Início » Cultura » A vida de Tennessee Williams
Livro

A vida de Tennessee Williams

Uma magistral biografia do dramaturgo mais radical do século XX

A vida de Tennessee Williams
Williams foi criado em uma família profundamente disfuncional liderada por pais que odiavam um ao outro (Reprodução/Getty Images)

Quando Thomas Lanier Williams III decidiu, aos vinte e poucos anos, se tornar um dramaturgo, ele não havia, de acordo com ele próprio, “visto mais de duas ou três produções profissionais de companhias itinerantes que passavam pelo Sul e Meio-Oeste”. A respeito de sua primeira peça produzida de maneira profissional ele escreveu “provavelmente nenhum homem escreveu para o teatro com menos conhecimento prévio do ofício”. Mas ele tinha uma coisa a seu favor: fora criado em uma família profundamente disfuncional liderada por pais que odiavam um ao outro.

Seu pai, Cornelius Coffin “CC” Williams era um caixeiro-viajante taciturno e sem amor inclinado a ataques de ira alcoolizada (ele vinha de uma das famílias mais antigas do Tennessee – daí o pseudônimo do seu filho). Edwina, mãe de Williams, era preconceituosa, frígida e religiosa, mas também tão loquaz quanto seu marido era lacônico. Rose, a irmã, viveu a maior parte de sua vida em instituições psiquiátricas e foi submetida a uma das primeiras lobotomias realizadas nos EUA (ela também foi a principal beneficiária do espólio considerável legado por ele).

Espectadores contemporâneos, particularmente os jovens, acostumados tanto à aceitação aberta da homossexualidade quanto à retratação fiel do sexo no palco, podem achar o tratamento que Williams dá ao desejo exagerado ou arcaico. Mas à sua época ele era um radical. Ele deslocou o realismo social de Eugene O’Neil e Anton Chekhov para o interior, para o coração humano. Se ao fim da vida sua obra parecia deveras antiquada, foi ele que estabeleceu essa antiguidade.

 

Fontes:
The Economist-Making Tenn out of Tom

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *