Início » Cultura » Festival de Cannes tem início em meio a controvérsias
CULTURA

Festival de Cannes tem início em meio a controvérsias

A 72ª edição do festival de cinema começa nesta terça-feira, 14, em meio a discussões sobre serviço de streaming e paridade de gênero

Festival de Cannes tem início em meio a controvérsias
Festival de Cannes vai acontecer entre os dias 14 e 25 de maio (Foto: Divulgação/Festival de Cannes)

Quando Thierry Frémaux, diretor artístico do festival de cinema de Cannes, realizou a tradicional coletiva de imprensa em abril para anunciar a programação da 72ª edição, um grande nome foi notável por sua ausência.

“Era uma vez em Hollywood”, do diretor Quentin Tarantino, que se passará no final dos anos 1960, em uma Los Angeles traumatizada por Charlie Manson, disse Frémaux, “não está pronto”; seu fracasso em cumprir o prazo seria uma grande perda para o festival, privando-o de um de seus diretores favoritos e do imenso poder de fogo de seu elenco – Leonardo DiCaprio, Brad Pitt, Margot Robbie e Al Pacino.

Felizmente para todos os interessados, “Era uma vez em Hollywood” conseguiu dar novo tom a festa: Frémaux foi capaz de anunciar a sua inclusão, alguns dias depois, dizendo que Tarantino “não deixou a sala de edição por quatro meses”. Tendo ganhado a Palma de Ouro, o maior prêmio do festival, em 1994 para seu segundo longa, “Pulp Fiction”, Tarantino poderá se juntar a outros grandes nomes em Cannes, incluindo o britânico Ken Loach, com o drama econômico “Sorry We Missed You”; o espanhol Pedro Almodóvar, com o “Pain and Glory”; e os irmãos Dardenne, da Bélgica, com o drama da radicalização “The Young Ahmed”. “A Hidden Life”, novo filme do diretor americano Terrence Malick, sobre o ativista antinazista Franz Jägerstätter, também deve estrear no festival, mas Malick não deve comparecer.

Por trás do entusiasmo e do poder das estrelas, no entanto, uma série de controvérsias está em discussão. O próprio Tarantino poderia estar na linha de fogo, enquanto os críticos aguardam para ver se seu novo filme cruza a linha da decência em seu tratamento da selvageria da vida real do assassinato de Sharon Tate, em 1969, então esposa do cineasta Roman Polanski. Os filmes de Tarantino têm um histórico de extrema violência, e o próprio diretor não saiu da indústria depois do #MeToo com muito crédito, com as acusações de seu tratamento a Uma Thurman durante a execução de Kill Bill, pelo qual ele pediu desculpas, e seus comentários de 2003 sobre o caso de abuso sexual de Polanski, em 1977.

A ansiosa adoção de Tarantino por Cannes também evidencia o lento progresso que o festival fez em incluir as produtoras na sua seleção. Depois que Frémaux assinou uma promessa na edição de 2018 com o objetivo de melhorar a paridade de gênero no festival, este ano apenas quatro filmes com diretores do sexo feminino (de 21 no total) foram selecionados para a seção de competição de prestígio. Isso ainda representa um recorde – quatro mulheres também foram selecionadas em 2011 -, mas não é suficiente para satisfazer ativistas, que protagonizaram um protesto silencioso em 2018.

 Melissa Silverstein, fundadora do grupo Women and Hollywood, disse: “Há diferentes desculpas a cada ano. Em vez de sermos defensivos, gostaríamos que [Frémaux] aceitasse a questão e fosse um líder”. No entanto, Frémaux recusou-se a dizer que Cannes estava buscando a paridade de gênero em sua seleção. Na conferência de abertura do festival, ele disse: “As pessoas pedem a Cannes para fazer coisas que elas não pedem a outros festivais para fazer… O festival de cinema de Cannes deve ser impecável e perfeito. Ninguém me pediu para ter 50% dos filmes feitos por mulheres. Isso mostraria falta de respeito”.

Pequenas melhorias foram feitas com a introdução de instalações para a família, como uma área para troca de fraldas e lista de amas. Estes complementam uma linha direta para denunciar o assédio que foi criado no ano passado. Por outro lado, a decisão de homenagear o veterano ator francês Alain Delon com uma Palma de Ouro honorária foi recebida com desânimo pelos ativistas, que apontam para a história de comentários misóginos e políticas de extrema-direita de Delon. A organização feminista francesa Osez le féminisme disse: “Cannes está enviando um sinal negativo para mulheres e vítimas de violência honrando Delon, apesar do fato de que ele admitiu ter esbofeteado mulheres.” Frémaux respondeu dizendo: “Nós não vamos dar o prêmio Nobel da paz a Alain Delon… Ele tem o direito de expressar suas opiniões. Hoje é muito difícil homenagear alguém porque você tem uma espécie de polícia política que cai sobre você ”.

O outro flanco exposto de Cannes é sua linha contínua com a gigantesca Netflix, que continua sem solução. Os distribuidores franceses reagiram com raiva depois que dois filmes de alto perfil – Okja e The Meyerowitz Stories – distribuídos pela Netflix apareceram na competição de 2017, apesar da recusa do serviço de streaming em aderir à prática francesa de dar aos filmes uma janela exclusiva de 36 meses para exibições de cinema. A Netflix boicotou Cannes em 2018, dando “Roma”, dirigido por Alfonso Cuarón, ao rival italiano de Cannes, o festival de cinema de Veneza. Nenhum filme da Netflix aparecerá em 2019.

O Festival de Cannes começa nesta terça-feira, 14, e vai até o próximo dia 25 de maio.

Fontes:
The Guardian-Cannes 2019 party kicks off as clouds of controversy gather

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *