Início » Brasil » Quem tem medo da ‘pílula anticâncer’?
TENDÊNCIAS E DEBATES

Quem tem medo da ‘pílula anticâncer’?

Sem registro na Anvisa, fosfoetanolamina sintética não pode ser considerada um medicamento

Quem tem medo da ‘pílula anticâncer’?
Fosfoetanolamina atualmente só é obtida mediante liminar judicial (Fonte: Reprodução/Anvisa)

A luta de pacientes com câncer ganhou força recentemente com a notícia de uma “pílula” que supostamente combate e até mesmo cura a doença. Trata-se da fosfoetanolamina sintética, uma substância desenvolvida há mais de 20 anos por pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC), da USP.

Mas, ao contrário do que se poderia supor, a (boa?) notícia tem se transformado em um peso a mais para muitos que enfrentam a árdua batalha contra o câncer. Isto porque a fosfoetanolamina não tem registro na Anvisa, o que significa que não foram realizados os testes clínicos necessários para comprovar a sua eficácia e, desta forma, a substância não pode ser considerada um medicamento. Na prática, isto quer dizer que a fosfoetanolamina não pode ser comprada nas farmácias, não tem bula com orientações sobre eventuais reações adversas, e, pior, atualmente só é obtida mediante liminar judicial — e mesmo assim é preciso entrar na fila de espera pela substância.

Procurada pela reportagem do Opinião e Notícia, a Anvisa reiterou sua posição oficial, afirmando que “antes de qualquer medicamento ser disponibilizado para uso no Brasil, é necessária a avaliação de ensaios clínicos. Essa análise tem por finalidade atestar a eficácia e a segurança do produto que será registrado como medicamento no país”.

Ainda de acordo com a Anvisa, no caso da fosfoetanolamina, a agência “não recebeu qualquer pedido de avaliação para registro desta substância, tampouco pedido de pesquisa clínica, que é a avaliação com pacientes humanos. Isto significa que não há nenhuma avaliação de segurança e eficácia do produto realizada com o rigor necessário para a sua validação como medicamento”.

Em entrevista ao Opinião e Notícia, o médico oncologista Rodrigo Leijoto ressalta que a fosfoetanolamina é uma substância que foi testada mesmo apenas em ratos: “ainda não temos um estudo completo, com todas as fases necessárias, para determinar sua eficácia e, principalmente, se ela é segura. Não sabemos se ao invés de ajudar, estamos colocando em risco a vida dos pacientes”.

Apesar de inúmeros relatos de pacientes que se dizem até mesmo curados após iniciarem um tratamento experimental com a fosfoetanolamina, Leijoto diz que acha “difícil uma substância ser eficaz contra todos os tipos de câncer”. Ainda de acordo com o oncologista, “a cada dia temos mais certeza de que dentro de um mesmo tipo de neoplasia, cada paciente reage de uma maneira. Podemos utilizar o exemplo de duas pacientes com câncer de mama com as mesmas características e com comportamentos completamente diferentes. Mesmo com o mesmo tratamento terão respostas diferentes. A biologia é diferente. Cada vez mais os tratamentos são personalizados e tentamos ter um alvo específico para cada paciente, para cada célula”.

Em uma audiência pública no Senado, o principal pesquisador da suposta “pílula anticâncer”, o professor de química aposentado Gilberto Chierice, afirmou, no entanto, que a fosfoetanolamina foi sim testada em humanos. O teste teria sido realizado pelo hospital Amaral Carvalho de Jaú, no interior paulista, seguindo regras do Ministério da Saúde, quando a Anvisa ainda não existia.

Chiriece disse ainda que os documentos que comprovam a pesquisa estariam com o hospital. Procurados por uma reportagem do Portal Uol, o hospital e o ministério afirmaram, por sua vez, que desconhecem qualquer teste clínico com a substância.

Em uma tentativa de solucionar a polêmica, o Ministério da Saúde criou um grupo de trabalho para apoiar os estudos clínicos da fosfoetanolamina, a fim de verificar se ela “é ou não eficaz e por fim a essa celeuma”. A pasta recomenda, entretanto, que os pacientes não utilizem a substância “até que os estudos sejam concluídos”.

Em nota, a USP afirmou que a “fosfoetanolamina foi estudada de forma independente pelo Prof. Dr. Gilberto Orivaldo Chierice” e que “chegou ao conhecimento do IQSC que algumas pessoas tiveram acesso à fosfoetanolamina produzida pelo citado docente (e por ele doada, em ato oriundo de decisão pessoal) e a utilizaram para fins medicamentosos”. A produção da substância, que era distribuída gratuitamente por Chierice e sua equipe, no entanto, foi interrompida no ano passado em virtude do que dispõe a legislação federal sobre drogas com a finalidade medicamentosa.

Mas centenas de pessoas conseguiram na Justiça liminares obrigando a universidade a continuar distribuindo a fosfoetanolamina sintética. Apesar disso, o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo autuou, no último dia 28, o IQSC pela produção da substância.

Em meio a toda esta confusão estão os pacientes e seus familiares, muitas vezes em busca de um milagre para um estágio já avançado de câncer. Alguns estão deixando os tratamentos convencionais de lado, substituindo-os pela ingestão da fosfoetanolamina. Para o oncologista Rodrigo Leijoto, a postura destas pessoas é equivocada: “acho muito arriscado e perigoso, pois temos um tempo precioso para realizar o tratamento, e se perdermos o tempo certo o paciente pode ter perdido a oportunidade de aumentar seu tempo de vida ou até ficar livre da doença”.

Em entrevista ao portal G1, o pesquisador Gilberto Chierice explicou que, com a ingestão das cápsulas de fosfoetanolamina, as células cancerosas são mortas e o tumor desaparece entre seis e oito meses de tratamento. O pesquisador ressalta, entretanto, que o período pode variar de acordo com cada sistema imunológico.

Na última quinta-feira, 5, Chierice afirmou à GloboNews que mais de 40 mil pessoas já tomaram a fosfoetanolamina e muitas ficaram curadas. Ainda de acordo com o pesquisador, alguns médicos que se recusam a indicar a substância aos seus pacientes já o procuraram após terem familiares com o diagnóstico de câncer.

Também em entrevista à GloboNews, Gustavo Fernandes, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia, destacou que dezenas de moléculas promissoras não se comprovaram como medicamentos, por isso a necessidade de cumprir todos os procedimentos oficiais para atestar a segurança e a eficácia da fosfoetanolamina.

Há quem acredite em um complô do setor farmacêutico para encobertar a descoberta da cura do câncer, uma vez que cada cápsula de fosfoetanolamina é produzida por menos de R$ 0,10. Há, por outro lado, quem acredite em oportunismo dos pesquisadores envolvidos. Há quem condene a criação do mito de uma droga milagrosa. Há ainda quem fale em efeito placebo, em que a esperança na substância traz efeitos positivos. Há também quem diga que qualquer relato de melhora por causa da substância deve ser visto apenas como uma percepção e nada mais. Há, enfim, pessoas que querem ter o direito de tentar. Podemos negar?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

28 Opiniões

  1. Nelia Maria Richa disse:

    Se existe a possibilidade de cura por que nao pesquisar logo? Acho que essa droga merece ser avaliada o quanto antes.

  2. Marcelo Nascente Gomes disse:

    A fase de pesquisa deste medicamento já foi realizada, inclusive com exames que comprovam a não toxidade do mesmo. O que está faltando é a fase final, de testes clínicos que, infelizmente, somente podem ser requisitados por hospital ou clínica credenciados à Anvisa. É justamente nesse ponto que surge o impasse: parece que nenhum hospital ou clínica se propõe a requerer o início dos testes clínicos dessa substância junto à Anvisa. A Fiocruz se prontificou, mas exigiu a patente, o que fez gerar dúvidas a respeito do destino de todo o trabalho realizados pelos pesquisadores, donos da patente. O teor das decisões judiciais é que, considerando o trabalho de pesquisa já realizados e comprovada a melhora significativa de pacientes testados em fase terminal da doença, o simples fato de não ter o registro da Anvisa não impede que o medicamento seja distribuído à população, razão porque se autoriza e se determina essa distribuição (em homenagem ao princípio do direito à vida). Esse pesquisadores já estiveram no Senado Federal e expuseram toda a questão, mas a questão não é legal. Penso que a questão se resolverá juridicamente, com a determinação de que alguma entidade (certamente a USP) realize os testes clínicos necessários à regulamentação e distribuição desse medicamento com a urgência que o caso requer.

  3. Cleber Tinoco disse:

    Relatos de pacientes que usaram a fosfoetanolamina para tratamento de câncer e pediram na Justiça a manutenção do seu fornecimento:

    “…visando ao fornecimento da substância Fosfoetanolamina sintética, sob o fundamento de que tem 71 anos de idade e, com aproximadamente 50 anos de idade, foi diagnosticada com câncer de útero, tendo se submetido a várias cirurgias na tentativa de melhorar sua qualidade de vida, todas sem sucesso. Em 2008 foi diagnosticada com câncer de mama, sendo necessária nova cirurgia para retirada de parte da mama e de diversos linfonodos na axila esquerda e braço, bem como tratamento de quimioterapia e radioterapia. Já no ano de 2013 o câncer surgiu na tireoide. No ano de 2014, após a realização do exame “petscan” constatou-se a ocorrência de metástase em diversos órgãos e tecidos, tais com fígado, pulmão, ossos da bacia, sacro e fêmures, coluna cervical, mamas, axilas e mediastino. Relata ter realizado dezoito sessões de quimioterapia e dez de radioterapia, contudo não obteve melhor em seu quadro clínico e laboratorial. Relata, ainda, que em fevereiro de 2015, começou a usar a Fosfoetanolamina sintética, sendo que, no terceiro mês de uso da substância notou uma expressiva melhora em seu quadro clínico: suas dores foram amenizadas, vários nódulos desapareceram, o tamanho dos tumores está reduzindo, além de impedir novas metástase.” (http://www.jusbrasil.com.br/diarios/95618357/djsp-judicial-1a-instancia-interior-parte-iii-13-07-2015-pg-1341)

    “…padece de Câncer de intestino com metástase no fígado e pulmão, passando por intervenções cirúrgicas e sessões de quimioterapia. Informa que, em maio de 2014, iniciou o tratamento com a Fosfoetanolamina Sintética e já de imediato sentiu melhora nos sintomas da doença, pois as dores, os sangramentos, diarreia, vômitos e falta de ar praticamente cessaram, ficando bem mais disposto fisicamente. Informa que o tratamento quimioterápico foi contraindicado pelo médico …, o qual prescreveu o uso da aludida substância, ante a grande melhora em seu quadro clínico.” (http://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/166951453/andamento-do-processo-n-1001076-7120158260566-do-dia-11-02-2015-do-djsp)

    “…diagnosticado com câncer no pulmão com metástase na coluna e nos ossos (neoplasia maligna), já em estado avançado, com ramificações pelo corpo, não havendo mais o que a medicina fazer diante da evolução da doença. Faz uso da substância Fosfoetalomina há algum tempo e notou notou uma expressiva melhora em seu quadro clínico…” (http://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/209753532/andamento-do-processo-n-1007065-5820158260566-procedimento-ordinario-17-07-2015-do-tjsp)

    “… visando ao fornecimento da substância Fosfoetanolamina sintética, sob o fundamento de que padece de Neoplasia de Pâncreas (CID C 25) e, em razão de sua idade avançada (83 anos), não foi possível se submeter a tratamentos ordinários, tais como quimioterapia e radioterapia. Relata que desde a descoberta do câncer foi internado por diversas vezes com complicações decorrentes de seu quadro clínico, como anemia, perda de peso, debilidade motora e infecções devido à baixa imunidade, mas, em 29 de abril de 2015, iniciou o tratamento com a Fosfoetanolamina Sintética e, de imediato, teve sensível melhora em todos os seus exames laboratoriais, inclusive sendo desnecessárias novas internações.” (http://www.jusbrasil.com.br/diarios/95050748/djsp-judicial-1a-instancia-interior-parte-iii-03-07-2015-pg-1338)

    A íntegra da audiência pública realizada pelo Senado Federal pode ser conferida neste vídeo divulgado no youtube, a partir do minuto 21: https://www.youtube.com/watch?v=jLX0_bT8Gh0

  4. Eldecir Lima disse:

    Já ouviram falar no DR.Genésio e sua vacina reumática.
    investiguem.

    Veja link abaixo.

    http://curassecretas.blogspot.com.br/p/vacina-reumatica.html

  5. José Tomich furtado disse:

    Este caso da fosfoetanolamina, penso estar havendo um ataque a inteligência humana. Com diversos casos de cura e/ou melhora do quadro clínico dos pacientes com câncer, ainda se vê o debate sobre a substância. A obrigação do ministério da saúde é a urgente análise da substância, e comprovada sua eficácia, fabricação e distribuição via sus. Mas a impressão que este caso está passando é que por pressão da indústria farmacêutica leia – se “indústria do cancer” por razões monetárias óbvias, não querem a evolução das pesquisas desta substância, pois o custo conforme já divulgado é baixo 0,10 a cápsula. Perguntas sem resposta:
    Porque a usp não se interessou pela evolução dos estudos da substância???
    Porque tanta demora das autoridades em avaliar o assunto??? afinal se trata saúde pública.
    Lamentavelmente estamos diante do cruel capitalismo. Se esta substância tivesse apenas a possibilidade de tratar o câncer de forma a ser apenas mais um remédio continuo seria estudada e disputada pela indústria, mas como tem possibilidades de cura total da doença, não tem interesse. Preciso ser mais claro.

  6. Eldecir Lima disse:

    É vergonhoso como o Brasil trata seus cientistas, pior é saber que pesquisas como a fosfoetanolamina já poderia ter salvo muita gente. Outro exemplo de descaso é a não continuidade da vcina reumática do Dr. Genésio.

    Acesse o link abaixo.

    http://curassecretas.blogspot.com.br/p/vacina-reumatica.html

    Penso que nos dois exemplos deveriam fazer uma investigação profunda por parte da Polícia Federal, MPF, Senado e Câmara dos Deputados para se saber o porquê da não continuidade dessas pesquisas.

  7. Julia disse:

    Infelizmente, o cancer virou uma mina de dinheiro, com os tratamentos e medicamentos carissimos! Essa opcao por ser mais barata e nao estar ‘nas maos’ das grandes empresas farmaceuticas parece estar sendo ignorada, e so vai ser analisada se os donos da patente abrirem mao da propria. Muito triste que a coisa mais importante, a CURA ou o TRATAMENTO de uma doenca dessas seja foco de avareza e cobica dessas grandes corporacoes.

  8. Olivares Rocha disse:

    ZIMDUCK, vacina anti brucélica, AUTO-HEMOTERAPIA, óleo de copaíba, o uso da alcalinização no combate ao câncer, com simples bicarbonato de sódio…. E a lista não pára. Todos, tratamentos ou substâncias potencialmente curativas e/ou que evitariam muitas doenças. E isso, óbvio, não interessa ao lobby da indústria da doença. Quem investiria milhões de dólares pra comprovar que processos não patenteáveis, e que de tão baratos e fáceis são quase de graça, provocariam a perda de uma imensa clientela cativa por suas doenças tratáveis mas não curáveis???

  9. ney disse:

    E Anvisa é um órgão competente e confiável?

    Se for feito um feedback nas ações do governo( digo Os três poderes) e sua agencias vai ser uma calamidade publica.

  10. wevigton da silva siqueira disse:

    Se varias pessoas já utilizaram o medicamento, porque não se entrevistam algumas dessas pessoas na matéria jornalistica. O jornalismo bom é investigativo. Contra fatos não há argumentos. Assisti toda a sessão pública que ocorreu no senado no dia 29 de outubro 2015 e vi relatos científicos tanto em animais, como também depoimento de vários pacientes e médicos da aria de oncologia relatando a eficácia do composto fosfoetalonamina e nem um dos médicos ou supostos cientistas que são contrarios a droga foram dar a sua opinião ( por que será). Só sabe o que é cãncer quem o possui ou a família que sofre junto. Não acredito em teoria da conspiração, mais se ela existe que Deus tenha misericórdia dessas pessoas, pois estão cometendo assassinato com requinte de crueldade.

  11. Francisco Deijacy disse:

    O fosfato de monoetanolamina ou fosfoetanolamina é um sal, produzido por uma reação de neutralização de uma base(monoetanolamina) por um ácido (ácido fosfórico). Por ser uma reação de síntese, é simples, não requer equipamentos especiais, apenas uma balança de precisão e reagentes de concentração conhecida. Para o controle de qualidade, apenas a titulação para saber se o sal está no ph certo. Mais monoetanolamina fica básico, mais ácido fosfórico fica ácido. Tem que ser proporção molar. mol por mol. Se o ácido fosfórico for 85%, que é a concentração do ácido comercial, pesamos 115 gramas e se a monoetanolamina tiver concentração superior a 99%, eu compro com 99,5%, então pesa-se 61 gramas. Mistura-se, ambos são líquidos, a reação libera calor e temos o sal. O resultado é o fosfato de monoetanolamina. Se sobrar um pouco de ácido fosfórico, não tem problema. Consumimos bastante isso na coca-cola e até agora, pelo que se saiba, não matou ninguêm. Quanto a monoetanolamina, é uma substância que se encontra nas membranas biológicas e nos fosfolipídios, um pouquinho a mais também não mata ninguém, mas o correto é fazer a titulação para ficar no PH 7,0. Eu tenho matérias primas que uso na fabricação de produtos de limpeza e higiene. Custa muito pouco produzir este sal. Gostaria de poder ajudar as pessoas com câncer. Minha mãe morreu com esta doença. Se eu tivesse conhecido esta substância antes, não teria o menor receio em produzir e oferecer pra ela. Tenho certeza que estasubstância não iria piorar a situação de um câncer que se espalhou muito rapidamente.
    Quem discrimina é porque não vive ou não viveu o desespero de se estar sentenciado. Qualquer coisa que signifique esperança é bem vindo. Eu gostaria de poder ajudar, mas tenho medo. Esse povo no poder pode fechar minha fábrica de produtos de limpeza e me mandar pra cadeia por fabricar medicamento sem autorização e sem controle de qualidade(este é o argumento). Os órgãos públicos estão a serviço dos poderosos, defendendo seus interesses. A vigilância sanitária é o cão de guarda dos barões dos medicamentos. Alegam qualquer coisa e já era. Se alguém se interessar em produzir, simplesmente não dão o alvará. O jeito é ficar clandestino. Comprar os reagentes, uma balança de precisão e fazer em casa.
    Boa sorte a todos!

  12. Gil disse:

    Quem conhece o Gilberto e suas pesquisas sabe da seriedade que envolve a fosfoetanolamina. Não há nenhuma lei acima da Vida. Por que discutir a legalidade do que legitimamente tem ação na cura….

  13. Alex disse:

    Entendo o fato de a ANVISA não aprovar o composto, mas como a própria ANVISA aprova um remédio para tratamento da mesma doença, cujo uma de suas composições é a Fosfoetanolamina? O remédio é o CAELYX.
    Veja a bula do CAELYX

  14. LUIZ disse:

    A reportagem não fornece a clareza necessária sobre o tema, os personagens envolvidos e os documentos comprovando que Hospitais e Institutos de Pesquisa de forma estranha e inesperada mostraram interesse e em seguida desistiram de conduzir os estudos clínicos. Alguns , inclusive negam o que ocorreu. A melhor reportagem até o momento, na minha opnião, foi a da REDE RECORD, onde é exibido documentos em papel timbrado e assinados, mostrando que tentaram até retirar dos pesquisadores a patente com assinatura de termo de confidencialidade. Por que um Instituto de Pesquisa renomado e público quer a patente de um produto mediante assinatura de termo de confidencialidade ??? A quem interessa que esta tecnologia não chegue a população brasileira? Estamos falando em tratamentos de quimioterapia e radioterapia que custam muito dinheiro ao SUS. Se a FOSFO demonstra eficácia, sem efeitos colaterais, sem sofrimento, sem alterar a rotina do paciente, então porque tanta celeuma. A medicação existe a 25 anos salvando vidas. Muitos seres humanos já usaram e estão vivos e felizes. Precisamos de mais estudos clinicos ? Porque não liberar o uso para aqueles que não obtiveram sucesso em tratamentos ditos convencionais?

  15. Márcia Cristina disse:

    Esse caso deveria ser resolvido com mais urgência , é a saúde pública que está sendo abordada se temos a solução para a cura do câncer porque deixar nossa gente a mercê de remédios fortíssimos que além de serem caríssimos causam sérios danos à saúde. Se for caso de se resolver juridicamente, porque não se resolve logo

  16. @filosofo4747 disse:

    Uma forma de destruir a indústria e o lobby farmacêutico, que são um câncer no exato sentido do termo, é os pesquisadores detentores de patentes formarem uma organização internacional de pesquisa e aplicação científica. Essa associação de pesquisadores deveria ter seus próprios laboratórios, convênios com hospitais universitários, assessoria jurídica e um protocolo de trabalho que excluísse intervenções de conglomerados farmacêuticos. Um dos objetivos seria manter a patente nas mãos do pesquisador/desenvolvedor. Outros objetivos interessantes seriam: divulgar e testar a validade de trabalhos desacreditados pelo lobby industrial; Modernização dos critérios de ensino e aprendizagem de ciência nas escolas, alçando a prática laboratorial e clínica a local de destaque na pesquisa médica.

    Existem pesquisas das quais não se fala por puro preconceito. Um exemplo é o MODELO DO PERIGO da Dra. Polly Matzinger, uma ex-coelhinha da Playboy e hoje uma cientista de ponta no estudo do Sistema Imunológico (SI). Em artigo apresentado em 1996 na revista Nature ela criticou o velho modelo de funcionamento do SI (Próprio e Não Próprio) e introduziu o conceito de resposta ao que é perigoso, destacando a função das células dendríticas na identificação do sinal de perigo (emitido por células em morte não programada) e na “instrução” das células T para fins de defesa imunológica.

    Em parte, o MODELO DO PERIGO explica bem o funcionamento da #fosfoetanolamina, pois ela se combina com os ácidos graxos e força a mitocôndria da célula cancerosa a funcionar, gerando uma descarga de proteínas que é entendida pelas células dendríticas como um sinal de perigo. Essas últimas, por sua vez, acionam as células T Citotóxicas com dois sinais para a resposta imunológica.

    Pesquisadores norte americanos e ingleses têm trabalhado em técnicas para supressão do segundo sinal da resposta imune, tendo relativo sucesso na produção de drogas imunossupressoras que chegam à esta “Terra de Santa Cruz” a valores altíssimos.

    O Trabalho de Chierice, Meneguello e Equipe vai num sentido diferente: forçar a própria célula cancerosa a emitir um sinal de perigo para que o SI a mate de forma programada. Magnífico!!!

  17. Valéria Gravina disse:

    Tenho um familiar que foi submetido ao tratamento quimioterápico, entretanto infelizmente o câncer está evoluindo. Após falar com seu médico sobre o uso da fosfoetanolamina sintética, este se mostrou bastante cético sobre sua eficácia, mas informou que, se este era o desejo da paciente, ele faria o pedido para que movêssemos uma ação judicial para a sua obtenção. Contudo, indagou-nos sobre a dosagem a ser escrita no pedido. Por favor, peço urgência para aquele que possa me responder, pois desejamos entrar com a ação ainda esta semana, pois os tribunais entrarão em recesso em função das festas de fim de ano.

  18. Katia disse:

    Tenho 53 anos, sou médica e apresento, há seis anos, um câncer de mama com metástases para pele, pulmões e todo o esqueleto. O sofrimento, meu e de minha família, é indescritível. Conheço as pressões da indústria farmacêutica, “de cadeira”. Os representantes vão ao consultório e, dependendo da índole do médico, pode-se conseguir de tudo, desde gratuidade para o próprio médico e família em eventos, jantares, shows até viagens internacionais com tudo incluído e mesmo percentuais de lucro sobre a medicação prescrita (depositado na própria conta do médico pelos laboratórios a título de “consultoria”. Hoje, me orgulho de nunca ter participado deste lodaçal, mas alguém acha que os oncologistas ou qualquer órgão governamental corrupto como a Anvisa vão abrir mão de tanto lucro a troco do bem da humanidade? Há inúmeros médicos que vivem exclusivamente dos percentuais do que ganham com a prescrição de quimioterapicos, sem ter nem mesmo consultório. Preciso de ajuda, rápido, pois estou morrendo. Já entrei com a liminar há vinte dias mas até agora, nada. Quem puder me ajudar, por favor, kgouvea7@gmail.com. Obrigada.

  19. Katia disse:

    Valeria Gravina, sou médica e a posologia da fosfoetanolamina e: uma drágea de 8/8h. Portanto, três vezes ao dia.

  20. Wellington Carlos disse:

    Falaram aqui no Dr. Genésio Pacheco da Veiga e sua vacina Antibrucélica. Pois bem eu fui diagnosticado em 2012 com uma doença autoimune chamada Síndrome de Sjögren que causou artrite nos meus joelhos além de outros terríveis sintomas e eu só podia me locomover com cadeira de rodas e com 9 meses eu já estava andando novamente e sem os terríveis sintomas e dores devido ao tratamento com essa vacina e estou assim até hoje. Atualmente meu pai está com câncer e metástase e a liminar dele já saiu e estamos aguardando a USP enviar as cápsulas. Hoje a vacina do Dr. Genésio foi regularizada e estará no mercado oficialmente agora em dezembro de 2015 (esta é a previsão) ele a comercializa através do telefone (27) 3261-0117 e também é o mês que ele completará 100 anos. A ANVISA tem que ser investigada pelos males que ela causou e ainda causa aos brasileiros e os seus diretores tem que ir para a cadeia. Viva a Fosfoetanolamina Sintética e a Vacina Antibrucélica estes merecem o Prêmio Nobel e todo o reconhecimento pelo bem que estão fazendo a HUMANIDADE…

  21. Eldecir Lima disse:

    12/11/2015 – 10h02
    Hoje, ainda a pouco na Câmara dos Deputados.

    Gilberto Orivaldo Chierice, professor e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), defendeu, em audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, o uso da substância fosfoetanolamina no tratamento contra o câncer.

    As conclusões do pesquisador foram confirmadas pelo chefe do Laboratório de Imunologia do Instituto Butantan, Durvanei Augusto Maria. “A fosfoetanolamina consegue matar células tumorais e não causa efeitos colaterais”.

  22. juvenal lucena disse:

    Como no Brasil não podemos confiar em nada que vem do Estado,(só na corrupção), também não acredito na ANVISA e assim como a indústria bélica vive da guerra; os políticos brasileiros da miséria humana e a corrupção; os traficantes do vício alheio; os laboratórios, os hospitais especializados também vivem dessa e de outras doenças. Vender remédios pela TV que não servem para nada a ANVISA permite, tudo não passa de ganância, afinal é o sistema. Pensem no pavor que os empresários ligados a essa imensa indústria têm desse remédio seria um desastre para suas finanças e seus iates, mansões e tudo mais, e no Brasil isso ainda é mais que óbvio.

  23. Valéria Gravina disse:

    A busca de todo paciente de câncer e seus familiares pela obtenção da fosfoetanolamina não é surpreendente pois isto se chama “esperança”. Mas por que acontece a pressão negativa de autoridades, imprensa, médicos, etc.? Por que não aceleram os estudos e pesquisas, uma vez que tal fato pode representar, além da cura dos pacientes, a redução de gastos de milhões de reais do sistema público de saúde? Será que talvez eles ganhem mais com a permanência da doença? Este fato é que me faz crer que existe sim a possibilidade da cura do câncer pela fosfoetanolamina. Não se pode acreditar que há mais de 15 anos a ANVISA e outras instituições, conhecedoras da possibilidade de cura da doença, não tenham iniciado as pesquisas. Por que o governador de São Paulo está fazendo pressão para que os tribunais neguem as liminares para obtenção da substância? São Paulo tem tanto problema … Hoje li uma notícia no G1: “Morre músico que conseguiu liminar para tomar fosfoetanolamina”. Se não lermos toda a reportagem, parece que ele tomou a substância, e não houve efeito. Lendo na íntegra, verificamos que mesmo com a liminar obtida, a substância somente chegaria ao seu poder em dezembro deste ano. Será que até o modo de escrever é proposital? Diante deste país que vivemos, de políticos imundos e de uma sociedade que em sua maioria, já tem no sangue a corrupção, não tenho como acreditar que eles querem a cura do câncer.

  24. Eldecir Lima disse:

    Prova da eficácia da fosfoetanolamina!Contra fatos não há argumentos
    ://www.youtube.com/watch?v=Gzzm-nrjfrA

  25. Eldecir Lima disse:

    Contra fatos não há argumentos.

    ://www.youtube.com/watch?v=gPUMrZ5ahLc

  26. Eldecir Lima disse:

    Pílulas de saber: Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos de Florianópolis vai testar a Fosfoetanolamina

    ht tp://d c.cli crbs.com.br/sc/estilo-de-v ida/noticia/2015/12/pilulas-de-saber-centro-de-inovacao-e-ensaios-pre-clinicos-de-florianopolis-vai-testar-a-fosfoetanolamina-4921897.html

  27. maria da piedade disse:

    qual a dosagem diária para o uso da fosfoetalamina?
    fazendo quimioterapia pode fazer uso da fosfoetalamina?

  28. maria da piedade santana disse:

    meu irmão é portador de Ca de laringe, a liminar para o uso da fosfoetalamina foi deferida, estamos aguardando a USP enviar. No momento ele faz quimioterapia, gostaria de saber se ele pode utilizar a fosfoetalamina e qual a dosagem diária ?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *