Início » Brasil » Promotor do caso Queiroz deixa investigação
MP-RJ

Promotor do caso Queiroz deixa investigação

Cláudio Calo disse que deixa investigação por questão 'de cunho pessoal'

Promotor do caso Queiroz deixa investigação
O senador Flávio Bolsonaro (direita) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz (Fonte: Reprodução/Facebook)

Em nota divulgada nesta terça-feira, 5, o promotor Cláudio Calo, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), informou que deixará a investigação envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz, um dia após ser nomeado como responsável pelo caso.

O caso deve ser assumido por um novo promotor até o fim desta semana. Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz foram citados em um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) por movimentações bancárias atípicas.

Cláudio Calo afirmou que, “após profunda reflexão jurídica, em respeito à imagem do MP-RJ e às investigações, até mesmo diante da repercussão que o episódio vem tendo na mídia, juridicamente entendi ser mais oportuno que a investigação sobre o senador Flávio Bolsonaro seja conduzida pela Promotoria de Justiça de Investigação Penal tabelar. Não se trata de declínio de atribuição, pois a atribuição, como se sabe, é da 24ª PIP, mas trata-se de questão de cunho pessoal”.

O promotor afirmou, em um documento de 16 páginas enviado ao Procurador-Geral, onde notificava sua saída do caso, que teria se encontrado com Flávio Bolsonaro, para discutir sobre questões relacionadas à segurança pública, após o mesmo ter sido eleito como senador. Calo relatou que “apesar de não ser amigo ou inimigo de nenhuma pessoa mencionada nos autos, entende ser impertinente presidir esta investigação”. Além do encontro, o promotor também admitiu seguir Flávio Bolsonaro em suas redes sociais e que compartilha postagens do mesmo.

Na nota, o promotor cita o encontro que teve com o senador Flávio Bolsonaro no dia 30 de novembro em uma reunião de amigos. “Por volta das 11h, amigos deste Promotor de Justiça, que estudaram Direito na mesma sala do referido parlamentar em uma universidade privada no Rio de Janeiro, promoveram um encontro pessoal com o referido parlamentar, a fim de tratar exclusivamente de questões relacionadas com a Segurança Pública, precisamente com o combate à corrupção e o combate à lavagem de capitais, assim como projetos de leis relacionados com crimes contra Administração Pública e lavagem de capitais, tendo, inclusive, no referido encontro, o subscritor da presente sugerido ao referido parlamentar, dentre várias outras sugestões, o aumento das penas mínima dos crimes que causam lesão ao erário, assim como dificultar a progressão de regime de cumprimento de pena”, escreveu o promotor.

Fontes:
G1 - Promotor abre mão de investigar senador Flávio Bolsonaro e MP-RJ vai designar novo responsável para o caso

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *