Início » Cultura » Como a evocação do passado inspira a obra do escritor francês Patrick Modiano, prêmio Nobel de Literatura em 2014
Proust do século XXI

Como a evocação do passado inspira a obra do escritor francês Patrick Modiano, prêmio Nobel de Literatura em 2014

A Real Academia Sueca saudou Patrick Modiano como “o Marcel Proust de nossa época”, na cerimônia de entrega do prêmio Nobel de Literatura em 9 de outubr

Como a evocação do passado inspira a obra do escritor francês Patrick Modiano, prêmio Nobel de Literatura em 2014
Patrick Modiano escreveu mais de trinta romances, livros infantis, roteiros de filmes e letras de música (Reprodução / Internet)

A Real Academia Sueca saudou Patrick Modiano como “o Marcel Proust de nossa época”, na cerimônia de entrega do prêmio Nobel de Literatura em 9 de outubro. “Isso é estimulante”, disse o escritor enigmático ao anunciar à imprensa que doara o prêmio ao neto.

Patrick Modiano escreveu mais de trinta romances, livros infantis, roteiros de filmes e letras de música. Suas obras consideradas clássicas foram traduzidas em 36 idiomas, embora não seja muito conhecido nos países de língua inglesa onde seus livros não são muito divulgados, com poucos títulos traduzidos e alguns esgotados. Mas com a publicação de Suspended Sentences: Three Novellas, editado pela Yale University Press, os leitores de língua inglesa terão a aportunidade de conhecer melhor esse grande nome da literatura francesa.

Os livros de Modiano revivem de uma maneira obsessiva o período de ocupação francesa pelos alemães na Segunda Guerra Mundial, com relatos de histórias sombrias e conflitos de identidade e culpa. Seus primeiros livros de ficção denunciaram a colaboração francesa com os nazistas durante a ocupação e o papel dos colaboracionistas na deportação de judeus, muito antes de os historiadores explorarem o tema. Os trabalhos mais recentes examinam as complexidades e ambiguidades de um período que ainda atormenta as pessoas. Descreve os mecanismos da memória individual e coletiva; a maneira como é reprimida; a necessidade de lembrar e esquecer; e a dificuldade de dar sentido a um passado em que a evidência é escassa, dispersa ou contraditória.

 

 

Fontes:
Economist - French Letters

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *