Início » Brasil » Uma economia sem dinheiro vivo gera uma sociedade mais segura
Estudo nos EUA

Uma economia sem dinheiro vivo gera uma sociedade mais segura

Pesquisa revela que substituir a circulação de dinheiro vivo por formas eletrônicas de pagamento reduz também o número de crimes predatórios de rua

Uma economia sem dinheiro vivo gera uma sociedade mais segura
O uso de cartões de crédito é mais seguro que o dinheiro real (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

“O dinheiro vivo”, afirmou Marcus Felson, um eminente criminologista americano, “é o leite materno do crime”. A necessidade de dinheiro vivo dos criminosos motiva os crimes predatórios de rua. Um novo estudo do National Bureau of Economic Research, um centro de pesquisas nos EUA, questiona se essa lógica poderia ser aplicada no sentido contrário: se o dinheiro vivo motiva o crime, a sua ausência reduziria a incidência de crimes? As respostas dizem que sim.

O estudo observa dados de crimes no nível municipal para o estado de Missouri, de 1990 a 2011, período quando a taxa de criminalidade caiu sensivelmente em todos os países ricos. Durante esse tempo, o Missouri, como o resto dos EUA, mudou o modo de fornecimento de seus benefícios sociais e de vales alimentação. Em vez de cheques, os estados passaram a usar um sistema de cartões de débito conhecido como Transferência de Benefícios Eletrônica (TBE).

Os pesquisadores verificaram que pagamentos eletrônicos geraram uma queda de 9,8% nas taxas de criminalidade geral, de 7,9% nos assaltos a residências, de 12,5% nas agressões e 9,6% nos furtos. A introdução da TBE também foi associada a um número menor de prisões, o que indica que a queda da taxa de criminalidade não ocorreu devido a um policiamento mais agressivo. Os efeitos da TBE sobre crimes não relacionados à propriedade, tais como delitos envolvendo drogas, estupro e prostituição foram estatisticamente insignificantes.

As descobertas sugerem, de acordo com Volkan Topalli, um dos autores do estudo, que “para pessoas em vizinhanças urbanas densamente povoadas, quando menos dinheiro vivo elas portam e quanto mais suas transações forem digitalizadas, menos atraentes elas se tornam como alvos de crime”.

 

 

Fontes:
The Economist-Less coin to purloin

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Luciano disse:

    Muda para os crimes pequenos! Os grandes, já sabemos que irão prosseguir. A única coisa que o dinheiro de plástico faz é monitorar mais e mais o cidadão comum. Mas diminuir o crime, não diminui.

  2. Miro disse:

    Realmente, Luciano,

    Desestimula os crimes pequenos, cometidos por pessoas físicas, mas mantém o controle da economia e da sociedade nas mãos dos grandes banqueiros e corporativistas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *