Início » Brasil » Uma paralisação nacional contra a reforma da Previdência
GREVE GERAL

Uma paralisação nacional contra a reforma da Previdência

Transporte público, bancos e escolas aderem ao movimento em várias capitais

Uma paralisação nacional contra a reforma da Previdência
Integrantes de movimentos rurais ocuparam o Ministério da Fazenda nesta madrugada (Foto: Agência Brasil)

Uma paralisação nacional contra as reformas trabalhistas e da Previdência Social está afetando principalmente o transporte público, serviços bancários e algumas escolas em várias capitais do país. Há também a previsão de bloqueios em rodovias.

A cidade de São Paulo amanheceu sem os trens do metrô, que atendem diariamente a cerca de 3,2 milhões de pessoas, e com quase toda a frota de ônibus parada. Houve, ainda, vários bloqueios no trânsito. A cidade suspendeu o rodízio municipal para veículos leves. Uma manifestação foi convocada para às 16h na Avenida Paulista, em frente ao Masp

No Rio, o metrô funciona normalmente, mas o número de usuários caiu, provavelmente devido a paralisações em escolas públicas e particulares. Apesar de um anúncio de greve nos ônibus, a frota circulava normalmente nesta manhã. Duas manifestações provocam reflexos em vias do centro da cidade. Agentes penitenciários aderiram à paralisação.

As manifestações contra as reformas propostas pelo governo Temer têm o apoio de sindicatos de várias categorias e das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, ligadas ao PT. Em Brasília, cerca de 500 integrantes de movimentos rurais invadiram o Ministério da Fazenda e quebraram vidraças do prédio nesta madrugada.

Professores municipais e estaduais também decidiram aderir ao movimento contra as mudanças propostas nas regras de aposentadoria. De acordo com a proposta, a categoria passará a se aposentar pela idade mínima, 65 anos. Hoje, professores têm direito a uma aposentadoria especial, podendo requerer o benefício com 30 anos de contribuição – ou 25 para as mulheres.

Uma das principais bandeiras do governo Temer, a reforma da Previdência, apresentada no final do ano passado, vem gerando polêmica antes mesmo de ter seu texto concluído e entrar em votação definitiva. O texto está em tramitação em uma comissão especial da Câmara, onde deve ser votado em abril.

A proposta prevê a criação de idade mínima de 65 anos para todos os trabalhadores se aposentarem.

Fontes:
El País - Greve geral nesta quarta, o maior teste para a mobilização contra a reforma da previdência

5 Opiniões

  1. Jorge Hidalgo disse:

    “estou chegando agora” – Rubinho Barichello

    “há paralisação, porque estão parados, mas no Rio a paralisação continua trabalhando, e se trabalham é porque não pararam…” Dilma Rousseuff

  2. Beraldo disse:

    Capitalismo, direitismo e corrupção, tripé de 502 anos de poder, apodrecendo o país. Agora que está no brejo,seus beneficiários vem apresentar suas justficativas? Antes agarrados às tetas não se manifestavam e agora que elas estão secas.

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    Eles que ganham muito e roubaram muito e estão ricos e aposentados uma maioria estão querendo prejudicar os trabalhadores e nós mesmo sendo aposentado temos que IR A RUA e juntarmos para a não aprovação jeito que eles querem e como é que pode uma pessoa com 65 anos e 49 anos de que somado dá 114 quer dizer quando o sujeito for se aposentar já estará morto, se a viúva for nova estará na boa e ele se F>>>>>. Tem um aposentado la do congresso que tem 52 anos e ganha R$ 252,000 mil e Michel Temer ganha de aposentadoria R$ 30,000 e mais o dinheiro como presidente. Tudo tem que mudar ELS os políticos tem que viver como o trabalhador que ganha R$ 937 hoje e vive deste valor para pagar água, luz, escola dos filhos e fazer suas feiras. Todos os políticos tem que viver do que ganham e não ter FORO PRIVILEGIADO.

  4. Markut disse:

    A julgar pelos últimos acontecimentos, quanto às manifestações populares de justas insatisfações,com movimentos de massa ,cujas causas costumam ser expostas de forma difusa e primária, muitas vezes pouco esclarecidas,corrompidas por movimentos políticos, ou sindicais , totalmente mal intencionados e ultrapassados, ocorrendo com uma significativa simultaneidade,em diversas sociedades humanas,é de se pensar num momento histórico , em que estão postas em xeque sistemas trabalhistas, econômicos ,políticos e sociais,já superados pelo gigantesco avanço da tecnologia, principalmente, a partir do fim da 2ª guerra mundial
    A significativa guinada , quase universal, para o que se convencionou chamar de “direita”, traz no seu bojo os graves problemas em que o “democratismo” e não a democracia, o “capitalismo predador” e não o indispensavel capitalismo produtivo,o “sindicalismo” bandido e ultrapassado,o conveniente e engodador “populismo”, reforçados por esse misto de ignorância da massa e a cupidez ilimitada da índole humana.
    Não por coincidência, são as sociedades mais bem escolarizadas, as que melhor enfrentam essa eterna contradição e se aproximam de um desejavel ponto de equilíbrio,que se modifica de geração a geração.
    Não será uma “Nova Ética”, como pretende Pierre Weil, para o terceiro milênio,talvez impossivel, pois , como ele próprio afirma,com razão, um sistema econômico ,tendo que ser competitivo, não pode ser ético.

  5. laercio disse:

    A reforma da previdência é um absurdo contra o povo.
    Existem os benefícios políticos, os desperdícios em obras diversas, mais várias coisa que se fossem corrigidas trariam o país a normalidade.
    Então este plano de reforma e absolutamente uma afronta ao povo e não devemos admitir isso!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *