Início » Cultura » Cachoeiras e Parque Municipal do Mendanha
Rio contra corrente

Cachoeiras e Parque Municipal do Mendanha

O Rio Guandu Sapê escorre pela Serra do Mendanha, um dos maiores redutos da Mata Atlântica ainda existente na cidade, e forma quedas de água de encher os olhos. Por Emanuelle Bezerra

Cachoeiras e Parque Municipal do Mendanha
Segunda cachoeira, de cinco, na Serra do Mendanha

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Rio Guandu Sapê escorre pela Serra do Mendanha, na Zona Oeste do Rio de Janeiro e forma quedas d’água de encher os olhos, poços cristalinos e, de quebra, divertidos escorregas na água sobre as pedras. Mas só tem acesso às cachoeiras quem estiver disposto a percorrer uma trilha de quase duas horas.

Existe um caminho mais fácil e que leva apenas 40 minutos para chegar a uma das cachoeiras, mas quem quiser seguir por ele irá perder a maior parte da diversão e da beleza do lugar. A trilha que passa por pelo menos cinco piscinas naturais se modifica a cada visita, segundo o guia Vantuil Peixoto, e por isso é preciso improvisar o caminho. Passar por dentro da água, por baixo de troncos e se equilibrar usando cipós é um atrativo à parte.

Apesar disso, a subida é tranquila e mesmo em dias muito ensolarados o clima é fresco, já que se trata de mata fechada. O Mendanha é destino de muitos turistas, e também de cariocas, que procuram fazer ecoturismo. Apesar do cansaço que a trilha pode trazer, o contato direto com a natureza faz qualquer pessoa relaxar. Além disso, a terceira cachoeira é ideal para a prática de rapel e tirolesa.

Para conferir, deve-se seguir pela Avenida Brasil até o bairro de Campo Grande e entrar na Estrada do Mendanha. Em seguida, na Estrada Abílio Bastos, onde os moradores oferecem seus vastos quintais (existem muitos sítios na localidade) para estacionamento, bem próximo à subida da trilha.

Parque Natural Municipal do Mendanha

Quem quiser continuar o passeio até o fim do dia, pode programar um piquenique para depois das cachoeiras no Parque Natural Municipal do Mendanha. O lugar oferece piscina, churrasqueiras, playground em eucalipto, torre de observação de aves, outras cachoeiras e trilhas ecológicas menores e pontes suspensas nas árvores. A área florestada ainda abriga uma grande biodiversidade, típica das encostas da Mata Atlântica. Existem mamíferos, inúmeros anfíbios e répteis, mas são as aves que mais se destacam visivelmente. O visitante tem acesso à área do parque através da Estrada do Guandu do Sena, cujos extremos encontram a Avenida Brasil, na altura da entrada para o bairro de Bangu e na saída de Campo Grande.

O parque era uma fazenda onde se cultivava café e cana-de-açúcar para a produção de açúcar. Mas a urbanização de Bangu, por conta da instalação da fábrica da Companhia Progresso Industrial do Brasil, e também a chegada da linha férrea que cruzou a cidade até o bairro de Santa Cruz por volta de 1890, fez com que o local deixasse de ser predominantemente agrícola e o cultivo de café e cana cessasse.

A Fábrica Bangu, como ficou conhecida, precisava abastecer com água as vilas que formou para seus operários  e que mais tarde deram origem ao bairro. Para isso, construiu um reservatório na Serra do Mendanha, acompanhado de um aqueduto. Este reservatório ficou conhecido como “Caixinha” e se transformou em ponto de referência do Maciço para os habitantes da região. A “Caixinha” foi durante muito tempo utilizada como área de lazer para os dirigentes da Fábrica Bangu, pelas belezas naturais do local.

Por isso, boa parte dos terrenos que hoje formam o parque pertencia à companhia que foi uma das maiores incentivadoras da criação do parque, já que a situação financeira da empresa não possibilitava mais a manutenção do local. A companhia negociou os terrenos com o Banco do Brasil, como forma de perdão de dívidas com a condição de que o BB vendesse o local para a prefeitura do Rio de Janeiro pelo mesmo valor. Por meio desta negociação, foi possível abrir à visitação um dos maiores redutos da Mata Atlântica ainda existente na cidade.

Leia também:

Reserva ambiental preserva a beleza de Grumari e Prainha

Séculos de música e história com o cravista Roberto de Regina

Barra de Guaratiba: Burle Marx, Marambaia e comida de qualidade

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

12 Opiniões

  1. Regina Caldas disse:

    vivendo e aprendendo…que paisagens lindas!

  2. Elisa Aurélio disse:

    Lá tem reservas minerais? Não? Sorte nossa e de todos. Porque em Minas Gerais, na região da Serra do Gandarela, junto às cidades de Itabirito, Raposos, Nova Lima, Congonhas, Rio Acima, Barão de Cocais, Conceição do Mato Dentro e outras, Há locais também maravilhosos, semelhantes a esses, cheios de cachoeiras e paisagens maravilhosas, que Deus reservou para os brasileiros e, INCRÍVEL, a Cia. Vale do Rio Doce está destruindo tudo, desordenadamente, pela extração de minério. Acessem o site http://www.aguasdogandarela.org e se manifestem. O processo de licenciamento do Projeto Mina Apolo, verdadeiro crime contra a humanidade por causa da destruição dos mananciais de água ali existentes, está suspenso por força da atuação do Instituto Chico Mende – ICMBio e do Ministério Público, porém, para inibirmos a força do capital desumano e da corrupção, é necessário o conhecimento e participação de todos em defesa da VIDA. No próximo dia 15 de maio haverá uma caravana em Brasília para IMPLORAR à Presidente da República a criação do PARQUE NACIONAL DAS ÁGUAS DO GANDARELA (www.aguasdogandarela.org), pelo menos para minimizar os efeitos devastadores da exploração minerária rudimentar. PARTICIPEM, SENÃO MINAS “AVANÇA” PARA A DESTRUIÇÃO !!! Em vez da indústria extrativista do minério lutamos pela indústria do turismo, que é mais apta para garantir empregabilidade e renda à população em geral.

  3. Ingrid disse:

    Já fiz esta trilha duas maravilhosas e perfeitas vezes. Cada vez que percorremos a mata encontramos um novo caminho que a natureza nos ‘obriga’ passar. As piscinas naturais são convidativas para um período de relaxamento do corpo e renovação de energia. Enfim, melhor do que falar deste lugar e se deliciar com estas fotos maravilhosas é visitá-lo. Parabéns pela matéria, e deixo aqui uma sugestão para outras mais serem escritas dentro deste segmento que sou fascinada!
    “A natureza é o único livro que oferece um conteúdo valioso em todas as suas folhas.” Johann Goethe

  4. fabiane disse:

    caramba moro em campo grande….e ainda nao conheço essa maravilha ao ver as fotos me emocionei com tanta beleza……..o corre corre do dia a dia acaba nos impossibilitando de usufruir de tanta beleza……….mas um dia ainda vou la…………

  5. Mateus disse:

    Lugar simplesmente fantástico!! MARAVILHOSO!!!! Fiquei realmente impressionado!! Sem contar que quem tirou as fotos escolheu o melhor ângulo e com uma iluminação natural de dar inveja!! Realmente muito bom, de verdade!

    Nós da Ikebana Flores, como sempre nos preocupamos com o meio ambiente e pretendemos sempre preservar criamos uma campanha chamada “Plante uma Árvore no Gandarela”. Não sei se você sabe, mas o Gandarela é um Parque que fica situado entre a serra do Curral e a serra do Caraça. E por se tratar de ser um divisor de água da bacia do Rio São Francisco e do Rio Doce, essa serra abriga um rico manancial de água potável responsável por abastecer a cidade de BH e sua região metropolitana. Ou seja, esta região é de extrema importância para os mineiros. Além de ter uma paisagem de tirar o fôlego!

    A campanha tem o intuito de mobilizar os blogueiros de capital em torno do plantio de mudas de árvores nativas nas áreas que mais foram devastadas do parque. Ao participarem da campanha e divulgarem em seus blogs, através de nosso Link, ganharão uma muda de árvore. Essa muda será plantada pela floricultura Ikebana Flores e levará o nome de seu colaborador. Bacana demais, né!?

  6. Nathália disse:

    Precisa de carterinha pra entra ?!

  7. Mary Hellen disse:

    este luga ainda se encontra em funcionamento ????

  8. Diogo Sanfins disse:

    FIZ A TRILHA E CHEGUEI NA CACHOEIRA ONDE TEM O ESCORREGA, MAS NAO PASSEI AONDE ESTA AS 4 ÚLTIMAS FOTOS… ÁLGUEM PODIA INFORMAR COMO FAZ PRA CHEGAR ???

  9. ALOÍSIO SAMPAIO disse:

    Faço todas as trilhas do rio de janeiro e tenho 03 grupos de trilhas travessias e camping.
    posso lhes tirar qualquer duvida também em relação as cachoeira do mendanha.
    Caminhando pela trilha principal das cachoeiras, se pode alcançar todas elas. Ao se chegar na pedra do escorrego, existem varias opções de banho. “Subindo” a esquerda do escorrego, se pode alcançar outros três bons poços com 1:30 há 04 metros de profundidades, seguindo hora por dentro da cachoeira, hora pela trilha ao lado esquerdo de subida. Descendo depois do escorrego, pode se alcançar duas belíssimas quedas de água com aproximadamente entre 05 e 12 metros de altura. Para se chegar nestas duas quedas de água, existe uma trilha ao lado direito de descida da cachoeira.
    MAIS INFORMAÇÕES:
    (Trilhas & Camping – Amantes da Natureza – Rosa dos Ventos) No facebook

  10. ALOÍSIO SAMPAIO disse:

    É porque este caminho é o caminho das torres e do mirante!
    Diferentemente da trilha da cachoeira do escorrego!

  11. willians disse:

    Gostaria de saber se há grupos q fazem trilha neste local frequentemente , se hover gostaria q deixasem seus contatos . Obrigado e bom dia .

  12. Leandro Azevedo disse:

    A serra do mendanha é maravilhosa.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *