Início » Cultura » Artes Plásticas » Bienal de Veneza: como o mundo virou essa confusão?
Arte contemporânea

Bienal de Veneza: como o mundo virou essa confusão?

As três galerias do Vaticano foram dedicadas à criação do mundo, mas qualquer um que espere se deparar com imagens do todo poderoso se decepcionará

Bienal de Veneza: como o mundo virou essa confusão?
Exposição mostra algo totalmente irreverente (Reprodução/Internet)

O maior festival de arte do mundo, a Bienal de Veneza, nunca se limitou apenas à arte. Em 1930, Benito Mussolini, o ditador fascista da Itália, viu o potencial propagandístico da Bienal e a administrou em seu gabinete. Neste ano muitos dos artistas selecionados para ocupar os pavilhões nacionais mais uma vez estão tirando o pulso de suas nações.

As três galerias do Vaticano foram dedicadas à criação do mundo, embora qualquer um que esteja esperando se deparar com imagens do todo poderoso se decepcionará. O pavilhão é tido como um sucesso devido à sua abordagem dogma-light. O pavilhão do Iraque (apenas sua segunda edição em Veneza) recebeu muitos elogios. Jonathan Watkins, o curador da mostra, viajou a Bagdá, Basra, Babilônia e Curdistão em um carro blindado visitando mais de 100 artistas antes de selecionar 11. Trata-se de arte feita contra todas as adversidades.

Ao lado dos pavilhões se encontra a mostra principal, que costuma ser decepcionante, mas que neste ano é o destaque do festival. “O Palácio Enciclopédico”, com curadoria de Massimiliano Gioni do New Museum de Nova York, trata da maneira pela qual as pessoas ordenam a informação que lhes bombardeiam.  Além de alguns nomes conhecidos, Gioni incluiu obras feitas por artistas autodidatas da periferia da sociedade, tal como pacientes de manicômios e autistas. Shinichi Sawada, que mal consegue falar, tem uma galeria dedicada a seus animais de cera profundamente assustadores. Sua obra –- e a mostra como um todo – oferece algo diferente: arte que é genuinamente surpreendente.

 

Texto da revista Economist editado para o Opinião e Notícia

Tradução: Eduardo Sá

Fontes:
The Economist-The artistic solution
BBC-Em imagens: Bienal de Veneza

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Iva disse:

    Sem uma foto sequer? O Opinião e notícia está começando a assemelhar-se com a rede Globo: sempre a notícia incompleta, sem responder uma pergunta, sem opinar, sem posicionar-se….Que pena, terei de buscar informação em outro lugar.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *