Início » Pelo Mundo » Síria: vice-ministro do Petróleo renuncia e se junta à oposição
Primavera árabe

Síria: vice-ministro do Petróleo renuncia e se junta à oposição

Abdo Hussameddin é a mais alta figura do regime sírio a renunciar desde que as revoltas da oposição começaram no país

Síria: vice-ministro do Petróleo renuncia e se junta à oposição
Abdo Hussameddin renunciou através de vídeo divulgado no Youtube (Reprodução)

O vice-ministro do Petróleo da Síria, Abdo Hussameddin, renunciou nesta quarta-feira, 8. Hussameddin se desliga do regime de Assad para se juntar ao movimento de oposição. Ele é a mais alta figura política a renunciar desde que as revoltas da oposição começaram no país, há um ano.

Hussameddin renunciou através de um vídeo do Youtube, gravado e distribuído por um membro da oposição que pediu para que o local onde a gravação foi feita não fosse revelado. Na gravação, o ex-funcionário do governo disse que estava se “juntando à revolução dos que rejeitam a injustiça e a campanha brutal do regime que está tentando esmagar a demanda do povo por liberdade e dignidade”. Hussameddin também condenou o apoio da Rússia e da China ao presidente sírio, Bashar al-Assad, chamando-os de “parceiros no assassinato do povo sírio”.

O ex-vice-ministro disse que trabalhou para o governo sírio por 33 anos. No vídeo, Hussameddin indicou que acredita que o governo sírio irá “caçar” sua família e destruir sua casa como retaliação. De acordo com a BBC, a potencialmente significativa deserção, pode ser o primeiro sinal de uma mudança mais ampla da lealdade de pessoas próximas a Assad, ou pode ser simplesmente um incidente isolado.

O Washington Post lança luz sobre porque as implicações da renúncia de Hussameddin estão tão incertas: um ano depois que as revoltas começaram no país, os observadores internacionais (incluindo a comunidade de inteligência dos EUA) parecem saber pouco sobre o país.

O Washington Post divulgou detalhes de transferências externas de milhões de dólares por sírios da elite que possuem vínculos com Assad. A confusão é sintomática e abrange, inclusive, a força de inteligência do país. O presidente do Comitê da Câmara dos EUA, Mike Rogers disse ao jornal que a inteligência síria é uma “mistura heterogênea”, e que a informação confiável “vem e vai”.

Enquanto isso, o presidente Barack Obama pediu para analisar quais são as opções militares para a Síria. As informações são de dois funcionários do Pentágono. O The New York Times observa que a administração pretende manter seu compromisso anterior de resolver a crise na Síria sem força militar.

Fontes:
Slate - Top Syrian Official Defects to Opposition

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *