Início » Brasil » Por votos, Cunha já atua para afagar bancada evangélica
Coluna Esplanada

Por votos, Cunha já atua para afagar bancada evangélica

O líder do PMDB na Câmara fará nova tentativa de conquistar votos que possam alçá-lo à Presidência da Casa em fevereiro

Por votos, Cunha já atua para afagar bancada evangélica
Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara (Fonte: Reprodução/Uol)

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, fará nova tentativa de conquistar votos que possam alçá-lo à Presidência da Casa em fevereiro. Cunha prometeu levar à reunião de líderes hoje o pedido de urgência na votação do PL 1057, do deputado Henrique Afonso (PV-AC). O projeto fecha o cerco à FUNAI e cobra à entidade posições firmes contra o infanticídio e violência contra mulheres em aldeias indígenas — uma demanda antiga da bancada evangélica, que conta com mais de 70 deputados. Os índios são inimputáveis e os relatos de violência em várias etnias incomodam os parlamentares.

Neutralidade

Atualmente, a FUNAI informa que não pode interferir em casos de abuso sexual, pedofilia, maus tratos, estupro, infanticídio, etc porque ‘é a cultura dos índios’.

Crimes

Há relatos de casos seguidos de infanticídio — o cacique, por motivações espirituais, decide se o recém-nascido deve viver — e maus tratos contra os nativos idosos.

Abuso coletivo

O abuso sexual de adolescentes é o caso mais corriqueiro, em várias etnias. Há aldeias em que a menina é estuprada por vários homens quando menstrua pela primeira vez.

Refúgio

Em Brasília há 16 crianças de diferentes etnias protegidas pela entidade Atini – Voz pela Vida. Elas seriam assassinadas ou abusadas sexualmente.

Cacique Quatro Rodas

Esse PL sobre a cultura indígena remete a caso tragicômico revelado pela Coluna em setembro de 2013. Um cacique, cujo filho foi assassinado por um funcionário da FUNAI (também índio), perdeu a mulher, que morreu de desgosto. Ele escreveu carta para a FUNAI dizendo que só uma coisa o salvaria também da morte por depressão e o deixaria feliz: queria ganhar uma Hilux 4×4 zero km, para ajudar a sua aldeia…

Novo DG

A presidente Dilma já tem a lista tríplice enviada pelos delegados federais para a escolha do futuro diretor-geral da PF: Roberto Troncon, superintendente em São Paulo; Sérgio Fontes, diretor de Gestão de Pessoal; Sérgio Menezes, superintendente MG.

Segurança máxima

O juiz federal Sério Moro teve a segurança pessoal reforçada. Ele está mandando a granel para cadeia os maiores bandidos de ‘colarinho branco’ do País numa operação histórica da PF e da Justiça Federal.

Lula-Cuco

Foi-se o tempo em que era unanimidade. O ex-presidente Lula ganhou apelido entre os taxistas de SP: Cuco de Relógio. É o que só aparece na hora certa, e depois se esconde.

Cabra-macho, mas…

O senador governista Vital do Rego (PMDB-PB) é cabra-macho: aguenta pressão do PT, da Petrobras, segura a barra da CPI contra a oposição. Mas entregou os pontos com o lobby do movimento católico ProVida de Brasília e retirou um projeto de tramitação.

…engavetou

A pedido de grupos feministas e entidades GLBT, Vital é autor de um projeto que tipifica como crime qualquer tipo de manifestação homofóbica contra gays. O projeto foi ontem para a gaveta após pressão da entidade e dos colegas evangélicos.

Calma, gente

Numa manifestação neste fim de semana em Brasília contra a corrupção, centenas de pessoas entoaram a canção militar Fibra de herói, tradicionalmente cantada pelo Comando de Caça ao Comunistas no regime militar.

Pobres velhinhos

O MP do DF vai apresentar a segunda edição do “Mapa da Violência contra a Pessoa Idosa no Distrito Federal”. O número de denúncias saltou de 2.089, em 2012, para 3.052, em 2013, um aumento de 46%. Na quinta haverá um seminário sobre o tema.

Vásquez

Não está bem de saúde o candidato a presidente do Uruguai pela situação, Tabaré Vásquez. Seu opositor é um jovem empresário de direita, que sobe nas pesquisas.

Fui ali

O presidente da comissão de relações exteriores do Senado, Ricardo Ferraço, emendou uma agenda a trabalho nos Estados Unidos e Emirados Árabes por duas semanas.

Ponto Final

O Brasil — governo e cidadãos — deve ficar mais atento às convulsões sócio-políticas eleitorais dos países vizinhos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *