Início » Cultura » 28º Bienal Internacional de São Paulo
Cultura

28º Bienal Internacional de São Paulo

Em vivo contato. Com este título, foi aberta em 26 de outubro de 2008 (encerrada em 6 de dezembro), a 28º Bienal Internacional de São Paulo, com entrada franca.

Os curadores Ivo Mesquita e Ana Paula Cohen selecionaram 42 artistas de 20 diferentes nacionalidades.

O tema “Em vivo contato” quer fazer com que as pessoas entendam o real significado do espaço físico em que vivem e dividem com o outro. Seus limites. Seu quadrado.

Quer também fazer com que aprendam a refletir sobre a Arte brasileira com a internacional, por exemplo.

Conflitos gerados desde a última Bienal (uma crise específica de gestão, verbas cortadas ao meio), e depois de muita discussão, Ivo Mesquita  que também é curador da Pinacoteca do Estado de São Paulo, foi chamado para fazer a curadoria e a organização do evento.

Por conta dos desentendimentos, Ivo teve apenas oito meses para compor a Bienal, o que, em geral, é feito em 2 anos.

Fazendo uma análise do que ocorreu na tão concorrida mostra internacional, podemos dizer que esta Bienal ficou conhecida como a “Bienal do vazio”, visto que o curador decidiu, como convite para uma reflexão sobre a Arte (protesto?), deixar o 2º andar do Prédio de Niemeyer, completamente vazio: 12 mil m² de vidraças e colunas a mostra.

A esta altura, será que Ivo Mesquita não considerou os eventuais ‘casos’ que poderiam ocorrer e só manteve seu olhar para as reflexões que impôs ao optar por um andar vazio?
Um desses ‘casos’ aconteceu logo no 1º dia de visitação.

Um grupo, com 40 jovens, pichou as paredes do andar vazio, como forma de protesto, alegando que o ato de pichar era Arte. Uma jovem foi detida.

Alguns visitantes aplaudiram a ação.

Um outro ‘caso’ foi do artista plástico Maurício Ianês, que por 13 dias morou no andar vazio completamente nu. Chegou sem nada e dormia no chão frio. A idéia era contar com a solidariedade das pessoas e daí então passar a receber alimento, água, agasalhos e mimos do público. Foi o que aconteceu. Aos poucos, com seus pertences, foi criando limites dentro do espaço vazio. Em vivo contato.

Mas, fora polêmicas, os 42 artistas selecionados expuseram suas obras em harmonia, e paralelamente à mostra, foram apresentados performances, um ciclo de palestras, dança, literatura, música, etc, engrandecendo o evento e proporcionando ao público o entretenimento esperado nas grandes Bienais.

É sempre bom lembrar que um copo vazio está cheio de ar!!! (Ah!, Chico!!!)

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *