Início » Brasil » Viciados em crack serão internados à força no Rio
Decisão polêmica

Viciados em crack serão internados à força no Rio

Prefeito do Rio ressaltou que dependentes químicos não têm condições de tomar decisões e que é preciso que 'alguém faça algo por eles'

Viciados em crack serão internados à força no Rio
Dependentes de crack serão internados à força (Fonte: Reprodução/Agência O Dia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A prefeitura do Rio de Janeiro deve criar cerca de 600 vagas para a internação compulsória de adultos viciados em crack. A medida, anunciada nesta segunda-feira, 22, pelo prefeito Eduardo Paes, já está causando polêmica.

Paes ressaltou que dependentes químicos não têm condições de tomar decisões e que é preciso que “alguém faça algo por eles”, reconhecendo, no entanto, a falta de estrutura adequada para dar conta de um grande número de internações forçadas. Esse tipo de procedimento já é realizado com crianças e adolescentes na cidade.

Vozes contrárias

“O que está decidido não é como vai ser feito e sim a decisão política. Eu como prefeito, decidi que o município do Rio vai ter internação compulsória de maiores de idade. A partir de agora as secretaria de Saúde e Assistência Social vão elaborar um projeto de como vai ser esse recolhimento”, afirmou Eduardo Paes.

A constitucionalidade da medida vem gerando discussões, e o próprio prefeito reconhece a polêmica. A legislação atual prevê que uma pessoa só pode ser internada contra a vontade caso seja comprovado que ela não é capaz de tomar decisões. Neste caso, há quem afirma que tal decisão tem que partir da Justiça, e apenas a família e o Ministério Público podem fazer tal solicitação.

O presidente da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro, Wadih Damous, entretanto, é favorável à internação forçada por, segundo ele, se tratar de um problema de saúde pública. A presidente do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro, Vivian Fraga, por sua vez, é contra, ressaltando que Paes tomou a decisão à revelia de processos democráticos.

Caro leitor, você é contra ou a favor da internação forçada dos viciados em crack? Por que?

Fontes:
O Dia - Prefeito anuncia que viciados em crack serão internados compulsoriamente

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

15 Opiniões

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    Sou a favor. Embora falando como leigo, parece-me evidente que os viciados em crack não tem capacidade para discernir, e sem a internação (compulsória ou voluntária) estão sujeitos a afundarem mais e mais no vício, até a morte. Raros são os que conseguem sair do vício, e nunca sem apoio. Moro perto das comunidades do Jacarezinho e Manguinhos, convivendo quase diariamente com a trágica realidade do crack. Já passou da hora há muito de tratar a questão do crack e outras drogas como problema de saúde pública, como se fosse a peste bubônica! E em tais circunstâncias, medidas ‘sanitárias’ são imperativas, mesmo que antipáticas, arbitrárias ou mesmo beirando a ‘inconstitucionalidade’. Não dá pra ‘brincar de democracia’, fazer plebiscito, quando o assunto envolve vidas!
    A questão maior, é realmente com quais recursos a Prefeitura/Governo estadual podem acolher a legião de viciados. Em quais condições? Terão um mínimo de dignidade, recursos reais para curarem-se do vício? Ou os centros de tratamento se transformarão em ‘depósitos de gente’, a exemplo da triste memória dos asilos psiquiátricos de até pouco tempo?… É preciso ter cuidado com isso.

  2. João Cirino Gomes disse:

    E ai prefeito vai haver mais escolas, e trabalhos dignos para que este pessoal tenha uma opção de vida digna?

    Ou os políticos já estão pensando em usá-los, para superfaturar seus tratamentos e embolsarem mais?

    Nós o povo vamos ficar de olho, e relou triscou estaremos denunciando!

    Não é possível um pai de família, trabalhar de sol a sol para ganhar o salario de seiscentos reais, e com este valor irrisório, ter que se sustentar e sustentar suas famílias, enquanto vemos canalhas dizendo, que cada preso, destes que estão embolados em pequenos cubículos, custam ao desgoverno mais de quatro mil reais mensais!

    Vai dizer que a cadeia é mais instrutiva que uma faculdade?
    Pois como sabemos, nem uma faculdade em período integral, custa tanto quanto dizem custar a estadia do preso!

    Isso é roubo, desvio, superfaturamento!
    A população desinformada, precisa acordar, abrir o olho, e se levantar deste berço expendido, onde os políticos canalhas, estão nadando de braçadas!

  3. João Cirino Gomes disse:

    Uma menininha de cinco aninhos, vendo o grande apelo de marketing dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos perguntou para seu pai :

    – Papai, o que são PARAOLIMPÍADAS ?

    O pai respondeu :

    – Assim como tivemos os Jogos PANAMERICANOS e os PARAPANAMERICANOS, teremos as OLIMPÍADAS e as PARAOLIMPÍADAS.

    As PARAOLIMPÍADAS, como os PARAPANAMERICANOS, são para os atletas especiais, com deficiência física ou mental. Entendeu, filhinha ?

    – Entendi tudinho, papai. É por isso que teve eleição PARAPRESIDENTE e o Lula ganhou, né ?

    Em tempos de Olimpíadas, vamos ver muita hipocrisia e demagogia destes descarados que querem, aparecer de santinhos na foto! Só estão enganando a si mesmos, e aos desinformados que desconhecem o que significado da palavra oportunismos e maracutaias!

    Continuam usando as vitimas deste sistema imundo e enganoso, para se favorecerem e se engrandecerem!

  4. ANTONIO SAVIO ALMEIDA disse:

    O estado está correto em adotar tais medidas, pois não adianta um discurso eloquente em nome do direito, enquanto a sociedade esta sendo consumida pelas drogas e pelos seus efeitos . Os dependentes quimicos tornam-se lixo humano e não tem condições de perceber que estão sendo consumidos pelo vicio e caminham para o fim. Paralelo a esta situação esta o cidadão de bem que em todos os instantes se vê ameaçado e vitima deste problema tão grave que assola nossa sociedade.

    O estado tem que oferecer ajuda para estes cidadão, que na maioria das vezes a familia não tem condições de interferir; e esta ajuda deve acontecer nesmo que seja de forma coercitiva. Enquanto o Estado fica discutindo a formalidade, o trafico avança sem preocupar com a dignidade humana, e muito menos com o certo ou o errado.

  5. carlos alberto disse:

    Enxugando Gelo

    O Estado mobiliza um aparato militar para combater o tráfico de drogas, mas, de forma irônica, os principais mantenedores do comércio ilícito, que são os usuários, são liberados.
    Os viciados em drogas não têm condições de escolher se querem ou não ficar nos Abrigos. Neste momento não é importante saber – se é maior ou menor de idade. Um dia, eles foram na “boca de fumo” para se viciar e sabiam que estavam fazendo algo de errado. Tem que ser compulsória a permanência deles, ou seja, prisão para todos os envolvidos (remédio amargo para doença amarga…). As leis têm que mudar e endurecer para quem vende ou compra drogas. A “oferta” e a “procura” estão prevalecendo, e as autoridades estão “enxugando gelo” e fazendo papel de babá desses irresponsáveis.
    Falar em “enxugar gelo” teve um Secretário de Segurança que foi muito criticado por usar tais termos, mas, ele estava certo; quase nada mudou de lá para cá… Em se tratando de combate às drogas, o lixo está sendo colocado embaixo do tapete. O problema é resolvido num lugar, mas logo é transferido para outro. A Cidade vai ficar livre para os jogos da Copa e as Olimpíadas, mas a Zona Oeste vai ficar cheia de viciados em drogas, cujas consequências já sabemos de antemão.

    Ufa! Até que enfim! Não votei no Prefeito, mas dessa vez ele merece aplausos!

  6. João Cirino Gomes disse:

    Eu estou cansado de ver a mídia sensacionalista mostrar ao mundo meninos de bermudas, descalços, sem camisas aparentemente desnutridos e dizer que estes são os integrantes do crime organizado!

    Enquanto que os verdadeiros integrantes do crime organizado, que vem semeando o desemprego, a miséria e a violência, estão se passando por santinhos, buscando meios de solucionar o problema que criaram com seus desvios, seus roubos, superfaturamentos, punindo suas vitimas!

    Sou contra a droga; mas tem, ou não tem politico entre os que fazem passeatas para liberação da maconha?

    Sera que perdemos o senso da rasão?

    Com trabalho e salários dignos, educação de qualidade, veríamos mudanças neste sentido!

    Quando o ser humano perde a honra e a dignidade, as drogas se tornam seu refugio, seja no trafico ou no consumo!

    Não adianta o desgoverno roubar os aposentados para dar bolsa família, MONTANDO O CURRAL ELEITORAL E sair bem na foto!

    Vão prender usuários e deixar traficantes soltos?

    Vão construir mais cadeias e hospitais superfaturados e superlotá-los de mendigos?

    Esta solução é bem comoda: Quem se ferra de novo, somos nós, a população que pagamos as maiores taxas tributarias do universo para dar mordomias a espertalhões!

    Estamos vendo muitas falacias em torno de punição; Mas Onde estão os trilhões, que levaram os integrantes da quadrilha mensalão?

  7. João Cirino Gomes disse:

    Para os de mentalidade curtinha droga são somente aquelas ilícitas; as que prejudicam a sociedade em geral, mas dão lucro em forma de imposto, como cigarro, calmantes e bebidas alcoílicas, deixam de ser droga para quem não tem discernimento!

  8. ADRIANO TOLEDO disse:

    Sou a favor. Chega de utopia. O cidadão comum, seus filhos, netos, os filhos de seus vizinhos etc, também tem direito em viver em uma sociedade menos ameaçada por indivíduos drogados, que financiam o mercado de drogas e armas, que por fim nos sufoca mais, cada dia mais violenta. Este discurso de direitos humanos ao avesso é uma falácia – a ficha já caiu. Seus maiores defensores não estão interessados mais em dar uma tragadinha do que no direito em si? Qual a solução factível que propõe além da “construção de um mundo mais justo”? Só propõem a utopia !!!

  9. Joao Rodrigues disse:

    Na minha opinião temos que aplaudir a iniciativa da Prefeitura do RJ, pois sem internação é impossivel recuperar o dependente.
    Hoje assistindo ao Jornal Nacional vi uma terapeuta criticando a ação dizendo que é preciso avaliar qual será a estrutura adotada para tratá-los, pois precisam de maxima qualidade no atendimento, ou seja, para cada 3 psicologos teria que haver 1 médico disponível. Concordo que devemos buscar a qualidade no tratamento, porem, se houvesse 1 médico e 1 psicólogo para cada 10 depedndentes ainda assim já haveria muito mais qualidade do que a vida que eles levam nas ruas buscando se drogar.
    Também será utopia imaginar que 100% dos dependendtes tratados serão curados do vicio, pois nem pessoas com todos os recursos disponíveis conseguem exito em 100% dos casos.
    Chega de hipocrisia, os mesmos que criticam esta ação nunca moveram uma palha para sugerir saidas para o problema, agora vem posar de bonzinho buscando o calor dos holofotes…

  10. João Cirino Gomes disse:

    Eu admiro a inocência de alguns comentaristas; ou são inocentes, ou estão de combinação com os safados, ou leigos até!
    Os políticos dizem que não tem verbas para a educação, não tem para a segurança, não tem para a saúde, não tem para a moradia, que são as necessidades básicas em uma sociedade, vou acreditar que políticos estão preocupados com a saúde de dependentes químicos; se nem o cidadão comum, que paga impostos exorbitantes, mais INSS consegue marcar uma consulta e obter atendimento médico?

    Os que estão aplaudindo a iniciativa do desgoverno; ou estão envolvidos na politica porca, ou deveriam se atualizar!

    Ser simplório tem limite!

  11. Paulo Nascimento disse:

    Alguns comentários anteriores já me pouparam muito tempo e palavras. Acho que está certo mesmo e quem tiver uma solução melhor que apresente, ou cale-se diante da decisão do prefeito. Também quero isso nas cidades do estado em que moro.

  12. Renato disse:

    A internação compulsória feita de forma indiscriminada e sem discussão com a saúde vai contra a todo o processo democrático. Durante anos caminhamos com a política de redução de danos para atender a população usuário de drogas, e agora a proposta é internar compulsoriamente? Qual é a proposta de acompanhamento após o período de internação? Alguém já fez essa pergunta para o prefeito? O prefeito deveria estar discutindo com a SMSDC a ampliação da rede de assistencia psicossocial, pensando em abrir Centros de atenção para atendimento a essa população, investir nos consultórios de rua essa é a direção dos países de primeiro mundo como a Suiça e a Holanda, que já passaram pela experiência de viver e fazer exatamente o que o Prefeito quer fazer no Rio e não deu certo. Portanto Eu sou contra essa política de judicializar a vida e trancafiar as pessoas que precisam de atendimento.

  13. Cristiano disse:

    Sou a favor, trabalho no centro de bh e convivo com essa realidade todos os dias.. um pereco, “craqueiro” ou “noiado” não é capaz de tomar decisões. Se tornam bichos do asfalto.

  14. ines galluzzi disse:

    Sou a favor, pois são doentes impotentes em definir seu tratamento e concordo que alguém deva fazê-lo. Entendo que a Assistencia Social e a Secretaria de Saúde pela finalidade e papel que exercem na sociedade devam estabelecer um programa humanitário e coerente.

  15. FERNANDA disse:

    A questão crucial é: Essas pessoas que moram na rua, não tem mais contato com a família, não tem estudo, não tem oportunidade de emprego, não tem dinheiro para comprar um pão (…) E quando acabar o prazo de internação? Pra onde elas vão voltar? Para rua? SIM, PARA RUA! Porque vamos ser claros, o Brasil não tem um programa de reinserção social! As famílias dessas pessoas (os que tem) não vão receber um acompanhamento psicológico, para saber como lidar com os internos quando voltarem, para concretizar de fato o tratamento! Essa medida me espanta, o governo está querendo camuflar um problema MUITO maior do que os viciados! Apesar que…a copa ta chegando né, vamos “limpar” as ruas do nosso querido Rio de Janeiro e fazer bonito para os nossos amigos do primeiro mundo.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *