Início » Cultura » A ‘cápsula do tempo’ que intriga historiadores
Relíquia na Biblioteca Nacional

A ‘cápsula do tempo’ que intriga historiadores

Encontrada em meio às obras na zona portuária do Rio, caixa revestida de chumbo continha um exemplar do Diário Oficial de 1870. Mas ninguém ainda sabe porquê

A ‘cápsula do tempo’ que intriga historiadores
A 'cápsula': caixa de madeira revestida internamente de chumbo, e um Diário Oficial de 1870 (Crédito: Fernando Amaro)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Uma misteriosa cápsula do tempo vem intrigando pesquisadores. O resquício é uma caixa de madeira revestida internamente de chumbo, encontrada em meio às obras na zona portuária do Rio, e agora está aos cuidados do Laboratório de Restauração da Fundação Biblioteca Nacional (FBN/MinC). Datada de agosto de 1871, o material estava numa caixa de madeira na pedra fundamental das docas de Pedro II, localizadas no Parque Noronha Santos, na Praça XI, centro do Rio, e continha um exemplar do Diário Oficial da época. Resta aos pesquisadores investigarem o porquê.

Para aumentar o mistério, uma consulta ao acervo da instituição verificou que tal edição não faz qualquer menção à caixa – tratando apenas de transações comerciais do governo à época.

Segundo o site da Biblioteca Nacional, o material ainda deverá ser submetido a uma irradiação de cobalto 60.
“O processo tem como objetivo eliminar uma proliferação de micro organismos e deve acontecer no Instituto de Pesquisas Nucleares, em São Paulo”, conta Jayme Spinelli, coordenador de preservação da FBN. Só assim, os pesquisadores ficarão à vontade para investigar as razões que levaram à escolha do material para preservação e o seu real conteúdo.

Fontes:
Blog da Biblioteca Nacional - Biblioteca Nacional restaura “cápsula do tempo”

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. áureo Ramos de Souza disse:

    em 1817 e na praça 11, acontece que quando estavam construindo a citada praça havia muita criança ao redor e esqueceu o brinquedo os homens não viram tacaram cimento e só agora encontraram e o menino morreu. É cada coisa que encontram e será que tem a data 1817?

  2. Dorival Silva disse:

    Não vejo mistério nisso. Antigamente era usual colocar um jornal ou outros documentos na pedra fundamental de obras importantes para marcar a data para futuras gerações de pesquisadores.

  3. Eduardo Gomes de Abreu disse:

    Sem querer ser pratico demais, mas o exemplar do Diario Oficial prova a data do evento de lançamento das obras, é assim ainda hoje, até nos filmes de ficção de viagens no tempo, os noticiários são usados para ver a data onde estão
    no momento, no caso o Diário Oficial prova isto, e é de dificil falsificação o que naquela época da imprensa por tipografia, facilmente poderia ser gerada a edição de um jornal qualquer, o que o Diário Oficial não é.

  4. Renato Vasconcellos disse:

    Meu palpites é que enterraram para que notícias da época fossem reveladas no futuro. Temos muito que investigar da nossa história principalmente dos séculos XV ao XVII.

  5. Gloria Bach disse:

    Estas ” capsulas do tempo” sao comuns ao serem enterradas em grandes eventos, com tudo que havia na epoca, como noticias, lcelebridades, fotos. Eh comum fazer-se em colegios e ninguem sabe aonde foi enterrada, somente aquele que o fez. Eh muito gratificante ler ou ver o passado. Daqui a anos ao serem descobertas como esta em especial fica-se sabendo o que aconteceu na epoca. Neste caso, este jornal, e quem sabe nao havia outras coisas que o tempo levou com ele. Se desfizeram,se desintegraram.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *