Início » Brasil » Preços médios caem e animam interessados em comprar ou alugar
Economia

Preços médios caem e animam interessados em comprar ou alugar

Crise econômica se reflete no setor imobiliário com queda nos preços de venda e aluguel de imóveis

Preços médios caem e animam interessados em comprar ou alugar
Este atual panorama do setor é favorável para quem deseja alugar um imóvel (Foto: Pixabay)

A crise econômica do país vem afetando o setor imobiliário e derrubando os preços de venda e aluguel de imóveis. Só nos últimos 12 meses no Brasil, o  valor médio para locação teve uma queda considerável, de aproximadamente 8%, registrando valores abaixo da inflação pela 13ª vez consecutiva. A taxa de aluguel em março deste ano teve alta de 0,16% em comparação com a taxa de inflação, que subiu 0,71% no mesmo mês.

Este atual panorama do setor é favorável para quem deseja alugar um imóvel, principalmente nas cidades em que o valor médio do aluguel tem apresentado uma queda em relação à inflação com mais ênfase, como por exemplo, Curitiba – que registrou redução de 1,32%, e Porto Alegre, com queda de 3,95%.

Já as outras cidades pesquisadas pelo Censo apresentaram uma pequena alta, mas ainda assim se mantiveram abaixo da inflação, entre elas Brasília (4,64%), Salvador (3,74%), Campinas (3,73%), São Bernardo do Campo (1,82%), Santos (1,26%) e São Paulo (0,59%).

Ao comparar os preços de venda e locação de imóveis no Agente Imóvel, o investidor tem uma ideia geral da rentabilidade gerada por cada um e neste caso acaba sempre optando pela locação, gerando assim um índice no qual podemos observar a atividade do mercado imobiliário.

Estudos apontam que, no ano de 2015, o aluguel gerou um retorno de aproximadamente 4,9%, refletindo no preço médio do metro quadrado em R$34,00. Cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, na contrapartida, apresentaram os maiores valores dentre as nove cidades pesquisadas – R$41,00 e R$38,00, respectivamente -, e a cidade de Curitiba foi a que apontou o aluguel mais barato, R$16,00 referente ao metro/mês.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *