Início » Brasil » Testes alternativos também usam animais
CIÊNCIA

Testes alternativos também usam animais

Seis dos 17 métodos alternativos usam ratos e camundongos vivos

Testes alternativos também usam animais
Segundo a Anvisa, estes métodos são considerados alternativos por usarem menos animais que o teste original ou partes de animais que são normalmente descartadas nos abatedouros (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os defensores dos animais não estão muito satisfeitos com o longo tempo de adaptação das empresas de cosméticos, produtos de higiene e limpeza para usar testes alternativos. Afinal, as empresas vão poder se adaptar até 2019, sendo que a lei foi aprovada em 2014. Além disso, eles afirmam que parte destes métodos alternativos não são totalmente livres de crueldade. Estas empresas vão ter que adotar métodos alternativos para reduzir, refinar ou substituir os animais em testes até 2019, segundo uma determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia mais: Menos de 50% dos brasileiros são contra testes em animais
Leia mais: Governo poderia ajudar a reduzir testes com animais
Leia mais: Anvisa aprova resolução que limita o uso de animais em testes de produtos

Bianca Marigliani, bióloga e doutoranda da Unifesp, fez um levantamento que revelou que seis dos 17 testes alternativos usam ratos e camundongos vivos.  Segundo a Anvisa, estes métodos são considerados alternativos por usarem menos animais que o teste original ou partes de animais que costumar ser descartadas nos abatedouros. No teste de toxicidade aguda, por exemplo, os roedores são alimentados por meio de uma sonda que leva a substância em teste até o estômago. Anteriormente, o experimento só parava quando os animais morriam espontaneamente. Agora, eles já são mortos quando apresentam os primeiros sinais de dor e estresse.

O biólogo Thales Trez, professor da Universidade Federal de Alfenas (MG), critica  a lei sobre o bem-estar animal em pesquisa. “Há na Lei Arouca uma ênfase no conceito de refinamento no uso de animais, o tal do uso ético. Os conceitos de redução e substituição são poucos mencionados”, diz.

Entenda o caso

A polêmica dos testes em animais não vem de hoje, o clímax do debate ocorreu em 2013, quando ativistas invadiram a sede do Instituto Royal, em São Roque (SP), e recolheram 178 cães da raça Beagle e sete coelhos usados em pesquisas de cosméticos.

Fontes:
Folha de S. Paulo-Testes alternativos para cosméticos ainda usam animais

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *