Início » Brasil » Política » Serra, Dilma, Marina e Plínio sofrem de insensibilidade ambiental
Eleições 2010

Serra, Dilma, Marina e Plínio sofrem de insensibilidade ambiental

Carlos Tautz divide em três grupos os candidatos: pragmáticos, duvidosos e sem propostas.

Serra, Dilma, Marina e Plínio sofrem de insensibilidade ambiental
Quatro principais candidatos à Presidência não ligam para questão ambiental, diz autor

A menos de dois meses das eleições presidenciais, nenhum dos quatro principias candidatos (Dilma, Serra, Marina e Plínio) expressam compreensão ou sequer apreço pelos graves problemas ambientais que o Brasil precisa enfrentar. Problemas, aliás, que extrapolam os limites da “questão ambiental” e dizem respeito mesmo ao coração do modelo de desenvolvimento brasileiro. Todos e todas nobres candidatas e candidatos, quando sem saída, optam pelas expressões idiomáticas pobres de conteúdo e ricas em possibilidade de virarem noticia.

De mudanças climáticas a uma política nacional de economia de energia, passando pelo desenvolvimento de uma plano global de utilização sustentável dos recursos hídricos (que seria uma precondição ao país que aspira a ser produtor mundial da commodity álcool combustível), tudo de importante para um prometo de Brasil é desconsiderado. De olho na campanha, limitam-se a discutir ações de curto prazo que não projetam qualquer futuro para esta nação de 190 milhões de pessoas. Pior para o Brasil (ou seja, nós).

No campeonato da insensibilidade ambiental, candidatas e candidatos podem ser divididos em três grupos. No bloco dos pragmáticos estão Dilma (PT-PMDB) e Serra (PSDB-DEM), preconizando uma impossibilidade física: crescimento econômico sem fim, embora (como Marina) afirmem ser possível compatibilizar respeito ambiental e desenvolvimento.

O segundo bloco é o de Marina (PV), que escapa de emitir posições claras. Diz, apenas, que, eleita, manterá as “conquistas” dos últimos 16 anos: câmbio fixo, independência do Banco Central e superávit fiscal, na linha dos famosos ambientalistas Pedro Malan, Armínio Fraga e Henrique Meirelles.

O último bloco é o dos sem proposta. Integrado por Plínio (PSOL), que segue a tradição ideológica da esquerda e se relaciona com o ecologismo da mesma forma utilitária e não estratégica como o faz a esquerda também no campo da comunicação e da cultura.

Dilma evita comentar os efeitos da eventual entrada em vigor da proposta de novo Código Florestal (elaborada por um deputado de sua atual base congressual). A ser aprovada na forma como tramita agora na Câmara, o novo Código provocaria o aumento exponencial das emissões de gases causadores das mudanças no clima. Sequer menciona a possibilidade de fazer um balanço de emissões de seus carros-chefes, o PAC, e seus megaprojetos impactantes do meio ambiente.

Serra, por sua vez, é enfático. Garantiu ao Jornal Nacional ser “muito ambientalista”, e mais nada diz a respeito. Em coral com Dilma e Marina, entoa o mantra de que “é possível conciliar desenvolvimento econômico com proteção ambiental”, mas sempre escapole de abordar temas centrais, como o zoneamento econômico ecológico de todo o território nacional e o apoio do Estado brasileiro aos maiores desmatadores.

Marina reitera figuras retóricas vazias de conteúdo como “desenvolvimento sustentável” (expressão com mais de 300 significados reconhecidos pela ONU) e faz uma campanha fashion. Segue os moderninhos ambientais que propõem uma “economia de baixo carbono”, mas esquece que a economia brasileira é intensiva no uso de combustíveis fósseis ricos em… carbono! Registre-se a coerência histórica de continuar a ser contra a energia atômica.

A vontade como franco atirador, Plínio aborda questões chaves do desenvolvimento nacional, como o limite da terra, mas não escapa dos limites ideológicos da sua matriz, esquerda tradicional, e passa longe de encarar questões como a matriz energética ou o papel do Brasil na arena internacional como eterna plataforma de exportação de commodities.

OK, a opinião de candidatos e candidatas é pouco clara, mas tudo bem: não é preciso ter pressa. Afinal, nosso planeta nos proverá infinitamente de recursos, não é mesmo?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

15 Opiniões

  1. Neto disse:

    Quando plínio defende o Socialismo, traz consigo uma sensibilidade ambiental

  2. Helio (rio de janeiro) disse:

    A transposição do rio São Francisco, a hidrelétrica na Amazonia, e os royalties do petróleo fora do Rio são propostas da Dilma e de alto perigo ambiental. A proposta de Plínio de pequenas propriedades no campo tem alto poder de desmatamento, já que segundo o Incra,os assentamentos tem sido os principais responsáveis pela derrubada de árvores, o que é compreensível.

  3. Eleutério Sousaa disse:

    O “projeto Brasileiro” é (e foi)desde sempre,o de servir aos banqueiros e o ser fornecedor de matérias primas…Isso causa desigualdade social, latifúndios e concentração de renda.Se todos os candidaros tivessem um programa educacional decente todos os demais problemas seriam resolvidos. Sucintamente é isto!

  4. kássia disse:

    Adorei a matéria, muito boa…
    e concordo com vc plenamente quem acaba pagando tudo somos nós brasileiros….

  5. Ana D'Oliveira disse:

    É lamentável que candidatos à presidência da República sejam tão vazios quanto a tema tão relevante – preservação ambiental. Mas o mesmo se pode falar quanto à falta de propostas efetivas para educação, saúde, transporte público e tudo mais. Mais do que a falta de proposta, isto mostra que esses políticos e respectivos partidos são irresponsáveis e não têm nenhum compromisso com o povo. Antes, político prometia o possível e o impossível. Os atuais, nem isso têm coragem de fazer

  6. andre becker(Santos/SP) disse:

    fui entrevistado por uma moça do ibge
    para dar meu voto ao atual governo
    so que
    na ficha que ela trazia so tinha
    REGULAR BOM OTIMO
    EU NAO PUDE VOTAR POR QUE QUERIA O PESSIMO.
    coitada pediu que eu votasse no bom senao ela poderia ser demitida, eu nao votei e deixei ela ir embora

  7. FÁTIMA SILVA disse:

    TEMOS QUE VOTAR EM PESSOAS NOVAS PARA MUDAR GERAL ESSA POLITICA QUE ATE AGORA SÓ FORAM LADRÕES E CORRUPTOS, VAMOS COLOCAR UM BASTA NESSA TURMA QUE JA SÃO PODRES… AGORA E A HORA DE MUDARMOS TUDO E FORA ESSES BANDIDOS QUE JA ESTÃO AI HA MUITO TEMPO SO ROUBANDO!!! VAMOS ELEGER PESSOAS DE DEUS! E NOVAS!!!!! PARA MUDAR GERAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  8. nattan disse:

    concordo o Brasil está passando uma grande crise em caso no meio ambiente.

  9. Helio (rio de janeiro) disse:

    Porque ninguém culpa o atual governo pelas queimadas gravíssimas e fora de controle e que são resultado da completa falta de fiscalização?
    Um mes é pouco para reverter a atual mentira com 80% de ibope.

  10. Sérgio Cunha disse:

    Essa matéria tem um tom pra lá de direitista!
    Eu heim!

  11. Helio (rio de janeiro) disse:

    O único ponto da candidata Marina que me incomoda é não dizer que saiu do governo e do PT porque foi atropelada pela dupla Dilma/Mangabeira. A procura de voto em tempo curto não dá para que isso seja dito. Espero que os verdes digam a verdade. Mantenho meu voto no Gabeira.

  12. Helio (rio de janeiro) disse:

    O depoimento do leitor Becker retrata bem o momento que estamos vivendo.

  13. Élio J. B. Camargo disse:

    A causa básica dos problemas ambientais é o crescimento demográfico, o resto é efeito. É preciso enfrentar a causa e não querer resolver o problema trabalhando nos efeitos.
    Fazer uma residência obriga uma licença prévia e um projeto, fazer um ser humano não precisa nada, a não ser total irresponsabilidade. Os chineses são os únicos a se preocuparem com isso.

  14. alaides lirio disse:

    Na verdade, os candidatos agem como se toda a populaçao fosse crianças e eles os adultos. Prometem algo que supoem ser necessidade, falam o que e agradavel para os ouvidos. As promessas de um sao diferentes das do outro mas, ao longo do mandato podemos perceber a inexistencia de coerencia entre o plano apresentado e as açoes. Dentro dessa observaçao podemos entao comentar que, apesar da sutileza contida nas palavras bem elaboradas existem intençoes implicitas que, só descobrimos em um tempo tardio.

  15. Helo (rio de janeiro) disse:

    O Serra tem história e biografia política. Sabemos quais são as suas idéias.
    Já a candidata que não tem, precisa falar mais, e não só tentar convencer que é o Lula.
    O Itamar, apesar de escolhido por Collor para vice, se mostrou bastante diferente. E o Sarney do Tancredo? E o Jango do Jucelino?

    Quem é a Dilma? A que atropelou Marina na questão do Meio Ambiente?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *