Início » Opinião » Artigos » Torquato pede arrego
COLUNA ESPLANADA

Torquato pede arrego

Ministro garantiu a continuidade do apoio federal ao Estado do Rio no combate à violência

Torquato pede arrego
Ministro mordeu a língua após a repercussão negativa de seus comentários sobre a Polícia Militar do Rio de Janeiro (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, mordeu a língua após a repercussão negativa de seus comentários sobre a Polícia Militar do Rio de Janeiro. Numa mensagem de whatsapp carinhosa para o amigo e governador Luiz Fernando Pezão, Torquato não pediu desculpas, mas indicou que pegou pesado. Disse que passou o dia “apagando incêndios”, e tenta “deixar claro que minha análise é pessoal e não crítica do Governo Federal”. Citou que se baseou em “fatos fartamente publicados ao longo de largo tempo na mídia carioca e nacional” e que apenas revisitou “a sociologia do tema”. O ministro ainda garantiu a continuidade do apoio federal ao Estado do Rio no combate à violência.

Reencontro

Pezão e Torquato articulam agenda no Rio para dar um ponto final na polêmica. Não há confirmação ainda se o comando da PM vai participar.

Conterrâneos

Torquato e Pezão são praticamente conterrâneos de Piraí, onde nasceu mãe do ministro e de onde vem o governador – ex-prefeito da cidade do Sul Fluminense.

Manobra

Seis servidores do Tesouro tentaram receber da União R$ 801 mil, cada, retroativos do Retribuição Adicional Variável. Queriam 8 vezes mais o que foi pago. A AGU barrou.

Missão Bonn

Com o caixa apertado, sem novas autorizações para o Bolsa Verde (já alertamos aqui em primeira mão) e os brigadistas sofrendo com poucos homens para apagar incêndio na Chapada dos Veadeiros, o Ministério do Meio Ambiente abriu o cofre. Levará nada menos que 29 servidores – de assessores ao ministro Zequinha Sarney – para Bonn, na Alemanha, onde acontece a COP23 sobre Clima de 6 a 17 de novembro.

É festa

O ministro terá assessor só para cuidar da sua agenda – e tem gente indo uma semana antes do evento. O total em diárias para cada servidor no período será de (acredite) R$ 17 mil (mas depois a assessoria recuou e informou que o custo depende do cargo de cada servidor). Em 2015, na COP21 em Paris, o Ministério levou 12 pessoas.

Explicação

O Ministério informou que ‘o Brasil deixou de participar apenas das negociações diplomáticas e passou a protagonizar entre espaços com maior destaque da Conferência’; que ‘foram realizados mais de 60 eventos, de entidades dos mais diversos setores’, ‘daí a necessidade de uma quantidade maior de servidores’.

Dupla ‘Boniécio’

Relator salvador de Michel Temer na denúncia da PGR, o deputado federal Bonifácio Andrada (PSDB-MG) pretende se candidatar ao Senado em dupla com Aécio Neves. Diz à Coluna que há movimento para isso em Juiz de Fora e Barbacena, seus redutos.

O clã

Bonifácio ressalta que não decidiu ainda. Mas que tem dois filhos que podem se candidatar. São eles Lafayette Andrada – hoje estadual que pode disputar a Câmara – e Toninho Andrada, ex-deputado que pode tentar voltar à Assembleia de Minas.

Fogo amigo

As críticas ao ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS), vêm também de dentro do governo. Fabiana Severo, vice-presidente Conselho Nacional de Direitos Humanos, o acusa de “ter ignorado a sociedade” ao editar a portaria – suspensa pelo STF – que flexibiliza regras de combate ao trabalho escravo. O ministro não comentou.

Mais lenha

O procurador do Trabalho Tiago Muniz Cavalcanti engrossa as críticas e cita dados para embasar o que chama de “retrocesso”: “O número de resgates de pessoas em situação de trabalho escravo caiu de 680, em 2016, para 110, em 2017”.
Tapa da Justiça

Pesquisa da Unicap de Pernambuco, em 7 cidades brasileiras, revelou que mulheres vítimas de violência doméstica sentem-se frustradas com a Justiça. O levantamento mostrou o perfil dos juízes que trabalham com os casos. Dos 24 magistrados entrevistados, apenas 4 tinham algum tipo de capacitação na área.

Aterrissou

Mais de 500 dos 750 co-pilotos da GOL assinaram abaixo-assinado no qual reivindicam reajuste salarial dos atuais 50% para pelo menos 70% dos vencimentos pagos aos comandantes da empresa aérea. O documento será entregue à direção da companhia.

Do hangar

Em reunião com os sindicalistas em outubro, a direção da GOL se comprometeu a estudar a demanda, mas adiantou que tem dificuldades para mexer em seu custo fixo.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Beraldo disse:

    E sobre a coruptela instalada em Brasília? Nada?

    Alguma notícia do Carlinhos Cachoeira, Chefe do Policarpo, Braço Direito do Civita?

    Nem uma dica sobre os R$ 51 milhões do Gedell?

    O Brasil está sendo vendido a preço de banana?

    A Economia crescerá, os empregos serão retomados e os salários violentamente achatados?

    A Globo já tem plano de quando adotará a candidatura do Bolsonaro?

    E mais uma p…… de coisas relacionadas a tudo isto?

    Sem estas abordagens nada vale nada!

    Hipócrita!!!

  2. Alcebiades Abel Filho disse:

    Diante de tudo que tem acontecido neste país a de se chegar a seguinte conclusão: Os políticos naõ tem caráter.

  3. Almanakut Brasil disse:

    Clubes de MILITARES oferecem recompensa em troca de informações sobre criminosos – 02/11/2017

    No Rio de Janeiro o assassinato de policiais tem sido tão frequente que os clubes que congregam a categoria tem também oferecido recompensa em troca de informações que levem a captura dos assassinos.

    https://www.sociedademilitar.com.br/wp/2017/11/clubes-de-militares-oferecem-recompensa-em-troca-de-informacoes-sobre-criminosos.html

    Ministro da Justiça confirma críticas à segurança do estado do Rio de Janeiro – 02/11/2017

    Ocorre que a entrada em cena das Forças Armadas gerou uma mudança de paradigma, por causa das operações de inteligência, que passaram a ser mais ativas, até por uma necessidade de planejamento das operações. Mesmo assim, as realizadas até agora foram prejudicadas por vazamentos de informações atribuídos à Polícia Civil e à Polícia Militar.

    Essa foi a principal razão da criação da força-tarefa que vai investigar o crime organizado no Rio de Janeiro, depois de enfáticas declarações do ministro da Defesa, Raul Jungmann, sobre a influência do crime organizado na política fluminense.

    http://www.defesanet.com.br/crise/noticia/27564/Ministro-da-Justica-confirma-criticas-a-seguranca-do-estado-do-Rio

    Bezerra da Silva – Mudo Caguete

    Clube do Samba. Nando

    https://www.youtube.com/watch?v=6LBdGGGWBRI

  4. Áureo Ramos de Souza disse:

    O ministro deve agora estar procurando uma fábrica de papel higiênico pois a cacada foi grande. Tá todo borrado. E os servidores que iriam receber R$ 17 e voltaram atrás. E os trabalhadores Ô!

  5. carlos alberto martins disse:

    a bandidagem manda e demanda porque todo o poder público tem seu preço,não escapa ninguém.a esta altura dos acontecimentos,fica provado que até os militares estão envolvidos na alta cúpula de comando,com a bandidagemn.

  6. Markut disse:

    Essa de “revisitar a sociologia do tema”!!! é um primor.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *