Início » Brasil » População carcerária representa 171,9% da capacidade dos presídios brasileiros
Superlotação carcerária

População carcerária representa 171,9% da capacidade dos presídios brasileiros

Revista 'Economist' faz ranking de países de acordo com a superlotação das instituições carcerárias. Veja dados específicos sobre o Brasil

População carcerária representa 171,9% da capacidade dos presídios brasileiros
Brasil ocupa sétimo lugar da lista (Reprodução/Internet)

A revista Economist publicou nesta quinta-feira, 1º, um gráfico analisando o problema da superlotação em prisões ao redor do mundo. O ranking foi feito com base em dados do Centro Internacional de Estudos Carcerários (ICPS, na sigla em inglês). O Brasil, onde há 548.003 detentos, segundo dados do Departamento Penitenciário Nacional de dezembro de 2012, aparece em sétimo lugar no ranking, atrás de países como Haiti, Irã e Paquistão. O gráfico da Economist mostra que o nível de ocupação das prisões no Brasil está em 171,9%. Isso significa que ultrapassa em 71,9% a lotação máxima permitida.

Há dados mais precisos sobre a situação carcerária no Brasil no site do Centro Internacional de Estudos Carcerários (ICPS). De acordo com o ICPS, a população carcerária do Brasil é estimada em 274 detentos para cada 100 mil habitantes, taxa considerada alta para um país com apenas 1.478 instituições carcerárias. Incluímos a tabela do ICPS com a análise da situação carcerária no Brasil logo abaixo do gráfico da Economist.

Fontes:
The Economist-Locked up tight
ICPS-World Prision Brief

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    Não por mero acaso, entre os países que aparecem nessa pesquisa com índices de ocupação carcerária abaixo de sua capacidade estimada, figuram Japão, Suécia, e Alemanha, países que, sabidamente, investem intensamente na educação de base; eis portanto uma prova empírica da frase de Pitágoras: “Eduquem as crianças e não será necessário castigar os homens”

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *