Início » Cultura » Exposição em Londres faz homenagem a Paul Durand-Ruel
arte impressionista

Exposição em Londres faz homenagem a Paul Durand-Ruel

Paul Durand-Ruel (1831-1922) foi um dos mais importantes marchands da virada do século XX e um personagem marcante na história do Impressionismo

Exposição em Londres faz homenagem a Paul Durand-Ruel
'O jardim de Monet em Argenteuil', de Claude Monet, 1873 (Fonte: Reprodução/National Gallery of Art)

Paul Durand-Ruel, um marchand francês, foi um grande incentivador do movimento impressionista do final do século XIX. Durand-Ruel foi o primeiro a divulgar o trabalho dos artistas impressionistas; ele os apoiou financeiramente nas épocas difíceis; e, por fim, encontrou um público tão entusiasta desse movimento artístico como ele. “Sem Durand-Ruel”, disse Claude Monet, “não teríamos sobrevivido”. É uma história de vida fascinante de um homem audacioso, que acreditou e apostou no sucesso da nova manifestação artística.

A exposição “Inventing Impressionism: Paul Durand-Ruel and the Modern Art Market” na National Gallery, em Londres, faz uma justa homenagem a Durand-Ruel. Enquanto a história de sua vida é narrada em textos pendurados nas paredes, com uma extensa descrição cronológica e fotografias de época, os 85 quadros, quase todos negociados por Durand-Ruel, agem como um coro, um hino de louvor a esse espírito corajoso, determinado e visionário.

A exposição com certeza atrairá multidões. Quadros de Monet, Camille Pissarro, Pierre-August Renoir, Edouard Manet, Edgar Degas, Berthe Morisot e de seus amigos artistas são um enorme sucesso de público, além de ambicionados pelos colecionadores. Mas no início da década de 1870, quando Durand-Ruel, um marchand bem-sucedido, filho de outro marchand, se interessou pela arte impressionista, os quadros eram ridicularizados e praticamente invendáveis. Ele reuniu as obras, comprou 12 mil quadros impressionistas, entre os quais mil telas de Monet e 1.500 de Renoir. Com a venda de outro estoque conseguiu dinheiro para pagar salários mensais aos artistas em dificuldade financeira, produziu catálogos ilustrados, envolveu a imprensa no trabalho dos impressionistas e organizou exposições individuais dos artistas, um fato inusitado na época.

Durand-Ruel abriu filiais de sua galeria no exterior e o movimento impressionista conquistou os americanos, graças à ajuda de Mary Cassatt, uma das artistas que Durand-Ruel representava, e que tinha bons contatos na Filadélfia. No entanto, passaram-se anos até que seu engajamento com a arte dos impressionistas se refletisse em vendas expressivas.

Fontes:
The Economist - Paul Durand-Ruel: Making the Impressionists

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *