Início » Cultura » Beethoven é tema de mais uma biografia
Livro

Beethoven é tema de mais uma biografia

Por que vale a pena acrescentar ‘Beethoven: Angústia e Triunfo’, de Jan Swafford, às suas prateleiras

Beethoven é tema de mais uma biografia
Beethoven é provavelmente o compositor mais famoso que já viveu (Reprodução/Internet)

“Quem consegue fazer qualquer coisa depois de Beethoven?”, perguntou Schubert. Compositores que vieram depois tiveram de se esforçar. Por outro lado, para os escritores o grande homem deixou um farto banquete. A primeira biografia docompositor surgiu pouco mais de uma década após sua morte e novas versões continuam a ser publicadas até hoje. Algumas são excelentes e ainda estão em circulação. A mais recente, “Beethoven: angustia e triunfo”, de Jan Swafford, chega para acrescentar a este rico acervo.

Beethoven é provavelmente o compositor mais famoso que já viveu. Sua “Ode à Alegria”, que conclui sua Nona Sinfonia (hino oficial da União Europeia) é uma das composições mais conhecidas do mundo. A história tempestuosa de sua vida também é familiar para milhões de pessoas: uma criança prodígio pressionada pelo pai, um exímio tecladista que logo se transformou em um compositor altamente inovador e passou a produzir músicas sublimes; uma figura pública muito elogiada mas também insultada; um homem atormentado por problemas de saúde e, mais cruelmente, acometido por uma surdez progressiva ainda na juventude; um espírito livre com um temperamento explosivo, rude, paranóico e egocêntrico, que não teve sucesso com as mulheres e não soube gerir seu dinheiro ou sua vida.

Swafford, um compositor e musicólogo americano, já havia escrito duas biografias bem recebidas, de Johannes Brahms e Charles Ives, quando embarcou neste livro. Ele passou 12 anos pesquisando a vida de Beethoven, como seu livro demonstra. Ele cavou fundo e encontrou algumas novas fontes, incluindo uma coleção de 60 volumes de estudos históricos regionais, o Bonner Geschichtsblätter (Crônicas Históricas de Bonn), que revelou algumas novidades sobre os primeiros anos de Beethoven. Mas os episódios mais intrigantes da vida do compositor já foram extensivamente estudados e não há nada de drasticamentenovo. O leitor interessado já sabia sobre o “Testamento Heiligenstadt”, por exemplo, uma carta a seus irmãos escrita quando o compositor, aos 31 anos, considerava o suicídio, mas prometia continuar a viver por causa de sua arte. Sua correspondência apaixonada com a “Amada Imortal”, uma misteriosa mulher que nunca foi identificada, foi analisada a fundo em outras obras também.

No entanto, “Beethoven: angústia e triunfo” é uma leitura altamente gratificante, com uma leveza que faz a história ganhar vida. Beethoven viveu em uma época notável. Sua juventude foi mergulhada no Iluminismo e seguida por revolução e guerra em toda a Europa. Ele escapou dos horrores da guerra, mas chegou perto. O livro de Swafford fornece contexto suficiente para o leitor entender como tudo isso afetou Beethoven o homem e o músico.

 

Fontes:
The Economist-Sturm und Drang

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *