Início » Brasil » Vantagens e desvantagens do trabalho na terceira idade
Idosos e mercado de trabalho

Vantagens e desvantagens do trabalho na terceira idade

Aposentados que retornam à ativa ou idosos que nunca pararam de trabalhar. Saiba quais são as vantagens e desvantagens que o mercado oferece para os mais experientes. Por Paula Araujo

Vantagens e desvantagens do trabalho na terceira idade
Trabalho na terceira idade traz benefícios, aponta psicóloga

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Recentemente, uma medida colocou os idosos em destaque. O presidente Lula sancionou, em junho, o reajuste de 7,7% aos aposentados que ganham acima de um salário mínimo. Em um país onde o contingente de pessoas com mais de 60 anos – considerado idoso pelo Estatuto do Idoso – somava cerca de 21 milhões até 2008, superando índices europeus, é normal que se pense nas condições de vida da população mais velha. Mais numerosos nas ruas, os idosos também passaram a assumir um espaço maior no mercado de trabalho. De acordo com tabela fornecida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, em 2006, as pessoas ocupadas com mais de 65 anos somavam 3.160 milhões. Em 2008, o número cresceu para 3. 317 milhões.

“Quando o aposentado entra novamente no mercado, ele tem a possibilidade de interagir e participar da vida social. Ele sai das condições de isolamento a que se submetia e tem a oportunidade de convívio com pessoas de outras idades”, afirma Maria Angélica Sanchez, presidente do departamento de gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Para a psicóloga e professora da PUC-RS Irani Argimon, o aumento da auto-estima é uma das maiores vantagens para o idoso, que às vezes prefere nem se aposentar, seguindo no mercado de trabalho. “Sentir-se valorizado e ainda capaz reforça os seus relacionamentos familiares e sociais e consequentemente os do trabalho.”

Segundo Irani, um dos motivos que levam à volta ou à continuação no trabalho é a questão financeira, “visto que a aposentadoria rebaixa em muito a qualidade de vida do idoso. Outra questão são as possibilidades tanto cognitivas quanto emocionais de continuar uma jornada de trabalho por mais alguns anos.”

A possibilidade de o idoso ser parte significativa da força de trabalho foi constatada por uma pesquisa realizada no fim de 2009 pelo banco HSBC e pelo instituto Oxford Institute of Ageing. O estudo foi feito em 21 países, dentre eles o Brasil, e mostrou que a saúde em boas condições e a prontidão para novos desafios fizeram os idosos se tornarem fontes de sustento para suas famílias.

Segundo Maria Angélica, o trabalho na terceira idade também envolve desvantagens para o idoso. “A partir do momento que o trabalho torna-se obrigatório, por motivos financeiros, a responsabilidade do idoso chefe de família cresce. Não raro, filhos, com seus filhos, após descasamentos, migram para a casa dos pais. Isto faz com que a renda do idoso seja fundamental no orçamento mensal. Há, então, uma sobrecarga sobre o aposentado”, explica.

Para Irani, não há desvantagens. “O que pode acontecer é que, frente às novas tecnologias, a pessoa pode assustar-se e se sentir impotente em administrar esta velocidade, mas nada que não possa ser resolvido com um treinamento”, conclui.

Além de lojas e supermercados, os idosos são uma mão-de-obra crescente no setor de turismo, onde costumam ser requisitados para atender clientes da mesma faixa etária. Para a professora Sarah Harper, diretora do Oxford Institute, a contribuição dos idosos para a economia vai além dos contracheques que recebem, seja como trabalhadores da ativa, seja como aposentados.

Passado inglório

Há 21 anos, especialistas temiam que aposentadoria fosse sinônimo de pobreza. Depois da promulgação da Constituição de 1988, o cenário começou a melhorar. A lei estendeu a aposentadoria também aos trabalhadores rurais, mesmo que não tivessem contribuído. Além disso, os idosos pobres, mesmo que não tivessem contribuído, passaram a receber um salário mínimo.

Atualmente, a situação do idoso está melhor. Setenta e seis por cento recebem algum tipo de transferência do governo, tendo contribuído ou não. Na América Latina, o Brasil é o país com maior cobertura previdenciária.

Leia mais:

Mais numerosos nas ruas e ativos no mercado de trabalho

Empresas enxergam potencial do profissional idoso

Fontes:
Globo online - Senado aprova saque do FGTS aos aposentados que voltarem a trabalhar

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

9 Opiniões

  1. Rosaura disse:

    É extremamente importante, que a pessoa aposentada continue a ter oportunidades no mercado de trabalho. Uma pessoa experiente ao longo da vida, tem muito mais capacidade para desempenhar um excelente trabalho. Afinal nao é a idade q conta quando analisados bons profissionais e sim sua experiencia.
    Sem dizer quanto ao lado emocional, por se manter na ativa.

  2. Regina Caldas disse:

    na verdade o Brasil não está preparado para absorver de modo mais criativo e humano os idosos que se disponham, ou sintam necessidade de continuar trabalhando. Seria muito interessante que os gerontólogos lessem “Future Shock” de Alvin Tofler, publicado em 1970, onde ele dedica um capítulo a um sensacional modo de reabsorção dos idosos no mercado de trabalho. Na internet é fácil localizar o livro com todos os seus capítulos.

  3. Beraldo Dabés Filho disse:

    A matéria aborda o assunto com rara precisão.

    Parabéns a autora.

  4. Roberto Santiago disse:

    A verdade sem “retoques”, infelizmente, é que as empresas brasileiras não oferecem oportunidade real aos idosos. Ao dizer isso, não me refiro à “oportunidade” do idoso trabalhar em balcão de loja ou “caixa” de supermercado ou “shopping center”, mas aquela oportunidade do idoso poder assumir cargos de maior relevância na organização, e isso, sabemos, não ocorre nas empresas do Brasil. Muitos idosos têm capacidade de trabalho e competência de sobra até para, digamos, substituir algum ou alguns improdutivos “chefes de setor, ou de departamento” em muitas empresas, mas esta oportunidade de possível ascensão lhes é negada apenas pela égide surrada de serem considerados “velhos”.

  5. Joaquim Caldas disse:

    Setenta porcento dos participantes e usuários de bigos são idosos.Existem muitos preconceitos sobre os velhos,os filhos,os jovens e os proprios velhos não lhes dão atenção necessária,principalmente em consultorios médicos.

  6. Raimunda disse:

    Idosos no mercado de trabalho!O fato é:que o trabalhador quando jovem deve passar por todas atividades dentro da sua qualificação assim estará se preparando para quando chegar o momento da aposentadoria não encontrar dificuldasde para se adaptar a um novo contexto no mercado de trabalho concorda?E jovem também buscar uma qualificação estudar cada vez para ninguem ser pedra de tropeço principalmente na vida de uma pessoa que tanto contribuiu para formar uma família estruturada não é?

  7. Rachel Pinto disse:

    Na Lei do Idoso, refere que o Poder Público criará e estimulará Programas de Estímulo às empresas privadas para admissão de idosos ao trabalho, possuo uma empresa a até hoje não vi Programa do Poder Público para me incentivar a aumentar a contratação de idosos. Contrato idosos, pois hoje tenho 55 anos, sou mulher, empresária, aposentada e sei as dificuldades de contratação de uma pessoa no mercado de trabalho.

  8. Neilton Menezes de Oliveira disse:

    É um contexto de estrema relevância em si tratando do idoso no mercado de trabalho. O tempo tem mostrado que ser idoso não quer dizer inapto para ingressar neste mercado. Todavia, são competentes, responsáveis e sobretudo tem uma larga experiência naquilo que faz. O governo deveria proporcionar programas de incentivo fiscais às grandes empresas à medida que forem admitindo os idosos nos seus quadros de funcionários. Como acontecem em alguns países desenvolvidos. Mas, por outro lado, existe uma questão, é que ele próprio auto descrimina-se; achando: velhos, incapazes e inoperantes, deixando ser levado pelo comodismo. Muitos idosos possuem baixa estima, isto é ruim, para eles, para família e para a sociedade. Que aproveitam destas colocações para a marginalização e o abandono.

  9. André Vinícius Vieites disse:

    O termo faixa etária foi substituído por estágio de vida por ser mais abrangente. Ver que essencial é a parte filosófica e contemplativa da mesma força de vida, ou sopro de devir divino, enfim tudo vem mudando a partir da blogueira de 106 anos que começou a postar suas mensagens aos 99 anos, impressionante mesmo. Aí que realmente basta estar pensando na vida, o que salva ela é a clareza das suas idéias originais.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *