Início » Brasil » Quase 50% da nova Mesa Diretora é alvo de inquéritos no STF
CÂMARA DOS DEPUTADOS

Quase 50% da nova Mesa Diretora é alvo de inquéritos no STF

Dos 11 integrantes da Mesa Diretora da Câmara, cinco são investigados no STF por acusações que vão de corrupção à tentativa de homicídio

Quase 50% da nova Mesa Diretora é alvo de inquéritos no STF
Além disso, oito dos 28 líderes partidários da Casa têm denúncias no STF (Foto: EBC)

Quase metade dos parlamentares que compõem a nova Mesa Diretora da Câmara responde a inquéritos e ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF) por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro, fraude contra a Lei de Licitações, compra de votos, tentativa de estupro e assassinato.

Os dados são de um levantamento do Congresso em Foco. Segundo o site, dos 11 integrantes da Mesa Diretora da Câmara, cinco são investigados no STF. Além disso, dos 28 líderes de partido na Casa, ou seja, a cúpula da Câmara, oito têm denúncias em tramitação no tribunal.

Os integrantes da Mesa Diretora da Câmara alvos de inquérito são: o 1º vice-presidente da mesa, Fábio Ramalho (PMDB-MG); o 2º vice-presidente, André Fufuca (PP-MA); o 4º secretário, Rômulo Gouveia (PSD-PB); o 1º suplente, Dagoberto (PDT-MS); e o 2º suplente, César Halum (PRB-TO) .

Ramalho responde a um inquérito por crime contra a administração pública por ter atuado, em 2011, em conjunto com o ex-governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), na época diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para favorecer uma empresa farmacêutica mineira. Já Fufuca, de apenas 27 anos, responde por compra de votos e corrupção eleitoral.

Gouveia responde por crime contra a Lei de Licitações. O processo se estende desde 2001, migrando da Justiça Estadual para o STF de acordo com o cargo ocupado pelo deputado. Ele é referente à época em que Gouveia era vereador e presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba.

Entre os suplentes, Dagoberto é réu na Ação Penal 917 por peculato e crimes contra o sistema financeiro; e César Halum é investigado por peculato, falsidade ideológica e corrupção passiva.

Já os oito líderes de governo da Câmara com denúncias no STF são: André Moura (PSC-SE), José Guimarães (PT-CE), Arthur Lira (PP-AL), Aelton Freitas (PR-MG), Weverton Rocha (PDT-MA), Alfredo Kaefer (PSL-PR), Luis Tibé (PTdoB-MG), e o Pastor Marco Feliciano (PSC-SP).

Moura responde a quatro inquéritos: o inquérito 4327 (por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha), o inquérito 3224 (por associação criminosa e acusação de irregularidades em processos licitatórios), o 3905 (referente à acusação de tentativa de homicídio feita por um adversário político com o qual rompeu politicamente após anos de aliança), e o inquérito 3905, (por crime contra a Lei de Licitações e peculato). Além disso, é alvo do inquérito 4231, que faz parte da Operação Lava Jato, no qual é acusado de atuar em conjunto com aliados de Eduardo Cunha para obter propina de empresas.

Guimarães é alvo dos inquéritos 4259 e 2994, ambos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Freitas é alvo do inquérito 3844 por lavagem de dinheiro. Rocha responde aos inquéritos 3394 e 3621, o primeiro por desvio de verba por meio de contratação irregular de Ongs; o segundo por crime contra a Lei de Licitações.

Lira responde a quatro inquéritos: 3989, 3980, 3996, 3515 e 3911, que apuram crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e formação de quadrilha. Além disso, na quinta-feira, 16, ele e seu pai, Benedito Lira, tiveram R$ 10,4 milhões em bens em bens bloqueados pela Justiça por conta de uma ação movida no âmbito da Lava Jato na qual ambos são acusados de se beneficiarem do esquema de desvio de verba da Petrobras.

Feliciano é alvo dos inquéritos 4312 e 3646, um por contratação irregular de assessores, outro por tentativa de estupro. Este último ainda é alvo de controversa. Ele foi movido por uma jornalista de 22 anos que acabou caindo em contradições em depoimentos e passou a ser acusada de tentar tirar proveito financeiro da situação. Ela responde por extorsão e denúncia caluniosa, por ter mentido quando disse que foi mantida em cárcere privado em um quarto de hotel. Ambos ainda são investigados.

Tibé responde aos inquéritos 3500, por falsificação de documento público para fins eleitorais, e 3744, por peculato. O campeão da lista é Kaefer, com seis inquéritos e uma Ação Penal. Ele é alvo dos inquéritos 4347 (por fraude no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, no âmbito da Operação Zelotes); 4345, 3809, 4304 (os três por crime contra a ordem tributária); 4298 (por crime contra a Lei de Falências); e 3678 (por crime contra o patrimônio público). Ele também responde à Ação Penal 892, por crime contra o sistema financeiro nacional e formação de quadrilha.

Além dos citados, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é citado na delação da Odebrecht, e é acusado de ter recebido R$ 1 milhão em propina da OAS.

Fontes:
Congresso em Foco-Acusações contra a cúpula da Câmara vão de corrupção a tentativa de assassinato e estupro

3 Opiniões

  1. Beraldo disse:

    É muita cara de pau!

  2. carlos alberto martins disse:

    não temos como renovar o quadro politico do Brasil,se,os srs candidatos aos cargos públicos,são treinados dentro de seus partidos como enganar o povo em suas promessas de ser honestos e cumpridor de suas promessas.está na hora de irmos as ruas para tirar esses vagabundos e estelionatários do poder colocando-os no porões de nossas penitenciarias até o ultimo suspiro de cada um.enquanto o povo não sentir dentro de sí o halo de patriotismo por nossa bandeira,nosso hino e o sólo em que vivemos,seremos verdadeiros perdedores de nossa dignidade.

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    O humorista José de Vasoncelos (falecido) em um de seu shows disse: A UMA PALAVRA QUE DIZ: RENOVAR O MORRER e respondeu VAMOS RENOVAR. é o que falta no país consciência para renovar. continuar com esses ladro~es nunca será renovada.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *