Início » Brasil » Recesso parlamentar esfriou clima de impeachment
POLÍTICA

Recesso parlamentar esfriou clima de impeachment

Dilma ganhou novo fôlego após o recesso parlamentar, mas ainda terá de enfrentar o desafio de recuperar a economia

Recesso parlamentar esfriou clima de impeachment
Dilma aproveitou o recesso parlamentar para reafirmar sua presença (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O mandato da presidente Dilma Rousseff ganhou novo fôlego para este ano. O fervor em torno do pedido de impeachment esfriou durante o recesso parlamentar, algo que o próprio vice-presidente Michel Temer admitiu em entrevista ao site G1. “O impeachment perdeu a força. A questão perdeu a consistência que tinha há algum tempo”, disse Temer.

Com os ânimos mais calmos, Dilma aproveitou o recesso dos parlamentares para reafirmar sua presença, reunindo-se com membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) e lançando um pacote para injetar R$ 83 milhões em crédito na economia.

No entanto, no âmbito econômico, o consenso parece distante e a oposição não parece disposta a concordar com as propostas da presidente. Entre as polêmicas está o corte de pensões e a volta da CPMF, medidas que visam aumentar a receita do governo e impedir um novo rebaixamento da nota de crédito do país.

Os partidos políticos podem ficar mais aptos a negociar após a pressão das eleições municipais de outubro. Mesmo assim, a rejeição às propostas ainda será forte, principalmente em relação à volta da CPMF.

O líder do PSB, Fernando Coelho Filho, disse que o retorno do imposto é inviável num momento em que a população sofre com desemprego e inflação de dois dígitos. Até mesmo membros do partido da presidente discordam da proposta diante da forte rejeição popular ao retorno tributo. “É suicídio político”, disse o senador petista Lindbergh Farias.

Fontes:
Chicago Tribune-Brazil's Rousseff poised to win on impeachment, lose on economy

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Não foi o recesso, é que não temos alternativa. Sai a Dillma entra o Temer, ou o Cunha ou o Levandowski. Daí convocam nova eleição e temos o Aécio, a Marina, a Luciana Genro etc..etc…
    Nada está tão ruim que não possa piorar, por isso Dona Dillma fica.

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    CONCORDO COM LUDWIG tirar a foça

  3. helo disse:

    Qualquer um seria melhor. Mas se existem razões e não existem leis para tal, melhor ela ficar.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *