Início » Brasil » PT: quem tem Cid Gomes como amigo não precisa de inimigos
ELEIÇÕES 2018

PT: quem tem Cid Gomes como amigo não precisa de inimigos

Em plena reunião com apoiadores do partido, em Fortaleza, o aliado jogou água na fervura da campanha de Fernando Haddad (PT)

PT: quem tem Cid Gomes como amigo não precisa de inimigos
A frase de Cid correu as redes sociais e trouxe um abalo sísmico à campanha de Haddad (Foto: Fabio Pozzebom/ABr)

As lideranças petistas que cuidam da campanha de Fernando Haddad devem estar pensando que quem tem um amigo como Cid Gomes não precisa de inimigos. Ao pronunciar a frase “Lula tá preso, ô babaca” em plena reunião com apoiadores do partido, na noite de segunda-feira, 15, em Fortaleza, o aliado jogou água na fervura ao cobrar um mea culpa do partido que cometeu graves erros nos últimos anos e, principalmente, na campanha presidencial.

A frase de Cid correu as redes sociais e trouxe um abalo sísmico a uma campanha que convive com a ideia de uma derrota tão fragorosa quanto iminente na reta final do segundo turno. O irmão de Ciro Gomes foi além. Resolveu lavar toda a roupa suja diante da militância inflamada pelas críticas à estratégia de campanha no momento em que petistas cortejavam o PDT do senador eleito e de seu irmão – candidato a presidente, derrotado no primeiro turno com vistas a uma aliança de esquerda.

A fala de Cid Gomes teve efeito devastador. Como o grande fato da semana, fez esquecer em parte as cobranças para que o colostomizado Jair Bolsonaro participe dos debates de televisão e trouxe ao PT a certeza de que está só entre as esquerdas na luta contra a direita.  O fato de Ciro Gomes ter viajado para fora do país logo após o primeiro turno e sua resistência em se aliar a uma campanha claudicante trazem aos companheiros de Haddad a desconfiança de que, em eventual vitória de Bolsonaro, será impossível até mesmo a formação de uma frente de oposição ao governo que virá.

Para Cid, Haddad é o menos ruim

Na tarde de terça-feira (16), Cid ainda tentou amenizar o tom de sua fala: “Comparei os dois nomes que estão no segundo turno. Para o Brasil, o ‘menos ruim’ é o Haddad. Por isso, penso que seria melhor que ele ganhasse”. Mas o estrago, definitivamente, já estava feito.

Articulador experiente nas hostes petistas, o senador eleito pela Bahia Jacques Wagner tentou apagar o incêndio, mas chegou tarde. Nem para o rescaldo foi possível. Tudo indica que do PDT os petistas nada obterão. Ciro Gomes já disparou para a corrida presidencial de 2022. Há quem diga – dentro do PT – que o destempero de Cid, o sumiço de Ciro e a habitual ‘desconversa’ do presidente do PDT Carlos Lupi são evidentes sinais de que o partido um dia criado por Leonel Brizola está fora.

Do outro lado do incêndio, um dos principais aliados de Bolsonaro confirma que a participação em debates está fora de questão. Em depoimento tão direto quanto escatológico, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), provável chefe da Casa Civil em caso de vitória do candidato do PSL, disse que uma pessoa que se submete a uma colostomia tem flatulências e fede. E, convenhamos, Bolsonaro não vai querer cheirar mal em rede nacional.

Além de todas as surpresas do primeiro turno, estas eleições provaram, por exemplo, que se o tempo de TV – graças a diversas coligações – fosse tão importante, Geraldo Alckmin deveria estar no segundo turno. E mais, se a participação em debates fosse tão fundamental, Bolsonaro sucumbiria ao Cabo Daciolo.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Regina disse:

    Esse Cid Gomes e o irmão Ciro são muito mal educados.

  2. BS disse:

    O Lula está preso e assim ficará por muitos anos. Com a emibente vutória do Bolsonaro, o clima em Brasília muda e não vai ter juiz nem ministro disposto a mandar esse corrupto pra casa.

  3. Roberta disse:

    Fogo amigo. Hoje se estapeiam. Daqui a pouco se unem.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *