Início » Cultura » Caravaggio encontrado em sótão é orçado em US$ 171 milhões
FRANÇA

Caravaggio encontrado em sótão é orçado em US$ 171 milhões

A pintura ‘Judith e Holofernes’, obra perdida do mestre italiano Caravaggio, foi encontrada em um sótão em Toulouse, na França, e vai a leilão em junho

Caravaggio encontrado em sótão é orçado em US$ 171 milhões
Pintura retrata o Livro de Judith, da versão católica romana do Antigo Testamento (Foto: Sociedade de Estudantes de Leiloeiros Franceses)

Em 2014, o leiloeiro francês Marc Labarbe recebeu um telefonema de um amigo. Ele fez uma descoberta surpreendente no sótão de sua casa, em Toulouse: uma pintura, coberta de poeira e manchada por um vazamento de água, que parecia ser algo de valor. Labarbe aproximou-se cautelosamente, limpando um dos rostos pintados com algodão e água. Ele enviou uma foto para o avaliador de arte Eric Turquin, que vive em Paris, e depois esperou.

Turquin identificou-a como uma obra perdida do mestre italiano Caravaggio: “Judith e Holofernes”, que se acredita ter sido pintada em 1607. Uma coletiva de imprensa anunciou ao mundo: em 27 de junho, Labarbe a leiloará em Toulouse, onde se espera que seja vendido por até US$ 171 milhões. “Esta é a maior pintura que já encontrei. É muito violento. É quase insuportável. Mas ele é um artista que encarna o texto – ele faz o texto viver”, disse Turquin.

O texto em questão é o Livro de Judith, encontrado nas versões católicas romanas e ortodoxas orientais do Antigo Testamento. Judith era uma viúva da cidade de Bethulia, sitiada pelo exército do general assírio Holofernes. Para salvar sua cidade, ela seduziu o general em sua tenda antes de decapitá-lo, como retrata visivelmente a pintura de Caravaggio.

Segundo Turquin, a pintura tem uma história complicada. Criada depois que Caravaggio fugiu de Roma, acusado de assassinato, reflete a mudança marcante no estilo que o artista desenvolveu enquanto estava exilado em Nápoles. “Caravaggio estava ficando mais sombrio no final de sua vida. Ele estava ficando mais radical”, disse Turquin.

Quatro documentos provam sua procedência: duas cartas de 1607 para o duque de Mântua, descrevendo a pintura; uma demonstrando a vontade de 1617 do negociante de arte e pintor Louis Finson; e um inventário da propriedade de Abraham Vinck, sócio de Finson, realizado em Antuérpia, em 1619.

Depois de 1619, o destino da pintura se tornou mais obscuro, embora, de acordo com a galeria Colnaghi, ela possa ter sido exibida em Antuérpia em 1689. “Não sabemos para onde vai depois de 1689”, disse Turquin.

Antes da descoberta em Toulouse, apenas uma cópia meticulosa de “Judith and Holofernes”, pintada por Louis Finson, indicava a existência do original.

A cópia de Finson, é claro, indica um problema: como podemos ter certeza de que a pintura de Toulouse é a original, e não apenas outra réplica? Para Turquin, dois aspectos da obra de arte provaram sua autenticidade. A primeira, sua vivacidade: “Uma cópia é seca e sem energia”, explicou ele.

Há também algumas evidências mais tangíveis: a presença de pentimentos, também conhecidos como vestígios de alterações, sob a pintura. “Uma copiadora apenas reproduz exatamente o que está à sua frente, mas um pintor muda de ideia quando está pintando”, disse Turquin,

A alta avaliação da obra não surpreendeu a Turquin. “Há um renascimento dos velhos mestres, isso está claro”, disse ele, citando a venda da Christie de 2017, “Salvator Mundi”, de Leonardo da Vinci, por US$ 450,3 milhões, incluindo taxas.

Depois, há a condição da obra de arte, excepcionalmente bem preservada para sua idade. “Mesmo as pessoas que não concordam com a atribuição a Caravaggio concordam com a qualidade da pintura. Muitas das pinturas antigas foram danificadas. As pessoas tentaram limpá-las porque estão escuras”, disse Turquin.

Tanto Turquin quanto Marc Labarbe disseram que gostariam de ver “Judith e Holofernes” em exibição pública. “Eu preferiria que fosse a um museu. Gostaria que fosse conhecido”, disse Turquin. “Se você tem um Caravaggio no seu museu, você tem o melhor”, disse Labarbe.

Labarbe ainda admira que a pintura tenha sido descoberta. “Há apenas 65 pinturas dele no mundo, e eu encontrei a 66ª pintura em um sótão. É incrível, mas é verdade”, disse ele.

Fontes:
CNN-Lost Caravaggio painting found in attic could fetch $171 million at auction

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *