Início » Cultura » Cândido Rondon conclui a ligação telegráfica entre o Rio de Janeiro e a Amazônia
Nesta Data

Cândido Rondon conclui a ligação telegráfica entre o Rio de Janeiro e a Amazônia

No dia 27 de novembro de 1907 o major Cândido Rondon conclui a primeira ligação telegráfica entre o Rio de Janeiro e a Amazônia

Cândido Rondon conclui a ligação telegráfica entre o Rio de Janeiro e a Amazônia
Rondon fez parte da guarda que ajudou o Marechal Deodoro da Fonseca a assumir o posto de comando, e declarar a República brasileira (Reprodução/Internet)

No dia 27 de novembro de 1907, o major Cândido Rondon conclui a primeira ligação telegráfica entre o Rio de Janeiro e a Amazônia, via Mato Grosso, penetrando 997 km pela selva.

Cândido Mariano da Silva nasceu no dia 5 de maio de 1865, no Mato Grosso. Descendia de portugueses e espanhóis pelo lado paterno e de índios pelo lado materno. O Rondon era sobrenome avó paterna e Cândido Mariano acrescentou-o muitos anos depois, quando se mudou para o Rio de Janeiro e entrou para o exército.

Rondon fez parte da guarda que ajudou o Marechal Deodoro da Fonseca a assumir o posto de comando, e declarar a República brasileira. O projeto Republicano, desde o começo, queria estender as comunicações telegráficas pelo país, e Rondon foi ajudar nessa empreitada, indo para Cuiabá.

Em 1890 ele foi integrado na Comissão Construtora de Linhas Telegráficas de Cuiabá ao Araguaia. A partir de então, iniciou uma carreira de expedicionário no Mato Grosso, como construtor das linhas telegráficas, no que ficou conhecido como Comissão Rondon.

Esta foi também marcada pela apetência para promover contatos e a pacificação das tribos indígenas, que viam os territórios invadidos pela construção das vias de comunicação. Movido por crenças positivistas, o seu lema “morrer se preciso for, matar nunca”.

Rondon teve um trabalho importante no contato com os indígenas e tentando demarcar e conseguir terras. A partir de 1910 chefia a convite do ministro Nilo Peçanha, o Serviço de Proteção ao Índio. Aceita diversas missões espinhosas e morre em 19 de janeiro de 1958 aos 93 anos.

Fontes:
InfoEscola

2 Opiniões

  1. Isam disse:

    Exemplo a seguir, grande militar que dedicou sua vida em prol da Pátria!

  2. Roberto1776 disse:

    Quem estudou história do Brasil (não revisada pela esquerdalha brasileira) ainda tem motivos de alegria com o Brazil (era assim que se escrevia o nome do nosso país no início do século 20, antes que gramáticos politicamente corretos começassem a infernizar a vida de quem escreve).
    O atualmente execrado Arthur da Costa e Silva é outro MILITAR que merece o nosso respeito, pois foi no governo dele que se iniciou a construção da ponte Rio Niterói, sem falar na construção de Itaipu, sem a qual o país estaria as escuras há muitos anos.
    Novamente, dependemos das Forças Armadas para pôr um basta na bolcheviquização do Brasil.
    Será que eles assumirão o seu papel constitucional de nos proteger das ideias do Foro de Cuba(SP)?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *