Início » Brasil » Sarney, a despedida
Coluna Esplanada

Sarney, a despedida

Contam ilustres moradores que em reunião num luxuoso condomínio na Península, em São Luís (MA) – onde especula-se que deve residir – foi cogitado meio à brinca, meio a sério, o nome do senador José Sarney para síndico em 2015

Sarney, a despedida
Charge: Aliedo

Contam ilustres moradores que em reunião num luxuoso condomínio na Península, em São Luís (MA) – onde especula-se que deve residir – foi cogitado meio à brinca, meio a sério, o nome do senador José Sarney para síndico em 2015. E unanimemente recusado. A muitos quilômetros da capital, o prefeito aliado de Arame, no interior, resolveu batizar uma avenida de 2 km com o nome do patriarca do conhecido clã político no Estado. Estes dois episódios locais demonstram como um dos mais longevos mandatários do Brasil, às vésperas de sua aposentadoria, tornou-se amado e odiado

Meses atrás, quando especulações de sua retirada rondavam o Congresso, as perspectivas climáticas para o outono brasileiro descreviam curiosamente o momento vivido por seu José Ribamar, nome de batismo: a estação de transição entre o verão e o inverno contou com nevoeiros, mudanças rápidas e temperaturas amenas – tal como José Sarney com sua aposentadoria. Uma transição sob um nevoeiro vindo de um tempo político de incertezas; uma mudança repentina de projeto de poder decidida durante um período pré-eleitoral brando com o foco do País na Copa do Mundo. Sarney viveu seu outono de março a junho dedicado a esboçar cenários, do alto de sua experiência de 60 anos de mandatos, que o incluíssem numa era da política nacional onde cada vez mais jovens e uma nova sociedade requerem seus lugares nos plenários, gabinetes e palácios.

Em momentos de introspecção, olhou para as conquistas do passado, pensou o futuro e decidiu ficar onde está: descobriu que não há mais lugar para ele. É hora de sair do Poder – embora Sarney tenha deixado claro: o Poder não sairá dele. Contudo, diferentes conjunturas locais nas suas bases do Amapá e do Maranhão, forças políticas regionais surgidas no debate democrático e fortalecidas pelas redes sociais, e uma geração que reivindica faces renovadas no Poder forçaram a escolha do veterano.

Discretamente, o homem que nunca perdeu uma eleição recorreu ao literato que é para traçar uma justificativa à altura de quem já foi rei (ou melhor, presidente, dá no mesmo). Saiu-se por cima pelo menos em nota oficial: é hora de cuidar da família.

Queiram ou não os brasileiros, Sarney continuará a ser o cacique que é, no Maranhão com ou sem governo, e no PMDB e no restante do País. Amado por uns e odiado por muitos – ressalte-se aqui que esse “ódio” é uma rejeição natural contra alguém com essa longevidade política – reverenciado por militantes e políticos ou esculachado por adolescentes e adultos que o veem como um “dinossauro”, referência tão recorrente nas redes sociais. Tornou-se uma figura emblemática.

Deputado, governador, senador, presidente, fez de si um homem público aliado de todos os governos e Poderes nessas décadas consecutivas, uma invejável colocação que o colocou sucessivamente em vitrines – e usou isso para manter apadrinhados em várias esferas públicas, desde prefeituras, passando por palácios de governos e tribunais, ministérios e Presidência da República. Daí a rejeição ao cacique, um misto de inveja dos que não desfilam como ele, aliada ao reclame popular de que Sarney sempre abusou da sorte e do Poder público, com fortes indícios de uso em causa própria. Tornou-se assim, pelo “conjunto da obra”, a maior personificação do paternalismo e do patrimonialismo, tão combatidos por quem luta por amadurecimento político e partidário no Brasil.

Principalmente por isso, nessa não comedida relação de público e privado, há apontamentos aqui e acolá, declaradamente ou à boca pequena, sobre indícios de enriquecimento ilícito da família na aquisição de bens no Maranhão e pelo País, de uma ilha no oceano onde ele se refugia para escrever seus livros, de um suposto castelo em Portugal, sem esquecer de um casal de filhos alvos da Polícia Federal.  Ou pelo simples fato de tomar para sua propriedade o Convento das Mercês, em São Luís, para seu memorial e futuro mausoléu. Obviamente, pelo visto, Sarney fez por onde provocar a inteligência do brasileiro. Difícil prever como será lembrado daqui para a frente. Se pela biografia Sarney, de Cristina Echeverria, na qual disseca a figura com seus defeitos e qualidades; se pelo ousadíssimo Honoráveis bandidos, de Palmério Dória, no qual relata bastidores do clã. Ou pela resenha diária de jornais e sites que ficarão também para a memória popular.

Autofagia socialista

Como Eduardo Campos faz falta – e os episódios de bastidores que se sucedem são a prova de que é um grande risco um partido sobreviver sob um mito.

Sem a presença do líder nacional do PSB, a legenda iniciou uma velada autofagia em Pernambuco, terra do falecido presidenciável. Ninguém se entende mais e a batalha pelo Poder envolve especialmente uma ciumeira entre caciques.

Fernando Bezerra não gosta de Paulo Câmara, que não gosta de João Lyra, que pouco gosta de algum deles. E o fio se estende à militância. Falta pouco, muito pouco, para a sigla se inflamar sob a chama de um invisível dragão que pode tomar o lugar da pomba da paz na bandeira do partido.

 

3 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Sarney ocupou altos cargos em dois estados e na União. Todos eleitos, inclusive para a Academia Brasileira de Letras. É um vitorioso. Se o povo que o elegeu não está satisfeito, as razões tem que ser buscadas mais na Antropologia do que na política.

  2. Honorio Tonial disse:

    Basta ser honesto para entender que o Brasil é a ditadura do PT.
    Começando pelo executivo, colocando em xeque o judiciário e constatando os lacaios dos partidos legislatiovos, atrelados ao Executivo.
    No nosso país, até o Partido Comunista do Brasil orgulha-se de ser democrático. É o diabo na água benta.E a Igreja católica, Apostólica, Romana do Brasil, ou é leniente ao camufla-se num cristianismo satânico.
    Quer acabar com os pobres tendo como fórmula e exemplo o Apóstolo Lula que saiu paupérrimo do governo.
    Alô, alô CNBB e OAB.

  3. Raimundo Trindade disse:

    De qualquer maneira, o Sarney já deu a colaboração dele para o Brasil , e agora mostra aos ministros do supremo e superior tribunal que precisam largar o osso, que devem cuidar da família e deixar o Brasil seguir em frente,, que vc JOSÉ SARNEY ,TENHA SAÚDE E PAZ PARA VIVER AINDA VÁRIOS ANOS NO ACONCHEGO DE SUA FAMÍLIA,,, UM FELIZ ANO NOVO E BOAS FÉRIAS;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *