instituto Rutherford, escritório focado em liberdades civis, tais políticas começaram a realmente se proliferar após o massacre em Columbine, no Colorado, em 1999.

Como as sentenças mínimas obrigatórias estabelecidas pelo Congresso no auge da guerra às drogas, políticas de tolerância zero em escolas tinham a intenção de garantir que todo mal comportamento fosse respondido de maneira uniforme. Mas, assim como nas sentenças mínimas obrigatórias, as reações obrigatórias em geral são extremamente desproporcionais às infrações cometidas; elas têm um efeito pequeno, ou até nulo, para melhorar a disciplina, e podem causar danos permanentes aos alunos.

 

Fontes:
The Economist- The perils of peanut-tossing

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *