Início » Brasil » The Walking Dead!
GRITA BRASIL

The Walking Dead!

Ministério da Economia acha que recriar a CPMF vai reduzir a crise fiscal. Guedes quer tirar do mundo dos mortos um possível novo imposto

The Walking Dead!
A coluna Grita Brasil é publicada às quintas

Era uma vez um país chamado Brasil que tinha tudo para ser um dos melhores países para se viver. Mas os “homens de preto” em ação em Brasília conseguiram tirar isso dos hoje mais de 210 milhões de brasileiros e brasileiras que vivem aqui. Pois é, atingimos essa marca. Saudades dos tempos dos 90 milhões em ação, pra frente Brasil.

Fico lembrando da música e me questionando se realmente fomos pra frente. Talvez um pouco, avançamos em várias questões e índices, mas ainda é algo que deixa a desejar.

Não tenho a pretensão de querer um país perfeito. Esse país não existe. Pelo menos na vida real. Talvez na vida da ficção. Mas queria um país melhor.

Mas como ter um país melhor, se as próprias pessoas que aqui habitam não ajudam? Temos que torcer para as próximas gerações terem atitudes e pensamentos diferentes do que vemos hoje em dia. Mas como já disse em outros textos, acho que essa mudança irá demandar ainda muitas gerações.  Ou não. Espero que sim.

O assunto do momento, além de ser a questão do desmatamento, é ainda a reforma da Previdência.

Mas surgiu agora outra possível discussão que em breve será apresentada ao Congresso e que promete mexer no bolso de quem? Nosso, é obvio.

O Ministério da Economia acha que a recriação da extinta CPMF irá ajudar na grave crise fiscal que assola o país. É um meio de por dinheiro no caixa de forma rápida e que, se for baixinho, não vai dar nem para sentir, palavras de Paulo Guedes, o seu ministro da Economia.

O sempre “engraçado” nessas questões de dinheiro é que nós somos sempre penalizados, eles não tiram do deles. Aumentos de salários para deputados e senadores são votados sempre em sessão extra, de forma rápida e ao bel prazer deles. Sem que seja pensado e estudado o impacto sobre a economia. Eles aumentam e pronto, ponto final. Lembro até de um deputado – esqueci o nome da coisa – falando em uma entrevista à época que desafiava quem conseguisse viver com menos de R$ 12 mil de salário por mês.

Várias empresas estrangeiras deixaram o país justamente por causa das taxas tributárias e aí vem o ministro tirar do mundo dos mortos a possível criação de um novo imposto. E justamente um do qual não conseguiríamos fugir. Por menor que seja a alíquota.

Eu fico me preguntando, por que eles não tiram do deles? Por que não tirar os vários auxílios que recebem em seus salários já bem dotados?

Deve doer. Doer muito. Por que não tirar dos outros? Mas eles vão pagar também. E daí?

Por que nós é que temos que ajudar a salvar o mundo? Já somos super-heróis sobrevivendo todos os dias.

Fora que não poderia deixar de dizer que os impostos que já pagamos não voltam para nós. Pelos menos não sentimos isso, e prova disso é a Saúde, a Educação, o Saneamento que faltam para a população.

Se os impostos fossem revertidos em melhorias para nós, iríamos pagar. Para o alto e avante aos impostos.

Tomara que o Congresso seja um pouco digno e vete a criação. Espero que o próprio Bolsonaro não alimente a ideia.

E se forem realmente criar e criarem de verdade que sejam pelo menos justos no nome. Não coloquem que é uma contribuição provisória sobre movimentação financeira (CPMF). Ela nunca foi uma contribuição. Contribuição é algo espontâneo. E não arbitrário. Arbitrário, é imposto. E imposto é algo que não queremos mais.

Salvem as baleias. Não joguem lixo no chão.  

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *