Início » Cultura » Evangélicos botam o bloco na rua
Carnaval 2011

Evangélicos botam o bloco na rua

Bloco evangélico pioneiro que desfila no Rio não tem mestre-sala e porta-bandeira, mas tem mestre-salvo e porta-louvor. Por Hugo Souza

Evangélicos botam o bloco na rua
Bloco Cara de Leão, do projeto Vida Nova de Irajá

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Como o Opinião e Notícia mostrou na matéria “A Igreja pode inspecionar o barracão?”, a Igreja Católica se esmera há séculos em seu autoatribuído santo ofício histórico de “depurar” o carnaval das práticas que considera pecaminosas e subordiná-lo aos princípios do evangelho de Jesus Cristo.

O exemplo mais recente disso, ou pelo menos o mais repercutido, foi a manifesta vontade da arquidiocese do Rio de Janeiro de enviar um emissário ao barracão da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis a fim de inspecionar um carro alegórico cheio de imagens santas que a agremiação pretende levar à Marques de Sapucaí no desfile deste ano, cujo enredo homenageia o católico fervoroso Roberto Carlos – o cantor, não o jogador.

A postura dos evangélicos diante da maior festa popular do Brasil não é muito diferente. Como o Deus, Sua Palavra e Seu Filho são os mesmos, as correntes protestantes pentecostais e neopentecostais também fazem retiros espirituais e também advertem seus fiéis sobre os perigos dos excessos do corpo e das distrações da mente. Portanto, a diferença é mais de ênfase e método das respectivas “estratégias carnavalescas”, por assim dizer, do que propriamente de princípios.

Evangelismo estratégico

Por um lado, pode-se dizer que a euforia e a espontaneidade do carnaval é algo mais próximo do êxtase e do fervor que caracterizam o ritos de adoração nas igrejas evangélicas, marca registrada no movimento pentecostal, do que da sisudez da liturgia católica. Por outro, falta ao movimento pentecostal a autoridade institucional que a Igreja Católica (ainda) tem para meter o bedelho nas alegorias alheias, o que obriga as igrejas evangélicas a buscarem influenciar o carnaval de outras maneiras.

Em resumo, tem muito evangélico “praticante” literalmente caindo no samba, ainda que a sua maneira particular e com objetivos evangelísticos. É o “evangelismo estratégico” ou “criativo” em época de carnaval. Exemplo disso é o já clássico bloco carnavalesco Cara de Leão, do projeto Vida Nova de Irajá, fundado no Rio de Janeiro há quase 20 anos.

No ano passado, o Cara de Leão levou cinco mil componentes à Avenida Rio Branco, no centro do Rio. O bloco desfila ao som de um “hino-enredo” tocado por uma bateria de 200 componentes e com pastores fazendo orações do alto dos trios elétricos, que preferem chamar simplesmente de carro de som.

Festa ‘tremendamente maligna’

Não tem mestre-sala e porta-bandeira, mas tem mestre-salvo e porta-louvor. Durante o desfile do Cara de Leão no carnaval de rua do Rio de Janeiro, alguns de seus integrantes formam um grupo de apoio para evangelizar os foliões seculares com panfletos bilíngues, em português e inglês.

Mas que não se engane quem supõe uma certa distensão, por assim dizer, entre o sagrado e o profano. O pastor Ezequiel Teixeira, fundador do bloco, foi taxativo quando disse há dois anos em entrevista ao site Recanto das Letras: “O fato de termos um bloco evangelístico não quer dizer que apoiamos o carnaval, que é uma festa pagã, tremendamente maligna”.

Existem blocos de carnaval evangélicos em vários estados do Brasil, e há até escolas de samba gospel, como a Jesus Bom a Beça, de Curitiba. E que tal o fato de que Pierre Onassis, premiado compositor responsável por grandes sucessos do carnaval baiano e agora convertido, vai puxar um dos trios da Marcha para Jesus, evento evangélico-folião do carnaval de Salvador?

Leia mais:

Especial Carnaval

O Carnaval e a Igreja

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

38 Opiniões

  1. Reusham disse:

    Um dia as “filhas” iriam ficar piores que a “mãe”.
    Este dia tem chegado.

  2. Eleutério Sousa disse:

    O pessoal fala barbaridades à bessa! Eu gosto do carnaval, a música é bonita, é lúdica, é lasciva…Mas, a alegria ou a tristeza se veem
    na quarta feira…Quanta inocência perdida, quanta droga, quanto sofrimento…A propósito, porque as famílias do Rio vão para as fazendas nesta época e só ficam lá no Rio os pescadores de águas turvas?

  3. jadio disse:

    O Evangelho para ser propagado e recebido não precisa de subterfúgios mundanos. Por que não caem logo na farra? mostrem logo o que são.

  4. Carlos U. Pozzobon disse:

    Cada qual faz o carnaval que quiser. Por ser uma festa de liberdade não podemos restringir temas, abordagens e iniciativas de blocos. Acho lamentável a Igreja se imiscuir onde não deveria. Mas nas relações sociais as igrejas sempre foram um tanto quanto carnavalescas. Afinal, a tradição das vestimentas católicas (exploradas por Fellini no filme “Roma”) não parece um prato para um desfile de um bloco de sujos? Então o que me surpreende é que no Carnaval a Igreja faça censura através de liminares suspendendo tal ou qual alegoria e que a Justiça – demonstrando total ignorância com a tradição – ainda assim as conceda. Parece que nosso carnaval anda passando pelo escrutínio policialesco da Igreja. Espero uma resposta dos cariocas à altura dos eventos na praça Tahrir.

  5. João Cirino Gomes disse:

    Bom se o interesse é distrair a atenção da população, dos assuntos que são de reais importância, tais festividades vieram a calhar!

    Esta se tornando fácil e vantajoso manter o domínio sobre a massa, manobrando-a com pão e circo!
    A educação sucateada e o carnaval e futebol fazendo parte da cultura de um povo, não meio contraditório?

    Tais contradições, nem Freud conseguiria explicar!

  6. marcilio disse:

    para mim vejo isto como uma ameaça que poder ocorrer o estado e religiao se unindo, lembrando eu nao sou contra nenhuma religião, porem vejo que tanto catolicos tanto prostestantes neopetecostais visam o poder politica , mas enquato houver a separaçao entre estado e religiao o ideal iluminista sempre viverá e claro a liberdade economica em abrir e fechar o comercio em qualquer dia da semana.

  7. sujeito oculto. disse:

    isto tudo não passa de um jogo político entre as igrajas, tanto as católica como as evangélicas, mais adtos (mais dinheiro), agora voces me digam : precisamos de igreja para saber o limite de cada um? tudo o que fazemos tem cansequecia, assim sendo cada folião deva saber os seus limite AS IGREJAS DEVEM FICAR NA SUA,esperem seus fieis pra depois do carnaval.

  8. Peter Pablo Delfim disse:

    Nem pão nem circo. Chicote. Tem gente que pensa assim. Que mal faz pão e circo na cultura de um povo. Um povo não se faz somente de pão e circo. Tampouco sua cultura. Isso somente ocorre em mentes pervertidas. Observar a história e principalmente entender os seus significados é necessário e nos pouparia de tantas exentricidades.
    A religião aponta caminhos. Segue quem quer e acha que agrega algo para seu crescimento como pessoa e espiritualmente. Ninguém é obrigado a nada. Crença é individual. Cada um tem a sua e age de acordo. O ideal é que o carnaval, que soma espiritualmente para muitas pessoas, assim como a fome soma para as questões físicas, procure um ponto de convergencia com religiões e crenças. Do contrário teremos os irremediáveis e intermináveis embates de opiniões. E o resto será como o de sempre.

  9. valter zanim disse:

    esse negocio de que cada um faz oque quer e muito ruim nos ate podemos faser oque quiser mas com responssabilidade

  10. maRIA TEREZA disse:

    SENHORES, PELO QUE LEIO SEMPRE NÃO É A IGREJA CATÓLICA QUE “METE O BEDELHO”(forma desrespeitosa e má educação de um jornal tão coneceituado)A ESCOLA CITADA É QUE ENTRA NUMA ESFERA QUE NÃO A PERTENCE: PELO QUE SEI, SOMENTE A IGREJA TEM ÍCONES E IMAGENS. pensem bem: O QUE TEM A HAVER OS ADEREÇOS DE UMA FESTA COMOO O CARNAVAL COM OBJETOS DA IGREJA? FRANCAMENTE! PARA TUDO HÁ LIMITES, POR QUE NÃO DEIXAM ESSA MARAVILHOSA INSTITUIÇÃO EM PAZ???

  11. Samuel disse:

    É, Sr. Carlos Pozzobon, a praça Tahrir é um exemplo do anseio de liberdade, coisa rara no mundo muçulmano. Porém, os “revoltosos” não abriram mão de sua crença islâmica nem vao abrir, com certeza. Pergunte a qualquer deles o que faria se visse uma imagem de Maomé num bloco de pessoas semi-nuas… E os cristãos se permitem tudo em nome de uma liberdade que mais parece libertinagem, não se respeita mais nada. As imagens dos santos católicos são simbolos da fé e precisam ser respeitados. E isso o ESTADO LAICO tem de garantir, do mesmo modo que permite a qualquer individuo, bem ou mal intencionado, fundar uma religião…
    Um abraço fraterno.
    Samuel

  12. Peter Pablo Delfim disse:

    O Estado não pode meter religião a força na cabeça das pessoas como alguns imaginam que seja possível. (Como seria o mundo dêles?). Enquanto isso, outros insistem no monopólio de Deus. Que horror! É uma barbárie cega. Cada um deve fazer o que quer sim. deve fazer aquilo que melhor atenda seu crescimento espiritual e como pessoa já referido aqui. O que deve ser observado é o respeito pelo outro. Pelo direito do outro. O que existe muito pouco atualmente. O problema real é bem outro. Fosse uma festa de elites, mesmo estando a atual eivada de celebridades, não haveria discussão alguma. Assim como não há com relação ao teatro, cinema, páscoa e natal. Como disse o problema é outro. Uma tragédia e uma vergonha.

  13. Ybrasil disse:

    “Esse é o batidão, que foi feito pra geral.
    O bonde do bem, que converte todo mal.
    Nosso lema é paz, salvação que vem da luz,
    Guerreiros a vera, nós fechamos com Jesus.”

    Hehehe….arrebataduuuuuuUS!

  14. José Milton De Quevedo disse:

    Eu pessoalmente acho uma hipocrisia tão grande
    essa da Igreja Católica, de dar palpites sobre
    a maior festa,pagã que é o Carnaval.
    Com é que uma instituição caindo de podre que é
    a igreja de Roma poderá purificar ou algo assim
    esta festa.
    Já as filhas dela (Igrejas pseudo-Evangelicas)tentam colocar seus blocos na rua.

    “Abaixo a velha Prostituta e suas afiliadas”

  15. Rogerio disse:

    Os pastores gostam mesmo é de fazer festa em paraísos fiscais. O dindin dos fiéis é realmente uma orgia.

  16. Emanuelle Bezerra disse:

    Hugo, parabéns pela matéria! é difícil eu não gostar do que você escreve.
    Sobre a questão carnaval x Igreja acho q a Igreja n tem q meter o bedelho em coisa alguma. E q ninguém também tem o direito de criticar o que as pessoas, que acreditam no que a Igreja diz sobre o carnaval, fazem ou deixam de fazer nestes dias. Quer retiros, quer os seus próprios blocos e desfiles, porque condenar, ou ridicularizar? Se essa é justamente a coisa que mais incomoda na religião (a mania de criticar a vida alheia q n segue os dogmas). Se existe uma coisa que aprendi dentro de uma igreja é que eu sou livre. E é assim que trato as pessoas, como pessoas livres para decidirem fazer o que bem entendem de suas vidas. Jesus era alegre e cordial. Gostava de festas e dançava como relata a Bíblia. E se os cristãos estão caindo no samba para se aproximar das pessoas, isso ao meu ver é um ponto positivo. Melhor do que ficar do altar criticando e condenando quem tem tais práticas. Melhor do que travar uma guerra contra algo estabelecido e enraizado e que envolve milhões de reais e muitas alianças políticas e econômicas para acontecer.

  17. Reusham disse:

    O Cristão verdadeiro, aquele que procura viver a palavra de Deus como ela é, não está nem aí para isto.
    Ele tem uma vida pacata, sóbria, não procura aparecer nem desta, nem daquela forma. Tem uma opinião formada a respeito de tudo, conhece perfeitamente o que é certo ou errado, e procura sempre viver o certo.
    O mundanismo não lhe causa espanto, porque ele sabe que é daí para pior.
    Uma casa edificada na rocha, não em areia.
    Mil caem a sua direita, dez mil a sua esquerda, ou vice-versa, mas ele não é atingido.
    Portanto, nenhuma atitude, nenhuma opinião, principalmente de teólogos, o abalará, porque ele sabe em quem tem crido.
    São mui poucos os que vivem assim, mas eles existem.
    E como o mundo ja é do maligno, então o maligno que faça a festa com o seu mundo.

  18. Luiz Franco disse:

    As religiões tambem estão contaminadas pelo espirito do mundo. Sendo assim, o que elas pensam , dizem ou fazem sobre o carnaval ou qualquer outro assunto eh irrelevante.

  19. Marcos Rangel disse:

    Dê a Deus o que é de Deus e a Cézar o que é de Cézar! Sou evangélico (vulgo protestante) e acredito que não exista necessidade de divulgar a palavra de Jesus Cristo em época historicamente caracterizada como oposição ao que é pregado nas igrejas, tempo em que as mesmas procuram se isolar para buscar a Deus, pois sabemos que a cultura do Carnaval não está só nas plumas e paetês. Vivemos em um estado Laico e Democrático, e, acima de tudo, devemos respeitar a vontade dos foliões. A palavra de Deus é gratuita e está disponível para quem quiser buscá-la!

  20. Álisson Rodrigo disse:

    ola,bom dia para todos!

    A Biblia nos fala sobre dois caminhos,
    o primeiro é o largo, cheio de facilidades, mas que nos leva a perdição e é contrario ao reino dos Céus,já o segundo é estreito, apertado e cheio de dificuldades, mas os que por ele conseguirem passar, receberam uma coroa de glória, e este será seu galardão.

    A biblia nos relata de varias maneiras que nosso caminho não é o mesmo do mundo, que somos diferentes,somos escolhidos para fazer a obra cristã em lugares diferenciados, pois um dia Deus fez Ló sair de sodoma e gomorra pois era terra de prostituição, e destruiu aquele lugar de forma que se Ló olhasse para tras viraria uma estatua de sal, o que aconteceu com sua mulher.
    Então,não vos assenteis em roda de escarnecedores e nem se detenha nos caminhos dos impios.
    DEVEMOS SOMENTE SER IMITADORES DE CRISTO, NÃO IMITANDO O MUNDO, MAS QUE O MUNDO VENHA A TE IMITAR.

  21. luciana da conceição honório disse:

    Não acho muito apropriado ir a esses lugares,ainda mais se misturar no carnaval.Dificilmente as pessoas irão dá atenção,porque estão muito envolvidos na BAGUNÇA do carnaval.

  22. Jesser Farias Nobre disse:

    Essas pessoas que si dizem ser evangélicas, mas que na verdade são falsos profetas, estão de brincadeira com suas propias vidas, sendo quer um dia irão prestar conta face a face com Deus, ai eu quero ver elas falarem sobre seus blocos carnavalescos!!

  23. marcilio disse:

    NÃO deixarei nenhuma’ MARAVILHOSA INSTITUIÇÃO EM PAZ’porque elas (tanto evangelicos e catolicos) querem acabar com a ideologia laica que ha em nossos estados querem impor teocratização forçada as pessoas tem a opçao de escolher eleger e optar queremos a politica separada da religião ai deixarei em paz se eles nao se envolver na poltica.

  24. marcilio disse:

    lembrando eu nao sou contra nenhuma religião,sou a favor da liberdade religiosa.

  25. Amadeu Pereira dos Santos disse:

    Pode ser que alguém não aprove essa história de se misturar religião com carnaval. Enquanto a igreja católica pensa em censurar muita coisa na maior festa pagã do mundo, os evangélicos (os não católicos) vêm com a proposta de aproveitar esse momento festivo como um meio de, além de manter seus seguidores focados na religião, conquistar novos adeptos. Essa atitude dos chamados crentes parece sem muita importância, mas é engano. O tempo já mostrou que muitas novidades introduzidas por essa outra multidão de religiosos influenciaram e muito a Igreja Católica que se viu forçada a flexibilizar suas intransigências doutrinárias para tentar impedir a debandada do povo católico para outros púlpitos.

  26. FRANCISCO DE LIMA GOMES disse:

    Marcílio,
    Sou Protestante (vulgo evangélico) e, pra mim, você confunde Estado laico (desvinvulado de religião) de sociedade sem religião (como se fosse possível). Nós, os Protestantes, fomos os agentes sociais que mais des-teocratizaram o Estado Brasileiro. Na Constituição de 1891, o Brasil deixou de ser o Estado Católico, graças a Deus. A imundície católica não é mais acobertada pela Carta Magna, PORÉM culturalmente o Brasil ainda é católico. E a Rede Globo é a defensora, INCONCIDIONAL, dessa situação. Por quê? Óbvio se não fosse claro: o “doutrinamento” católico é mais eficaz para termos ainda uma nação prostrada, monopolizada, subserviente, inerte, letárgica, alienada… Ufa!
    Monopóli é tudo de que a Rede Globo necessita.
    Igreja Católica e Rede Globo estão na sobrevida na sua COERÇÃO SOCIAL.
    Se Deus quiser!
    .
    Para o BRASIL DESENVOLVIDO é irremediavelmente necessário que Igreja Católica e Rede Globo seja reduzidas à sua significânsia.
    É o que já vem ocorrendo.
    .
    Graças a Deus!

  27. FRANCISCO DE LIMA GOMES disse:

    =========================================
    Fazendo a devida correção no Português do comentário anterior:
    =========================================
    Marcílio,
    Sou Protestante (vulgo evangélico) e, pra mim, você confunde Estado laico (desvinvulado de religião) e sociedade sem religião (como se fosse possível). Nós, os Protestantes, fomos os agentes sociais que mais des-teocratizaram o Estado Brasileiro. Na Constituição de 1891, o Brasil deixou de ser um Estado Católico, graças a Deus. A imundície católica não é mais acobertada pela Carta Magna, PORÉM culturalmente o Brasil ainda é católico. E a Rede Globo é a defensora, INCONCIDIONAL, dessa situação. Por quê? Óbvio se não fosse claro: o “doutrinamento” católico é mais eficaz para termos ainda uma nação prostrada, monopolizada, subserviente, inerte, letárgica, alienada… Ufa!
    Monopóli é tudo de que a Rede Globo necessita.
    Igreja Católica e Rede Globo estão na sobrevida na sua COERÇÃO SOCIAL.
    Se Deus quiser!
    .
    Para o BRASIL DESENVOLVIDO é irremediavelmente necessário que Igreja Católica e Rede Globo seja reduzidas à sua significância.
    É o que já vem ocorrendo.
    .
    Graças a Deus!

  28. solange disse:

    o homem precisa trabalhar muito, viver muito e exercitar todas as experiencias terrenas durante muito tempo, para que depois de muitas vidas, muitas mortes, e ainda muito tempo,continuar a ser ele mesmo. Ja falava com muita sabedoria o religioso Dom Helder que a nossa evolução intelectual e moral será paulatina,gradativa e homeopática, a fim de que as experiências sadias fiquem estratificadas no nosso ser imperecível, assim como, precisamos descartar com o concurso do tempo, nossos vícios, desejos e paixãoes,sendo inútil a tentativa de mudanças íntimas, através de decretos ou medidas provisóras automaticas.

  29. FRANCISCO DE LIMA GOMES disse:

    Solange,
    Essa tese do Sr. Helder Câmara é, na verdade, síntese do interesse do Cardinalato Católico e parceiros, fazendo crer na necessidade de séculos de sofrimento: “olha lá vai passando a procissão, SE ARRASTANDO QUE NEM COBRA PELA CHÃO…” (seu ilustre conterrâneo Gilberto Gil), o cancioneiro popular é implacável.
    De dentes secos (poucos dentes), estômago vazio e a mente cheia (de baixa estima).
    Se a Igreja Católica mantivesse seu poder absoluto, estaria ainda com os Monopólios da Religião e da Educação no Brasil, ambos convergindo para o mesmo fim: impregnar a COERÇÃO SOCIAL que lhe apraz. Aquela que a fez dividir o filé com o Estado, jogando a ossada para o povo.
    Em que pese ser ela ainda um vampiro poderoso do dinheiro público (reformas de prédios inúteis, doações de terrenos e tantos outros), já não passa tão despercebida assim. Há controvérsias.
    O Brasil está se despindo das vestes cheias do pus dessa lepra.
    A cidadania nos será grata a longo prazo.
    .
    FRANCISCO DE LIMA GOMES
    Especialista em Educação Financeira

  30. Genivaldo disse:

    Não se mistura a religião com festa de paganismo é errado e isto se chama de apostasia.

  31. Katia Medeiros disse:

    ” Vou tomar o que o diabo me roubou …”

  32. Alexandre disse:

    É importante que numa matéria jornalística, deva-se ter o cuidado de se evitar comentários tendenciosos e partidaristas, o que não ocorreu aqui.
    A matéria foi feita por pessoa que conhece de forma muito rasa o assunto.
    os blocos evangélicos são completamente legais, historicamente pacíficos e sem menção afrontosa a nenhum segmento. Os que assistem,o fazem de espontãnea vontade. Sugiro que o autor da matéria faça o mesmo e como formador de opinião, se de afto preza pela sua profissão tenha mais cautela com o que comenta

  33. Monique disse:

    “Que pregues a palavra, instes a tempo e a fora de tempo, redarguas , repreendas, exortes, com toda longanimidade e doutrina” II Timoteo 4:2

    É baseado nesse versículo o evangelismo estratégico, pois a palavra de Deus nos exorta a pregar a palavra a tempo e fora de tempo…tenho muito orgulho de fazer parte deste trabalho, que todos os anos tem salvo muitas pessoas que estão ali, curtindo o carnaval, mas no fundo estão tristes e precisando de Jesus…graça e paz…

  34. Lucas disse:

    Quem precisa de Jesus, vai à igreja e não pra rua, participar de blocos carnavalescos… Carnaval é festa pagã, festa da carne! Não se leva o nome de Jesus dessa maneira. Quando ele disse: “Ide e pregai o evangelho à toda criatura…” O desejo é que seja pregado de forma sútil, íntegra e que não exponha a sagrada palavra ao rídiculo. Jesus não precisa apelar pra ser enxergado. Cada um enxerga o divino, no seu tempo, no seu momento. E Deus tem um momento pra cada um. O cúmulo foi um destaque fantasiado de DIABO!!! O que é isso??? O cúmulo da ganância! Estão dando créditos ao maligno na sua propria festa?? O que me conforta, é saber que Deus está vendo isso td! E com certeza, ele não está com confetes e mascaras não…

  35. LEONARDO GOMES disse:

    Cada pastor tem o seu ministério e eles tem uma visão sobre o ministério e uma ESTRATÉGIA DE EVANGELISMO.No caso do Ap.Ezequiel Teixeira é ir no forte do inimigo(carnaval)e pegar o que ele nos roubou(as vidas que precisa conhecer Palavra)e levar a verdadeira alegria que é sem dúvida JESUS.

  36. marcilio leão disse:

    Carnaval, dizem os filólogos, tem sua etmologia na expressão “carne vale”, expressão que tem seu contraponto no critianismo enunciado por Paulo: ” a inclinação da carne é morte e do espírito vida “. A moda de cristãos participarem do carnaval, ainda que sob o argumento de evangelizar, não se justifica – é péssima doutrina, mau exemplo e prática pecaminosa. O Senhor já tem determinado: “saí do meio deles “, e Paulo orienta: ” nenhum soldado é recompensado se não militar legitimamente”. Deixando de lado o aspecto teológico e doutrinário (óbvio e notório), percebemos que, muitos desses cristãos néscios, são imbuídos de completa interação com o comportamento folião, não se divisa diferença alguma entre o folião hediondo e o folião “ascético”, pelo contrário, os ditos cristãos alegremente caem na esbórnia ao som da MPE, música popular evangélica – essa, por sinal, constituí um capítulo à parte do processo de degeneração desses grupos mercantilistas e cínicos.

    Vou dizer o que é o carnaval, de 1ª mão,pois sou alguem que vive e sofre na pele, essa hecatombe cultural brasileira.

    Morei 25 anos em Olinda/Pe, talvez o lugar mais dominado pelo carnaval em todo o mundo, alguem lembrará Salvador/Bahia, mas Salvador não inicia seu carnaval de rua em setembro,nem o estende até março, pois bem,o carnaval de Olinda se dá na parte alta e antiga da cidade, uma área recheada de monumentos, igrejas,e imóveis históricos, ocorre que o lugar é habitado por uma população, não se trata de um “sambódromo”, contudo é invadida durante 05 messes do ano, por uma horda de vagabundos, desordeiros, traficantes, viciados, bandidos e prostitutas – não se engane quem o vê pela TV, aquilo lá é um inferno, contando com arrastões, cenas deploráveis de sexo hetero e homossexual, escancarado literalmente nas portas dos moradores da área, não adianta falar ou argumentar, muito menos o policiamento, por sinal, já muito demandado, tendo em vista que os tais “foliões” se acustumaram com a idéia de que a LEI é suspensa nesses dias, e contam com a hipocrisia demagógica, irresponsável e ausente do prefeito ausente Renildo Calheiros. Quem mora na cidade alta é, literalmente, agredido, sequestrado, roubado e tem seus direitos mais elementares expropriados, tudo isso para satisfazer o inalienável direito humano de se depravar democraticamente e com o apoio do PT e PC locais.

    Sou menbro de uma igreja evangélica situada no âmago da folia, a consequência é que somos expulsos do local, o acesso é negado aos veículos de fiéis e de moradores que não se submetem antecipadamente ao “cadastro”, afinal quem exporia seus veículos a essa horda? só o ato de passar pelos blocos em direção à igreja seria uma temeridade, por outro lado eu mesmo presenciei duas adolescentes praticando sexo lésbico na porta da igreja! durante um dos cultos, ainda em setembro!

    No entanto, as consequências maiores se acumulam depois do carnaval: prejuízo para o erário municipal, mutilações humanas, mortes, aumento do tráfico e de viciados, gravidez infantil, veículos destruídos, sujeira e fezes nas portas dos moradores(as casas de Olinda não tem muro, só uma porta separa os marginais dos moradores) e por fim o maior de todos os danos aos munícipes : o fomento de uma cultura social viciada, estúpida,deformada,analfabeta, improdutiva, ignorante, alienada, enfim, tudo que os esquerdoídes adoram, e vem provocando a decadência total, associada ao abandono da história patrimonial. Olinda esta ficando para trás,a outrora Bela, Ó Linda! é hoje um município-problema, cujo ritmo de crescimento foi abolutamente ultrapassado por outros em muito pior condição geográfica, tais como Petrolina, Caruaru, Gravatá e Ipojuca. Na realidade, Olinda tem sua renda percapita entre as menores do estado de Pe.É a opção pelo pecado gente!

    Face esses fatos, os “cristãos” que participam do carnaval só podem ser rotulados de PALHAÇOS HIPÓCRITAS, joio podre, e os líderes são IDIOTAS inimigos do evangelho.

    Marcilio Leão

  37. Andre Luiz Silva Ribeiro disse:

    sou evangélico, membro da igreja pioneira no “evangelismo estrategico de carnaval”. Naõ me julgo mais conhecedor da palavra que qualquer um de vocês,mas eu creio em um evangelho que confronta o pecado em qualquer circunstância um evangelho que nao se limita a tempo,pois esta escrito”em tempo e fora de tempo”e nem taõ pouco esta limitado as pregações dentro de igreja radio tv e etc…vejo muitos irmãos criticando, creio que vcs são homens e mulheres de Deus mas deveriam se informar melhor a cerca do E.E,C.pois é algo levado a sério por nos, antes de irmos para as ruas jejuamos oramos muito, muito mesmo e uma parte da igreja continua orando na retaguarda para que o Senhor possa salvar e libertar naquele lugar e Ele tem feito isso a cada ano. então irmãos devemos nos informar antes de tornarmos publicas as nossas opiniões,talves alguns que nos criticam nunca viram um trabalho de evangelismo nosso não são poucas as almas ganhas para Jesus através do “E.ESTRATÉGICO”e esses que aceitaram a Cristo não se importam se foi no carnaval no cemitério. Iremos a qualquer outro lugar que o Senhor mandar a sua igreja.Não vamos limitar o evangelho graça e paz a todos

  38. marcilio leão disse:

    caro Sr. Andre . Luiz Silva Ribeiro

    O evangelista de prostíbulos não deve fazer sexo com esta, a pretexto de “melhor evangelizar”
    Cristão que recupera alcoolátras não deve tomar chachaça para se “nivelar” durante a pregação. Pastor não deve se corromper, para adentrando o círculo de corruptos ,”orar”por estes, a ex. do vereador de Brasília.
    Bispo não deve roubar para a “causa” do evangelho.

    ” …Nenhum soldado que milita, recebe recompensa se não o faz legitimamente..” São Paulo.

    ” Você é o que você faz, não o que diz….”ditado popular norte-americano

    Essas conversões etílicas, no oba-oba dos crentes pagãos e mundanos, são muito suspeitas, pois derivam do mau exemplo, mau testemunho, do escândalo, da perversão do evangelho e do depravo do sadio proceder cristão, quanto vocês orarem antes, é como fez o vereador de Brasilia; ” Sr. abençoa esse dinheiro ( da maracutaia) nos ajuda e abre as portas “. Vocês estão só se enganando a si mesmos, ou o que seria pior, perderam todo senso doque significa : ” SAÍ DO MEIO DELES, POVO MEU….

    marcilio leão

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *