Início » Brasil » Seca nas represas de São Paulo bate recorde em agosto
Seca em São Paulo

Seca nas represas de São Paulo bate recorde em agosto

Os níveis registrados no Cantareira e no Alto Tietê foram os piores desde a sua criação

Seca nas represas de São Paulo bate recorde em agosto
'No Alto Tietê, a situação é apavorante' (Foto: Wikipedia)

Os dois maiores reservatórios de água que abastecem a Grande São Paulo registraram uma estiagem recorde no mês de agosto. Em 85 anos de medição, foi o segundo mês mais seco para o Sistema Cantareira desde agosto de 2014. Já as represas do Alto Tietê tiveram o menor volume de água desde 1930.

Juntos, os dois sistemas abastecem, atualmente, 9,7 milhões de pessoas na região metropolitana, o que significa quase metade da demanda total. No caso do Cantareira, o reservatório de maior porte, a entrada média de água por meio das chuvas e dos rios ficou em apenas 5,8 mil litros por segundo, 76% abaixo do esperado para o mês e 29% a menos do que agosto de 2014. No total, o sistema perdeu 31,5 bilhões de litros no mês. Foi o maior déficit desde dezembro de 2014.

A partir de hoje, a Sabesp programa medidas de preservação do sistema no fim do período de estiagem, que se encerra neste mês de setembro. Ontem, o Cantareira tinha 15,5% da capacidade, considerando 50 bilhões de litros da primeira cota do volume morto e toda a segunda reserva.

A situação é pior no Alto Tietê. Com apenas 13,8% da capacidade e sem volume morto disponível, o reservatório recebeu 3,7 mil l/s, o mais baixo nível desde que a criação do sistema, em 1992, 67% abaixo da média (11,4 mil l/s).

“No Alto Tietê, a situação é apavorante. Minhas projeções mostram que, se o cenário se repetir nos próximos meses, o sistema se esgota em novembro”, disse o engenheiro José Roberto Kachel.

Fontes:
Estadão - Seca nas represas em agosto bate recordes

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *