Início » Brasil » Renato Duque é preso pela segunda vez em nova fase da Operação Lava-Jato
'Que país é esse?'

Renato Duque é preso pela segunda vez em nova fase da Operação Lava-Jato

Ex-diretor de serviços da estatal foi preso após investigações descobrirem 20 milhões de euros em contas secretas na Suíça

Renato Duque é preso pela segunda vez em nova fase da Operação Lava-Jato
Duque ao ser preso. Advogado diz estranhar pedido de prisão após o ex-diretor ter sido libertado no fim de 2014 (Foto: Reprodução/O Globo)

O ex-diretor de serviços da Petrobras, Renato Duque, foi preso novamente na manhã desta segunda-feira, 16. A prisão de Duque faz parte dos 17 mandatos, cinco de prisão temporária e 12 de busca e apreensão, que serão cumpridos na 10ª fase da Operação Lava-Jato da Polícia Federal, batizada de “Que país é esse?”. As ações estão sendo realizadas no Rio de Janeiro e em São Paulo com o intuito de investigar delitos de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e fraude em licitação.

Além de Duque, também tiveram a prisão decretada o empresário libanês Adir Assad, ligado à construtora Delta e à CPI do Cachoeira, Lucélio Goes, que é investigado na operação, Dario Teixeira e Sonia Branco, laranjas de Assad. O libanês e Duque, já detidos, serão encaminhados à Superintendência da PF, no Paraná, e ficarão à disposição da Justiça Federal de Curitiba. A PF ainda realiza buscas no escritório de Assad.

O advogado do ex-diretor da petroleira, Alexandre Lopes, afirmou ter estranhado o pedido de prisão preventiva, apesar de ainda não ter tido acesso ao processo.

“Há uma decisão do Supremo que o colocou em liberdade. É preciso checar se o juiz sabe dessa decisão para ter solicitado a prisão”, disse ao Globo.

Duque é o terceiro ex-diretor da Petrobras a ser preso. Com ele estão Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, que fez acordo de delação premiada. Os três participaram da gestão da empresa enquanto Dilma era a presidente do Conselho de Administração.

Prisão preventiva precisa de indícios de fuga

O juiz Sergio Moro foi o responsável pelo pedido de prisão preventiva após a descoberta de contas secretas do ex-diretor na Suíça com o montante de 20 milhões de euros. O dinheiro está bloqueado pela Justiça. Em novembro de 2014, o empresário passou 20 dias preso durante a 7ª fase da Lava-Jato.

No fim do ano passado, Duque foi libertado após o ministro do STF Teori Zavascki afirmar que o dinheiro armazenado fora do país não indica que ele irá fugir.

As novas acusações contra Duque serão apresentadas nesta segunda-feira, 16, pelo Ministério Público Federal (MPF). Os crimes são corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A base das denúncias é o depoimento de Pedro Barusco, que afirmou ter recebido mais de R$ 150 milhões em propinas para ele, Duque e o PT.

Fontes:
O Globo-Ex-diretor da Petrobras Renato Duque é preso no Rio na 10ª fase da Operação Lava-Jato

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *