Início » Cultura » Casa do Pontal: um francês e a arte popular brasileira
Rio Contra a Corrente

Casa do Pontal: um francês e a arte popular brasileira

No fim da Estrada do Pontal, cercado pelo verde da Restinga do Grumari está o Museu Casa do Pontal, o mais importante museu de arte popular do país

Casa do Pontal: um francês e a arte popular brasileira
O Museu Casa do Pontal, desconhecido de muitos cariocas, tem o maior acervo de arte popular do país (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No fim da Estrada do Pontal, cercado pelo verde da Restinga do Grumari, está o Museu Casa do Pontal, o mais importante museu de arte popular do país. Localizado na cidade do Rio de Janeiro, no Recreio dos Bandeirantes, o lugar é uma referência turística e antropológica, por trazer retratados em esculturas, realidades particulares de cada região do Brasil.

Cerca de 200 artistas estão expostos no Museu. Há produções do início do século XX e peças mais atuais entre esculturas, bonecos, entalhes, modelagens e mecanismos articulados, produzidas com o uso de barro, madeira, tecido, areia, ferro, alumínio, miolo de pão, palha e arame.

A Casa do Pontal pertencia ao artista plástico Jacques Van de Beuque, francês radicado no Brasil desde 1946. Ele reuniu todo o acervo e construiu a sede do museu, que continua sendo atualizado com parcerias e colaborações diversas. Atualmente, é administrado pela antropóloga e nora do criador, Ângela Mascelani. Jacques viajou durante quarenta anos para compor o acervo com artesanatos de 24 estados brasileiros. Ele morreu no Rio de Janeiro em 2000.

A Casa do Pontal foi aberta ao Público em 1992. A maior parte das peças expostas é feita de barro representando o cotidiano do povo brasileiro – tipos, costumes, festas, tradições e rituais. No entanto, há também obras feitas com madeira, tecido, areia pintada, ferro e outros materiais. Os temas abordados se relacionam com os mais variados aspectos rurais e urbanos, fornecendo uma visão bastante abrangente da vida e da cultura do brasileiro.

As peças estão dispostas por tema como profissões, rituais e festas. Há ainda uma sala especial, com entrada restrita, onde estão expostas peças eróticas feitas com barro. Entre os artistas expostos no Museu estão Mestre Vitalino, Amaro Vitalino, Luiz Galdino, Inês Rodrigues, Maria Otília, Zezé de Juazeiro.

Leia mais:

No alto da cidade, um lugar chamado céu

Cachoeiras e Parque Municipal do Mendanha

Reserva ambiental preserva a beleza de Grumari e Prainha

Séculos de música e história com o cravista Roberto de Regina

Barra de Guaratiba: Burle Marx, Marambaia e comida de qualidade

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Regina Caldas disse:

    Foi um pequeno trabalho de alguns minutos descobrir que este Museu situa-se no Rio de Janeiro, no Recreio dos Bandeirantes….

  2. João Bosco Maria Duarte disse:

    Visitei a Casa do Pontal há mais 15 anos. Fiquei encantado com a riqueza cultural por trás dos singelos trabalhos em barros de mestres brasileiros quase sempre desconhecidos do grande público. O brasileiro deveria conhecer melhor o seu país, rico em diversidades culturais, mas nem sempre valorizadas, talvez até por preconceito, prin-
    cipalmente por se tratar de arte oriunda de regiões menos privilegiadas economicamente, como o Nordeste. Precisamos combater este estigma de que só o que vem de fora é bom; o nacional é sempre de segunda categoria. Isto também são marcas de uma cultura colonialista. Basta vermos a avalancha de produtos culturais estrangeiros que invadem o nosso território, muito das vezes de gosto duvidoso. Este quadro se encontra no cinema, na música e em muitas atividades culturais produzidas lá fora. Pobre do país que não tem uma identidade cultural própria, pois, sendo assim, nunca terá opinião independente e o desejo de se tornar uma grande nação respeitada e adimirada mundialmente.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *