Início » Brasil » Sudeste leva o bolo
COLUNA ESPLANADA

Sudeste leva o bolo

A região Sudeste recebeu a maior parte das aplicações de recursos dos bancos oficiais em projetos de desenvolvimento neste ano

Sudeste leva o bolo
Além do BNDES, a Caixa Econômica também aplicou a maioria dos recursos no Sudeste, assim como o Banco do Brasil (Fonte: Reprodução/Montagem/Jornal Sudeste)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

As aplicações de recursos dos bancos oficiais em projetos de desenvolvimento nas quatro regiões do Brasil manteve-se na média entre os anos de 2004 e 2014. Os índices também não tiveram alterações significativas neste ano, segundo um levantamento feito pelo deputado Júlio César (PSD-PI) e entregue ontem (28) ao Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico. A região Sudeste captou a maior parte do dinheiro público neste ano, recebendo 45,83% das aplicações. Em seguida vem o Sul (22,01%), depois o Nordeste (16,01%), o Norte (11,94%) e por último o Centro-Oeste (10,32%).

Mesma escala

O BNDES financiou 67,42% dos projetos no Sudeste. A Caixa Econômica também aplicou a maioria dos recursos no Sudeste (42,99%), assim como o Banco do Brasil (44,56%).

Pré-campanha

Deputado Danilo Forte (PSB-CE) reuniu em seu gabinete ontem (28), em Brasília, dois pré-candidatos à prefeitura de Fortaleza, o deputado estadual Heitor Férrer (PSB) e o deputado federal Vítor Valim (PMDB-CE).

Unindo forças

Férrer e Valim podem andar na mesma trincheira, caso o PMDB negue legenda ao segundo. Ficou acertado, por enquanto, que ambos farão oposição ao prefeito Roberto Cláudio, ligado ao grupo de Cid Gomes, hoje no PDT.

Meta salvadora

O ex-deputado gaúcho Beto Albuquerque festejou a aprovação de projeto de sua autoria pela Comissão de Viação e Transportes da Câmara. A matéria tem como meta reduzir pela metade o número de mortes no trânsito em uma década. Entre 2002 e 2012 houve um crescimento de 24,5%.

Pergunta sem resposta

O físico Luiz Pinguelli Rosa voltou a repetir uma velha pergunta desde os tempos da ditadura: “Quem forneceria o urânio enriquecido para a bomba atômica?” O projeto foi dos governos militares e sepultado pelos civis.

Objetivos nucleares

Pinguelli afirmou em seminário promovido pelo Senado Federal, nesta semana, que as cisternas e covas construídas na Serra do Cachimbo (entre o Pará e o Mato Grosso) seriam usadas para testes nucleares.

Coisa velha

No mesmo seminário sobre Usinas Nucleares, o engenheiro alemão Dieter Major, especialista em segurança nuclear, disse em videoconferência que a tecnologia a ser utilizada na Usina Nuclear de Angra 3 é “totalmente obsoleta”.

Esperança

A liberação da droga fosfoetanolamina será discutida hoje (29) em audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Desenvolvida pela Universidade de São Paulo, a substância é eficaz no combate a vários tipos de câncer.

Boca fechada

O deputado Waldir Maranhão (PP-MA), vice-presidente da Câmara dos Deputados, está como passarinho na muda. Não canta e nem pia, ou seja, não fala nem sob decreto sobre as denúncias contra o presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Seca na feira

A tradicional Feira de Artesanato de Brasília, instalada na base da torre de televisão, está sem água há dois meses. O Governo do Distrito Federal não paga a conta de R$ 70 mil à companhia de água (Caesb).

Entrave

A pindaíba do GDF forçou os 500 artesãos que ocupam os 608 boxes a tirar do bolso o dinheiro para pagar os carros-pipa. Se a feira não fosse atrelada ao governo, os artesãos já teriam resolvido o problema.

Ponto Final

“A gente quer colocar em risco o andamento das políticas públicas em médio prazo?”
Do secretário da Fazenda de São Paulo, Renato Vilela, ao criticar determinação do STF de que estados e municípios quitem suas dívidas acumuladas em precatórios até o final de 2020.

Com Equipe DF, SP e Nordeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *